Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Santa Leopoldina - Por Rubem Braga (1953)

Santa Leopoldina

São lindos esses rios capixabas, e a sabedoria é fazer como eu e meu povo de Cachoeiro de Itapemerim ou como essa gente da pequena e linda cidade de Cachoeiro de Santa Leopoldina: nascer e viver a infância no trecho em que o rio tem sua última cachoeira ou corredeira e começa a descer para o mar já sem saltos nem espumas, calmo e liso espelhando árvores e nuvens. Assim a gente vive os dois rios, o da montanha e o da planície, o menino é proprietário de pedras, ilhas e correntezas entre morros e também remanso doce entre pastos meigos.

Aqui também a cidade nasceu porque era último ponto onde chegavam as canoas dos povoadores que vinham do mar. Aqui também a navegação não existe mais; no velho Porto de Cachoeiro só chegam as embarcações da história e da lenda. Ali em baixo, na barra do Mangaraí, onde hoje é a fazenda do suíço Hegler, chegou em canoa Pedro II, em 1860, subiu em carro de bois até Tirol, veio a cavalo até Cachoeiro, foi até a Suíça, onde hoje há uma linda igrejinha católica parecida com igreja protestante, subiu até Jequetibá, Luxemburgo, entre curvaturas dos colonos. Muitos deles eram austríacos dos batalhões estrangeiros que Pedro I fora obrigado a dissolver em 1831, e que a imperatriz Leopoldina, da casa dos Habsburgos, naturalmente protegeu.

Aqui, onde é o fórum, morou em 1890 um rapaz chamado Graça Aranha que era juiz municipal e fez um romance chamado Chanaan em que contou histórias verdadeiras, como a da pobre Maria cujo filho os porcos comeram (o processo ainda está no cartório local). Graça Aranha esteve em triste visita a esta bela sala da família Holzmeister em que passo quase uma hora conversando com o inteligente e bom Luiz Holzmeister, irmão daquele pequenino Fritz que morreu esmagado por um barril de vinho. A bela mulher de traços delicados de que o romancista fala ali está na fotografia antiga, na parede do escritório, comovente em sua beleza. Aqui nesse mesmo ano de 1890 nasceu um primo de Luiz e Fritz, o menino Clemens, que aos cinco anos foi levado para a Europa e é hoje um arquiteto de fama internacional, autor do monumento a Dollfuss, do plano urbanístico e de todos os edifícios públicos da nova capital da Turquia, inclusive o palácio de Kemal Ataturk, da cidade dos festivais e da “casa do dr. Fausto” em Salzburgo, de muitas igrejas da Áustria e muitos teatros da Suécia e também da catedral de Belo Horizonte em construção, e da catedral do Rio, em projeto.

E lá fora a cidade é bela, entre duas pontes, com suas casas cobertas de telhas, de tabuinhas, de zinco ou de asbesto, com suas árvores floridas e suas lavadeiras, e a lembrança das tropas de mulas que desciam da montanha com as bruacas de couro carregadas de coisas da lavoura para encher o bojo escuro das canoas compridas.

Dezembro,1953

 

Autor: Rubem Braga
Compilação: Walter de Aguiar Filho, agosto/2013



GALERIA:

📷
📷


Cidades do ES

Baixo Guandu

Baixo Guandu

Diz a história que em 1930, do alto de um morro na margem do Rio Doce, o soldado Aldomário Falcão, sozinho, barrou a entrada de militares mineiros em Baixo Guandu, até ser morto por falta de munição

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Iconha surge de Benevente - Por Luciana Maximo

Era um pequeno povoado, com casas muito simples, feitas de madeira, onde é Piúma, haviam mais pessoas

Ver Artigo
Iconha

O Município de Iconha, localizado na BR 101, região de montanha do ES, teve início nas povoações de Piúma, no vale do rio Orobó, fundadas pelo Padre José de Anchieta

Ver Artigo
Iconha - Crônica de Rubem Braga (1951)

Mas Iconha me encanta pelo seu milagre pastoril. A pracinha é dominada por um morro alto, muito verde, cortado diante de nós por um talude de terra vermelha

Ver Artigo
A política e o coronelismo em Iconha - Por Luciana Maximo

O Jornal conversou com Aldieris Braz Amorim Caprini, que cedeu alguns artigos de sua tese de mestrado que descreve com detalhes a história política do município de Iconha

Ver Artigo
Vila do Riacho - Por Maurilen de Paulo Cruz

A origem da Vila do Riacho se situa em 1800, quando foi instalado um quartel na confluência dos Rio Riacho e Comboios, pelo Capitão-mor Antônio Pires da Silva

Ver Artigo