Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Terra Vermelha - Origem

Terra Vermelha

Em 1988, famílias que ocupavam a área próxima à adutora do Rio Marinho descobriram uma área de terra desocupada, e que fazia parte do loteamento Brunella Um. O Governador do Estado, Max de Freitas Mauro, foi acionado e atendeu ao pedido de oito movimentos pela moradia do Município, desapropriou a área de restinga e começou a construção das casas. Em maio de 1988 teve início a construção das primeiras 235 residências, de um total de 569. Um ano depois, em 23 de maio 1989, as residências ficaram prontas e foram entregues aos primeiros moradores. Na construção das casas, debaixo de chuva e sol, os futuros moradores realizaram um mutirão instalando a rede de água. Uma segunda etapa com mais 235 casas, foi inaugurada a 20 de maio de 1990. A terceira etapa, em novembro do mesmo ano. A última, em março de 1991, totalizando 10 conjuntos de casas populares de quarto, cozinha e banheiro. Seus limites são as ruas A, I, M e Afonso Cláudio. O bairro possui, atualmente, cerca de 2,9 mil habitantes. O conjunto Terra Vermelha faz parte da região da Grande Terra Vermelha, que engloba 16 bairros, abrigando cerca de 60 mil habitantes.

Não havia ônibus que desse acesso ao bairro, logo os moradores tinham que descer na Barra do Jucu e ir a pé mata adentro até Terra Vermelha carregando ferramentas como enxada, pá, etc.

O bairro, após sua inauguração, contava apenas com água encanada, fossa e filtro, construídos pelas mãos dos próprios moradores. Porém a falta d’água na região era constante, sendo os moradores obrigados a utilizarem água de um poço em uma fazendinha. Na região já havia, também, a Associação Banestes de Vila Velha (ABVV) antes de sua inauguração.

Os primeiros anos dos moradores foram de muito sofrimento, pois eles tinham que andar quilômetros até chegar em suas casas. Tempos depois, o bairro foi beneficiado com o ônibus que fazia a linha Dom Bosco a Terra Vermelha, porém seu horário era muito limitado. Se os trabalhadores perdessem ele na ida ao trabalho, logo aquele dia era de falta, se eles perdessem na volta do trabalho, eles tinham que arrumar um jeito de dormir por lá mesmo.

O crescimento da Região da Grande Terra Vermelha se deu por meio de invasão ocorridas em suas adjacências. De frente temos o bairro Brunella Dois, aos lados os bairros Nomíllia e Barramares e nos fundos o bairro João Goulart. O primeiro morador do bairro foi o Sr. Pascoal Bispo de Oliveira, antigo caseiro de um sítio localizado em Terra Vermelha I, que em 1989 comprou um lote onde edificou sua casa e abriu o primeiro comércio da região, onde vendia de tudo. Em seguida, um morador conhecido como Irã, abril um boteco, onde vendia bebidas e fazia shows de forró nas noites de finais de semana. O terceiro comércio do bairro foi a mercearia do Zedec.

Hoje os moradores contam, com duas escolas de ensino fundamental, o Caic Paulo Vinhas e a Escola de Primeiro Grau (EPG) Terra Vermelha, além de uma creche e diversos comércios como supermercados, lojas de roupas, farmácias, padarias, locadoras de filmes e jogos, lojas de cosméticos, oficina de motos, lojas de materiais de construção e hidráulicos, etc., localizados principalmente na rua Afonso Cláudio.

Sou morador de Terra Vermelha desde 09/1990 e me orgulho muito disso. Se você tem interesse em ajudar o bairro, se quiser abraçar alguma causa relacionada ao meu bairro ou mesmo um trabalho comunitário, pode contar comigo!


Autor: Paulo Roberto Vicente / Estudante de Saneamento Ambiental - CEFETES

Bairros e Ruas

O Bairro da Glória

O Bairro da Glória

A praia da glória era uma pequenina praia situada entre o monte Jaburuna e a desembocadura do rio Aribiri. À sua frente e a curta distância está a Ilha das Cobras sempre coberta de verdejante vegetação

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Praça João Clímaco (ex-praça Afonso Brás) – Por Elmo Elton

Em 1910, Jerônimo Monteiro, quando o logradouro tinha o terreno inclinado, para aplainá-lo, construiu-se um muro de arrimo, coroado por balaustrada, fronteiro à atual Rua Nestor Gomes

Ver Artigo
Rua Caramuru (ex-Rua do Fogo) – Por Elmo Elton

Uma esquadra de onze barcos à vela fundeou, a 27 de outubro, na barra do porto, sob o comando do almirante Koin e do conselheiro Newland

Ver Artigo
Rua Dionísio Rezendo (ex-rua das Flores) – Por Elmo Elton

Até início da década de 30, quem descesse a ladeira da Matriz, hoje Rua Cerqueira Lima, cruzaria pela já então designada Rua Dionísio Rezendo

Ver Artigo
Escadaria Maria Ortiz (ex-ladeira do Pelourinho) – Por Elmo Elton

Maria Ortiz era filha de Juan Orty y Ortiz e Carolina Darico, nasceu em Vitória em 1603, tendo falecido na vila em 1646

Ver Artigo
Indicação de seis nomes de ruas – Por Elmo Elton

Em 1925 o então Prefeito Municipal de Vitória solicitou ao IHGES a indicação de nomes a serem dados a seis novas ruas da cidade

Ver Artigo