Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Rua São Bento (ex-ladeira de São Bento) – Por Elmo Elton

Ladeira São Bento - Fonte: Google Maps

Em 1591, os beneditinos planejaram a fundação de um mosteiro, nas proximidades da Fonte do Conselho e do Reguinho, na vila de Vitória, sendo que, a 25 de julho, a Câmara concedeu a esses monges "uma sorte de terra, junto às casas de Gaspar Fernandes contra a Fonte do Conselho, do caminho para o pé de terra". Em escritura, datada de 8 de outubro de 1605. Isabel Fernandes, a fim de auxiliar a conservação da casa fundada pela referida Ordem, fez-lhe a doação de umas terras ao lado.

O historiador conterrâneo Luiz Derenzi registra:

"A antiga ladeira, hoje Rua de São Bento, lembra a vinda dos beneditinos ao Espírito Santo. Governando a capitania D. Luísa Grimaldi. Chegaram, com regozijo para o povo, frei Damião da Fonseca e o irmão frei Basílio, em 1589. Hospedaram-se na residência daquela ilustre dama, tal o respeito que se tributava então aos religiosos. Vinham, os filhos de São Bento, com o propósito de construir um convento para sua nobilíssima Ordem. D. Luísa deu-lhes a própria residência em Vila Velha, onde se estabeleceu o mosteiro de N. S. da Conceição. Deram logo depois início a outro, talvez o definitivo, na vila de Vitória, em "uma sorte da terra" que a Câmara lhes concedeu em 1591. Situava-se "próximo à Fonte do Conselho do Reguinho". O irmão frei Basilio requereu e obteve o sítio denominado Ilha, que fora da própria governadora."

A Fonte do Conselho foi a primeira denominação da Fonte Grande, sendo que a ilha, a que se refere o texto transcrito, é a atual ilha dos Frades.

Em 1947, vi em mãos do Dr. Lindolpho Barbosa Lima, então procurador da União no Estado, uma imagem de terracota de São Bento, medindo aproximadamente 50 cm, adquirida de antigo morador da chácara do Moniz, que informava ao comprador ter sido a mesma procedente da capela que os beneditinos haviam construído ali. Essa imagem a revi depois, na coleção que se encontra no Museu Solar Monjardim, possivelmente por oferta daquele senhor.

A atual Rua São Bento e a ilha dos Frades são, pois, as únicas lembranças que restam da frustrada tentativa dos beneditinos de construírem um mosteiro de sua Ordem, em Vitória.

 

FONTE: Logradouros antigos de Vitória, 1999 – EDUFES, Secretaria Municipal de Cultura
Autor: Elmo Elton
Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2017

Bairros e Ruas

Praça Misael Pena (ex-praça do Quartel)

Praça Misael Pena (ex-praça do Quartel)

A 1945 a Praça do Quartel passou a denominar-se Misael Pena, tendo o prefeito Carlos Von Schilgen, em 1982, inaugurado nessa área um jardim em substituição à Estação Rodoviária 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Escadaria Maria Ortiz (ex-ladeira do Pelourinho) – Por Elmo Elton

Maria Ortiz era filha de Juan Orty y Ortiz e Carolina Darico, nasceu em Vitória em 1603, tendo falecido na vila em 1646

Ver Artigo
Praça João Clímaco (ex-praça Afonso Brás) – Por Elmo Elton

Em 1910, Jerônimo Monteiro, quando o logradouro tinha o terreno inclinado, para aplainá-lo, construiu-se um muro de arrimo, coroado por balaustrada, fronteiro à atual Rua Nestor Gomes

Ver Artigo
Praça D. Luiz Scortegagna (ex-largo da Matriz) – Por Elmo Elton

O largo da Matriz não tinha calçamento, era de chão batido. Desaparecidas as ruas 2 de Dezembro e Domingos Martins, a área, antes exígua, se ampliou 

Ver Artigo
A Barra do Jucu de há pouco

Didi do Barramar é eleita Miss Terceira Idade do ES. Atletas campeões mundiais como Renato Costa e Neymara são festejados. Jornalistas residentes como Pedro Maia, Rubinho Gomes e Eustáquio Palhares, prestigiam a Barra

Ver Artigo
Rua Marcelino Duarte – Por Elmo Elton

Das casas comerciais de que dispunha esta artéria citam-se a Casa Madame Prado e também o Clube de Regatas Álvares Cabral, todos dando frente para a Praça Costa Pereira 

Ver Artigo