Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Um antigo morador do Caxoeiro - Por Levy Rocha

Capa do Livro: Crônicas de Cachoeiro, ano 1966, do autor Levy Rocha

Na história de Antônio Marins há uma curiosa informação alusiva ao suíço João Moulaz (Moulay), "que tinha urna pequena fazenda no lugar Caxoeiro, à margem do rio Itapemirim, onde já era morador desde 1839". Propriedade que — acrescenta o historiador — defrontava com Alexandre Davidson e Manuel Crispim da Silva.

Quando, em 1860, o Barão de Tschudi visitou a Província, ele procurou levantar os fundos depositados nos cofres do Governo, por oito anos, resultantes da venda dos bens de L. S. Moulaz Fiez, natural do cantão de Vaud. E o enviado extraordinário da Confederação Helvética ao Brasil nos forneceu, ainda, outros elementos elucidativos sobre o caso.

João Moulaz deixara a família na Suíça Francesa e emigrara para o Barsil, vindo-se afazendar nas margens do Itapemirim. Não consta de quem tenha adquirido as terras. O Barão de Tschudi narra que elas foram administradas com zelo e competência. A fazenda prosperou, chegando a possuir bastantes criações e alguns escravos.

Um manuscrito do Arquivo Público capixaba, assinado a rogo e endereçado ao então presidente da Província (1841), parece trazer pálidas luzes a respeito desse emigrante: "... Diz I. S. Moulaz, ele suplicante — assim começa a petição, por sinal que mal redigida — "que o fim de janeiro de 1837..." foram, à sua casa, os cidadãos Antônio Luiz Barbosa e Alexandre, filho do Tenente Monteiro, acompanhados de quatro negros armados de facas e espingardas, com o propósito de o assassinar. Como se encontrassem em sua casa um índio com mulher e filho e mais escravos da fazenda, que o acudiram, a agressão foi frustrada, ficando em ameaças. Decorrido um ano, isto é, a 27 de janeiro de 1838, o dito Alexandre voltou à casa de Moulaz com novas ameaças, exibindo a intenção de saqueá-lo. O suíço pôs o agressor para fora, repelindo-o violentamente. Armado de espingarda, Alexandre alvejou Moulaz na cabeça e o chumbo queimou-lhe os cabelos, perto do ouvido. Em seguida, o agressor esfaqueou o suíço com duas facadas perigosas, enquanto este, defendendo-se com um pau, a custo se desembaraçou. O juiz, Capitão José Tavares de Brum, estabeleceu o ato de corpo de delito e como não constasse que o agressor houvesse sofrido punição — acrescenta o documento — o queixoso procurava instância superior, o Presidente da Província (Machado de Oliveira) “...persuadido que não se mandou oferecer terra a tantos estrangeiros para os deixarem no desamparo".

Uma nota à margem do manuscrito (28 de maio de 1841) declara que o réu Alexandre foi absolvido pelo Júri.

O disparo de espingarda, a queima-roupa, na cabeça de Moulaz, e os ferimentos que ele sofreu, teriam afetado suas faculdades mentais!

O certo é que, inesperadamente, sem informar de suas intenções, um dia, ele tomou um vapor no Rio de Janeiro de regresso ao seu país. A fazenda ficou acéfala: ninguém sabia informar o paradeiro do suíço, nem mesmo uma preta escrava com quem ele tivera um filho que recebera o seu nome de batismo.

Quando os escravos sentiram que Moulaz estava desaparecido, começaram a fugir e a se esconder pelos matos. O Major Caetano Dias da Silva, proprietário da fazenda Limão, encarregou-se da tutela do mulato, filho de Moulaz, enquanto a fazenda era invadida pelos vizinhos que aproveitaram para remover os marcos divisórios. Famílias pobres invadiram grandes porções, com o intruso e, após alguns anos, a fazenda estava reduzida a menos da metade.

Na Suíça, a família de Moulaz levou tempo para notar que ele estava perturbado da cabeça e viu-se forçada a interná-lo num manicômio. Foi quando sua esposa mandou o filho mais velho ao Brasil, para cuidar da fazenda abandonada, no Caxoeiro. Tal a má sorte desse emissário que ele, ao desembarcar no Rio de Janeiro, se contaminou com a epidemia da febre amarela e faleceu. Tomando conhecimento do ocorrido, o Consulado Suíço procurou entrar em entendimentos com o Governo Provincial, para levantar os fundos depositados nos cofres públicos, resultantes do apurado na venda de alguns escravos de Moulaz.

