Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

UFES - Por Matusalém Dias de Moura

Dirceu Cardoso - Senador

É tempo de férias no trabalho e, por consequência, de descanso do corpo e do espírito. Depois de uma noite bem dormida, abro a janela e o dia, recém-nascido, com ares de alegria e festa, convida-me a sair por aí, descontraidamente, contemplando o mundo e a vida em suas múltiplas manifestações. Aceito, de imediato, o convite.

Visto uma bermuda velha e uma camisa rota, calço um par de tênis também surrado, coloco um boné na cabeça e saio sem rumo e sem destino previamente definidos. Entretanto, logo ao ganhar a rua, vem-me uma teimosa ideia de ir passear pelo Campus da UFES e, lá, contemplar seus bichos, seus verdes e seus pássaros; ouvir suas vozes e silêncios. É o que faço. Obedeço à sugestão da mente e vou. Atravesso a Avenida Fernando Ferrari – instante em que me recordo do grande trabalhista brasileiro, tão jovem desaparecido -, entro no campus, estaciono o carro à sombra que circunda nossa universidade federal.

O sol já começa a se levantar no céu. Um vento brando e fresco balança os galhos das árvores como a acariciá-las e a cortejá-las, cobrindo-as de afagos. Os pássaros cantam, assanhados, por todos os lados. Os mais entusiasmados – parece-me – são os bem-te-vis. Pelo menos são os que fazem mais alarido. Ando um pouco e paro para retomar o fôlego. Em seguida, volto a caminhar. E, assim, andando e parando de vez em quando, vou prestando atenção em tudo ao meu entorno: olhando, admirando e refletindo...

De repente, não mais que de repente, como versejou Vinicius, percebo que os primeiros alunos começam a chegar para suas aulas. O lugar que ainda há pouco era solidão e silêncio agora já não é mais; vozes, gritos, gargalhadas, ruídos de motores e buzinas ecoam por todos os lados. Uma aura de alegria, sonhos e esperanças desce e se espalha por todo o campus. É a juventude espírito-santense no caminho do conhecimento, em busca de um futuro que proporcione a ela dias de realizações profissionais e de felicidades pessoais.

Nesse instante, desvio meu pensamento e ponho-me a pensar na imensa importância que nossa única Universidade Federal tem no aprimoramento intelectual e na preparação profissional dos jovens capixabas para o mercado de trabalho e para os naturais enfrentamentos das dificuldades da vida. Reflito, também, sobre a rica produção cultural, científica e tecnológica que ganha vida entre essas paredes em benefício não só desses nossos jovens, mas de toda a população daqui, do Brasil e de longe, no mundo.

Nessas meditações, ao frescor da sombra de uma árvore, meu pensamento, levado pelas asas da gratidão, vai distante no passado à procura daqueles que sonharam, idealizaram, trabalharam e fizeram, um dia, num tempo longínquo no pretérito, esta universidade acontecer. Muitos foram eles. De alguns, me lembro. Outros conheci pessoalmente. Mas muitos permanecem anônimos e esquecidos. São incontáveis essas e esses abnegados benfeitores do Espírito Santo que me é impossível citá-los, todos, aqui no espaço curto desta crônica.

Contudo, em homenagem e gratidão a todos eles e a todas elas, escolho um apenas, representando os demais, para, em voz altissonante, declarar seu nome e, também, agradecer-lhe muito particularmente. O velho educador e respeitadíssimo homem público: deputado e senador Dirceu Cardoso. Para homenageá-lo particularmente, vou, na memória, até aquele recuado 30 de janeiro de 1961, dia em que ele, deputado federal, empurrou a porta do presidente da república, Juscelino Kubitschek e fê-lo assinar o Ato Administrativo que federalizou nossa UFES, conforme ele próprio gostava de nos contar.

Obrigado, Dr. Dirceu! Salve a UFES!

 

Fonte: UFES: 65 anos – Escritos de Vitória, 33 – Secretaria de Cultura da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), 2019
Conselho Editorial: Adilson Vilaça, Ester Abreu Vieira de Oliveira, Francisco Aurélio Ribeiro, Elizete Terezinha Caser Rocha, Getúlio Marcos Pereira Neves
Organização e Revisão: Francisco Aurélio Ribeiro
Capa e Editoração: Douglas Ramalho
Impressão: Gráfica e Editora Formar
Foto Capa: David Protti
Foto contracapa: Acervo UFES
Imagens: Arquivos pessoais
Autor: Matusalém Dias de Moura - Procurador da ALES. Escritor
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2020

Literatura e Crônicas

A partida de Samuel - Por Mário Gurgel

A partida de Samuel - Por Mário Gurgel

A mocidade batista da Primeira Igreja está ferida e inconformada. Samuel era um de seus elementos de destaque, alegre, comunicativo, simples

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Jogos de botões pelas calçadas... Por Marien Calixte

"Jogos de botões pelas calçadas, eu era feliz e não sabia..."

Ver Artigo
Vitória, cidade bendita pelo sol de cada dia!

O Cruzeiro se podia subir mais fácil pelo nosso imenso quintal, e, eu estudava muitas vezes, lá em cima, pois tinha maior concentração

Ver Artigo
Juiz de Fora - João Bonino Moreira

Estávamos em 1947 e eu, deslumbrando-me com férias cariocas, fui assistir a um jogo de futebol no Estádio do Vasco

Ver Artigo
O Grande Jogo - Hércules Dutra de Campos Filho

Aos dez minutos, 1 a 1, aos quatorze, 2 a 1, aos vinte e cinco, 3 a 1, aos quarenta já ganhávamos por 6 a 2

Ver Artigo
Do campus, minhas lembranças em formol - Poe Anne Mahin

Fiquei para assistir à dissecação do cachorro, que, depois de ter os órgãos retirados e analisados, acabou com a carcaça numa caçamba de lixo

Ver Artigo