Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Sabor provinciano do Capixaba - Artes Plásticas

O pintor Schwartz documenta a paisagem capixaba

Apenas os nativistas escapam das modas

Na avaliação do pintor mineiro Loio Pérsio, radicado há seis anos no Espírito Santo e com 45 anos de atividade artística, as artes plásticas capixabas têm qualidade correspondente ao gosto e à formação cultural do povo capixaba. "O que salta à vista", diz ele, "é a incongruência e a gratuidade de quase toda a produção capixaba, sujeita à moda ditada pelas metrópoles".

A esse fenômeno cultural dá-se o nome de provincianismo. Ele ocorre em praticamente todo o Brasil, com exceção do eixo Rio-São Paulo.

Sua principal característica é a submissão aos temas e formas das metrópoles, sem vínculo com as tradições locais. "O espírito provinciano é incapaz de reconhecer sua própria identidade cultural", explica Pérsio, lembrando que o outro traço marcante das artes plásticas contemporâneas é o regionalismo. Nesse caso, os artistas se preocupam em preservar sua história vivida, seja pela temática regional ou pela seqüência do estilo. O mais popular representante dessa corrente, no Espírito Santo, é Francisco Schwartz, um típico paisagista capixaba.

Mesmo sem esquecer a proliferação recente de galerias em Vitória, Loio Pérsio considera que as artes plásticas no Espírito Santo refletem a ausência de um consumo de arte, a falta de uma tradição cultural nítida e a carência de uma educação superior. Esse quadro pobre, que se refere tanto aos produtores quanto aos consumidores de arte, tem origem em limitações do passado. Tanto que, lembra Pérsio, os pouquíssimos artistas capixabas de outrora não deixaram discípulos, nem criaram uma temática que pudesse sobreviver nas gerações posteriores.

 

Fonte: Os Capixabas, A Gazeta 14/12/1992
Pesquisa e textos: Abmir Aljeus, Geraldo Hasse e Linda Kogure
Fotos: Valter Monteiro, Tadeu Bianconi e Arquivo AG
Concepção gráfica: Sebastião Vargas
Ilustração: Pater
Edição: Geraldo Hasse e Orlando Eller
Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2016

Curiosidades

Remanescentes neolíticos do índio – Por Levy Rocha

Remanescentes neolíticos do índio – Por Levy Rocha

Os cemitérios indígenas, onde outrora era relativamente fácil escavar uma urna funerária, tornaram-se extremamente raros

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A primeira boiada – Por Serafim Derenzi

A capacidade de Francisco Alberto Rubim excedia em muito aos recursos da Capitania e ao interesse teórico da Metrópole

Ver Artigo
O Século XIX e a Fronteira com Minas Gerais

Não se avaliava o incalculável prejuízo oriundo do leviano auto assinado pelo mineiro de Mariana, a serviço no Espírito Santo

Ver Artigo
Carta de Padrão de D. João III (1653) – Por Nobertino Bahiense

A carta de Padrão de D. João III e datada de 6/11/1653 é precioso documento que não podia deixar de integrar esta obra

Ver Artigo
Tipos Populares e Tipos Impopulares de Vitória

Há uma imensa coleção de tipos populares em Vitória, que qualquer um pode se aproximar, conversar, saber de suas mágoas e de seus problemas: Oto, Meio-Fio, Odilon, Boião (ou Canguru), Buck (ou Nero), Pau-de-Arara, Violão, Samuel, o agitador, e mais alguns outros que não me ocorrem no momento.

Ver Artigo
O Parque Real da Regência Augusta

Proposta revolucionária do Governador Silva Pontes de criação de uma reserva florestal

Ver Artigo