Antônio Marins fez transcrição da curiosa conta apresentada pelo inventariante dos bens e recebida do Juiz Municipal em exercício, o alferes Custódio Luiz Azevedo, ajuntada aos autos de requisição feita pelo mesmo Major Caetano Dias, em 1851: "Vila de Itapemirim, 26 de outubro de 1848. Lista das despesas que fiz com a prisão dos escravos do ausente João Moulaz por não quererem obedecer às ordens do Juiz: A cinco pessoas que lhes fizeram emboscadas por cinco dias: cem mil réis; quatro libras de carne-seca: quatrocentos e oitenta réis".

O Dr. Campos Melo, juiz municipal da Vila de Itapemirim (a cuja jurisdição pertencia o Caxoeiro), informou ao Barão de Tschudi, enviado especial do governo suíço, que um velho escravo de Moulaz vivia, ainda, da caridade pública. E esclareceu ao Barão que poderia mandar prender o mulato, filho do suíço, o qual, pelas leis vigentes, deveria ser considerado como escravo, mas Tschudi declinou dessa sugestão.

Ah! se pudéssemos encontrar outros documentos, explicando o desmembramento da fazenda desse imigrante suíço, quantas luzes viriam aclarar a história da formação do povoado do Caxoeiro...

 

Fonte: Crônicas de Cachoeiro, 1966
Autor: Levy Rocha
Compilação: Walter de Aguiar Filho, junho/2016

Literatura e Crônicas

Reminiscência 5ª Parte (última) – Memória da cidade de Nossa Senhora da Vitória (1936 -1956)

Reminiscência 5ª Parte (última) – Memória da cidade de Nossa Senhora da Vitória (1936 -1956)

Aos sábados bebemos Martini no Bar Sagres. Temos uma turma de almoços mensais e Zé Leão frusta Paulo Vellozo: - Não gosto de lazanha. E repete, três vezes, o delicioso prato feito pela Clara.

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

O Muqui de antigamente – Por Levy Rocha

Podia até fazer uma referência à casa onde a cegonha lhe deixou o presente de um menino, no ano de 1916, mas a modéstia me aconselha... 

Ver Artigo
O primeiro jornal de Cachoeiro – Por Levy Rocha

O volume que as traças haviam começado a destruir, reunia 24 números, inclusive o precioso primeiro, editado em 4 de julho de 1866

Ver Artigo
A Estrada de Ferro Caravelas – Por Levy Rocha

O privilégio para a primeira via férrea projetada, no Espírito Santo, foi requerido em agosto de 1872

Ver Artigo
O Quartel da Barca – Por Levy Rocha

O povoamento das margens do rio Itapemirim, trecho navegável, sem embargo, para as canoas, até os Caxoeiros (como se dizia, antigamente), deve retroceder aos tempos de Vasco Coutinho

Ver Artigo
O nome da cidade – Por Levy Rocha

Sabe-se que não existe, no rio Itapemirim, no local onde se situa a "Princesa do Sul", nenhuma cachoeira

Ver Artigo
Imprensa quebra-peito - Por Levy Rocha

Como me enchia de admiração o trabalho quotidiano de Hélio Ramos, ajuntando e espalhando letra por letra, imprimindo sozinho, duas vezes por semana, o "Correio do Sul"

Ver Artigo
Festa das Canoas – Por Levy Rocha

Antigamente, o burburinho de gente chegava no trem de Cachoeiro. Hoje, são os ônibus, caminhões e automóveis que enchem a praia de visitantes

Ver Artigo
A primeira crônica de Rubem Braga – Por Levy Rocha

Caiu-me às mãos o número doze do jornalzinho "O Itapemirim", do Colégio Pedro Palácios, dezembro de 1926 

Ver Artigo
Duas cartas de Newton Braga – Por Levy Rocha

A segunda carta que guardo de Newton Braga, mais extensa, enchendo duas laudas, ele a datou de 30 de setembro de 56 

Ver Artigo
Newton Braga e Ribeiro Couto - Por Levy Rocha

O passamento de Ribeiro Couto, em Paris, três anos atrás, avivou-me a lembrança de outro poeta, da mesma escola penumbrista, o nosso Newton Braga

Ver Artigo
Os Barões de Itapemirim – Por Levy Rocha

Quem viajasse pela Estrada de Ferro Itapemirim poderia observar um palacete "construído no feitio dos castelos medievais", que servira de residência ao Barão de Itapemirim

Ver Artigo