Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Trecho do litoral onde foi erigida a Capitania do ES

As ilhas do Boi e do Frade, ao fundo o Mestre Álvaro-Foto:Walter de Aguiar Filho, março de 2012

Gabriel Soares de Souza descreveu, no fim do século XVI, o trecho do litoral onde se erigiu a Capitania do Espírito Santo:

“Do rio das Barreiras à Ponta do Tubarão são quatro léguas, sobre o qual está a Serra do Mestre Álvaro; da Ponta do Tubarão à ponta do Morro de João Moreno, são duas léguas, onde está a villa de Nossa Senhora da Victoria: entre uma ponta e a outra está o Rio do Espírito Santo, o qual tem defronte da barra meia légua ao mar uma lage, de que se hão de guardar. Em direito desta ponta da banda do norte, duas léguas pela terra adentro, está a Serra de Mestre Álvaro, que é grande e redonda, a qual está afastada das outras serras: esta serra aparece, a quem vem do mar em fora, muito longe, que é por onde se conhece a barra: essa barra faz uma enseada grande, a qual tem umas ilhas dentro, e entra-se nordeste-sudeste. A primeira ilha, que está nesta barra se chama de D. Jorge (hoje Ilha do Boi), e mais para dentro está outra, que se diz de Valentim Nunes (hoje Ilha do Frade). Desta ilha para Villa Velha estão quatro penedos grandes descobertos; e mais para cima está a Ilha de Anna Vaz; mais avante está o Ilheu da Viúva; e no cabo desta Bahia fica a Ilha de Duarte de Lemos (hoje Ilha de Vitória), onde está assentada a villa do Espírito Santo, a qual se edificou no tempo da guerra dos Goitacás, que apertaram muito com os povoadores de Vila Velha.”

Foi nesse belo cenário tropical, de muito calor e águas límpidas, montes e florestas, que o nosso 1º donatário iniciou a sua empreitada. Vasco Fernandes Coutinho foi dos primeiros, logo depois de Duarte Coelho, a tomar posse do seu domínio em terras do Brasil. Para cumprimento dessa missão vendera, ainda em Portugal, as suas terras de Alenquer, cedera ao Estado, a troco de um navio, a tença (pensão com que se remuneram serviços) com que fora premiado pelos assinalados serviços no Oriente. E partiu rumo ao Novo Mundo com uma frota, “mui provida de moradores e das munições de guerra necessárias, com tudo o que mais convinha a esta empreza, em a qual se embarcaram, entre fidalgos e criados Del-Rei, sessenta pessoas, entre as quais foi D. Jorge de Menezes, o de Maluco, e D. Simão de Castello Branco, que por mandada de S. A. iam cumprir suas penitencias a estas partes”.

Os documentos que existem da demarcação de limites com a donatário de Pero de Góis (pelo lado do Sul) e da doação de Santo Antônio (atual ilha de Vitória) a Duarte de Lemos nos mostram um traço da personalidade de Vasco Fernandes Coutinho.

Duarte de Lemos chegou ao Espírito Santo por volta de 1536. Fidalgo da casa real, vivera na Bahia era trabalhador e aventureiro ambicioso, segundo asseveram seus contemporâneos e companheiros de empreitadas. Foi um grande colaborador de Vasco Fernandes Coutinho no momento de grandes dificuldades quando do início da tarefa de fazer a Capitania crescer e progredir. Mais tarde, porém, veio o desentendimento.

Vasco Fernandes Coutinho e Duarte de Lemos tornaram-se inimigos, rompendo velha amizade.

 

Fonte: Espírito Santo - Histórias de suas lutas e conquistas
Autora: Neida Lúcia Moraes

Compilação: Walter de Aguiar Filho, março,2012

História do ES

Ano de 1560 – Por Basílio Daemon

Ano de 1560 – Por Basílio Daemon

Parte da Bahia, o governador geral do Brasil Mem de Sá, que ia ao Rio de Janeiro com o fim de expulsar Villegaignon e mais franceses  

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Basílio Daemon - Biografia

Por seus filhos capitão Dr. Ticiano Corrégio Daemon e tenente Daemon

Ver Artigo
Quarto Minguante – Marcondes de Souza e Bernardino Monteiro

O período de 1912 ao começo de 1920 corresponde ao princípio e ao fim da crise internacional, oriunda da primeira guerra, que rebentou em julho de 1914 e teve armistício em novembro de 1918

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro – Urbanismo em Perspectiva

O volume de terra, material escasso na ilha de Vitória; para aterrar o banhado, não preocupou o governo de Jerônimo Monteiro 

Ver Artigo
As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

O Ururau era em brigue de transporte, armado com seis bocas de fogo, que próximo a barra da baía de Vitória combateu por hora e meia um barco argentino o “Vencedor de Ituzaingu”

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo