Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Tributo ao Mestre - Por Altair Malacarne

Medalha do Mérito Cultural Renato Pacheco, instituída em 2005, leva o nome e a efígie do ex-Presidente de Honra Renato José Costa Pacheco

Renato José Costa Pacheco; nome da pessoa que imprimiu marca profunda e definitiva em minha vida; como disse Vinícius de Morais, ‘a vida é a arte do encontro’. Um dia topei com Renato e aquele momento foi angular em minha vida; fiquei diante de uma pessoa que passou a ocupar um espaço cada vez maior entre os entes que nortearam e norteiam os segundos que comandam a nossa caminhada; pessoas que se tornam parte de nós mesmos, tão grande é a sintonia que passa a existir entre elas e o dial de nosso rádio vital.

Naqueles inícios de 1959, saído há pouco do seminário, na isolada Santana de Conceição da Barra, Jonas Khols, um amigo de adolescência, me falou que estava estudando num ginásio(escola) recém-fundado na ‘Barra’ por Juiz de Direito novato na cidade, o qual estava procurando uma pessoa para dar aula no curso preparatório de ‘Admissão ao Ginásio”; no dia seguinte, pela manhã, fomos achá-lo com suas crianças na praia. Ganhei meu primeiro emprego; com 19 anos; cheio dos medos das retas e das esquinas, já podia conseguir algum recurso para subsistir.

Quis a sina que eu saísse logo após, para ir lecionar noutro Ginásio (Paroquial) fresquinho criado pelo Áureo Kaniski em São Domingos(do Norte); foi tão repentina a guinada que nem fui comunicar meu desligamento do compromisso assumido; por 3 meses eu tinha trabalhado com o Renato; qual não foi minha boa surpresa quando recebi pelo correio um envelope transparente contendo cédulas semidobradas como pagamento de um desempenho fugaz e inesperado.

Foi mais um momento que imprimiu em mim uma grande admiração por aquele caráter. Irei reencontrá-lo em Colatina; no pouco tempo que lá esteve, levou um curso sobre a história do rio Doce e outros assuntos para nós alunos nem tanto interessados da FAFI-COLATINA; me lembro de alguns palestrantes: Nelson Abel de Almeida, Ângela de Biase, Augusto de Carvalho. Recém-casados, Telma e eu tivemos o prazer de receber em nossa casa a visita de sua esposa acompanhada da esposa do Dr. Guilherme dos Santos Neves.

Ao longo de toda essa interação, sempre e sempre mais, recebi de Renato uma grande lição de amor pelo conhecimento da história regional e pessoal; parecia que o homem tinha uma empatia individual e abrangente do meio em que a pessoa vive; esta ligação com o ambiente acabou se consubstanciando na minha admissão no quadro do Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo, que ele tanto abrilhantou; e mais ainda: quis o destino que eu fosse distinguido com medalha que tem o seu nome; um auge daqueles que acontecem imponderavelmente em nossos roteiros, e que só podem ser creditados à máxima do ‘poetinha’: ‘A VIDA É A ARTE DO ENCONTRO’.

 

Autor: Altair Malacarne - membro do Instituto Histórico e Geográfico do ES
Fonte: Postado no Facebbok em 18/06/2012
Compilação: Walter de Aguiar Filho, junho/2012 

Personalidades Capixabas

O menino Gil Vellozo - Por Renato Pacheco

O menino Gil Vellozo - Por Renato Pacheco

O dia 13 de fevereiro de 1930 amanheceu com sol forte, típico dia de verão. O adolescente Antônio Gil Vellozo, de 13 anos, acordou contente. É que o pai, o provecto professor Luiz Adolfo Thiers Vellozo...

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Renato José Costa Pacheco - Ao assumir a Presidência do IHGES (1991-1993)

Ingressei, como sócio efetivo, nesta Casa do Espírito Santo, no dia 11 de abril em 1953. Aqui cheguei pelas mãos amigas de Guilherme Santos Neves, Euripides Queiroz do Valle e Ceciliano Abel de Almeida

Ver Artigo
Reminiscência 5ª Parte (última) – Memória da cidade de Nossa Senhora da Vitória (1936 -1956)

Aos sábados bebemos Martini no Bar Sagres. Temos uma turma de almoços mensais e Zé Leão frusta Paulo Vellozo: - Não gosto de lazanha. E repete, três vezes, o delicioso prato feito pela Clara.

Ver Artigo
Reminiscência 4ª Parte – Memória da cidade de Nossa Senhora da Vitória (1936 -1956)

A pacatez vira poluição e é difícil agora recriar aquela pequenina cidade, cujo  centro era a Praça 8 e onde todos se conheciam e se cumprimentavam.

Ver Artigo
Reminiscência 3ª Parte – Memória da cidade de Nossa Senhora da Vitória (1936 -1956)

Dezoito anos e já professor do Colégio Estadual? Sim, graças a Guilherme Santos Neves...

Ver Artigo
Reminiscência 2ª Parte – Memória da cidade de Nossa Senhora da Vitória (1936 -1956)

Nesse ano meu pai tirou um prêmio na Capitalização, fez uma garagem e comprou um carro Opel Olímpia

Ver Artigo
Reminiscência 1ª Parte – Memória da cidade de Nossa Senhora da Vitória (1936 -1956)

Recordações que andam num bonde que fingia ser um túnel de luz e caminham nas brumas de um passado sempre presente...

Ver Artigo