Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Um colunista de encomenda - Élcio Álvares

Primeiro na Folha do Povo e depois nO Diário, Élcio Álvares escrevia a coluna A Vida Também Conta Histórias, contraponto capixaba à famosa coluna de Nelson Rodrigues

Tomando conhecimento da pretensão do jornal e da impossibilidade financeira de atender a proposta de Nelson Rodrigues, candidatei-me a escrever uma coluna semelhante com "pressupostos" inteiramente capixabas, pela metade do preço do jornalista carioca.

 

A Folha do Povo, como antes era batizado O DIÁRIO, estava precisando de um colunista que, a exemplo de Nelson Rodrigues - de grande sucesso na época - escrevesse uma espécie de A Vida Como Ela É. Isto porque era inteiramente impossível à sua folha financeira cobrir o lance feito pelo conhecido cronista e escritor para o jornal reproduzir sua famosa coluna.

Tomando conhecimento da pretensão do jornal e da impossibilidade financeira de atender a proposta de Nelson Rodrigues, candidatei-me a escrever uma coluna semelhante com "pressupostos" inteiramente capixabas, pela metade do preço do jornalista carioca, e comprometendo-me a colocá-la no mesmo nível de interesse e aceitação populares.

Em pouco tempo de existência A Vida Como Ela É capixaba, que achei por bem denominar de A Vida Também Conta Histórias, ganhou notoriedade e, modéstia à parte, constituiu-se num dos pontos de referência do jornal. Escrevi-a durante muito tempo, e sempre com dedicação, carinho e entusiasmo, como, aliás, procuro fazer no curso de todos os meus afazeres, na vida pública ou particular.

Evidentemente, como acontece nesses episódios, no exercício profissional do jornalista, também naquela época a semelhança com pessoas vivas ou mortas, com entidades físicas ou jurídicas, era mera coincidência, apesar da excitação e da imaginação populares. Embora com as conotações próprias de coluna em busca de uma criação intelectual, em que muitas vezes a ficção parecia imitar a realidade, segundo essa imaginação e excitação de que falei, confesso que considerava a tarefa como outra qualquer, sem me preocupar com uma possível interferência do mundo exterior. Ganhava para escrever a coluna; tinha, pois, a obrigação de escrevê-la da melhor maneira possível, conforme as minhas possibilidades intelectuais.

O fato é que através dessa coluna ingressei na Folha do Povo, cuja passagem para O DIÁRIO assisti tranqüilamente. É escusado dizer que nessa altura, depois de cumpridas as etapas de aprendizado, que foram da redação à oficina, eu já dominava a difícil e nobre profissão, à qual me havia doado por inteiro.

 

A propósito: fui forçado a aprender rapidamente o oficio de tipógrafo porque o titular negou-se a trabalhar por não lhe ter sido aumentado o salário.

 

Pode parecer exagero, mas meus conhecimentos não se limitavam à confecção de uma notícia, às filigranas de um comentário político, à redação de uma nota social, à "cozinha" do jornal. Abrangiam as próprias complexidades da oficina, onde, a exemplo de tantos outros profissionais, como o saudoso e competente Rosendo Serapião, jornalista lembrado e saudado por toda uma geração de jornalistas veteranos, muitas vezes substituí o tituleiro, o emendador, o linotipista, substantivos que hoje vão desaparecendo paulatinamente do vernáculo jornalístico com o avanço e a sofisticação do progresso tecnológico na nossa atual e moderna imprensa capixaba.

Naquele tempo - e não fica tão distante assim: o progresso é que acelerou o passo nas nossas empresas jornalísticas - o verdadeiro profissional era versátil: quer dizer, tinha que fazer de tudo num jornal. A propósito: fui forçado a aprender rapidamente o ofício de tipógrafo porque o titular negou-se a trabalhar por não lhe ter sido aumentado o salário. Sendo o único do jornal (naqueles bons tempos esse profissional era disputado a peso de ouro), fincou o pé: só trabalharia se lhe fosse satisfeita a pretensão. Como secretário do jornal, não podia "deixar a peteca cair". E assim, em poucas horas, com grande esforço e força de vontade, aprendi os segredos da velha caixa de tipos e pude evitar uma interrupção na circulação do jornal. Felizmente, o titular da função retornou ao trabalho.

Apesar dos apertos profissionais e financeiros, das dificuldades de uma imprensa incipiente, moldada às ambições e aos interesses políticos e econômicos da época, devo confessar que foram bons os tempos em que tive a felicidade de viver e conviver com profissionais competentes, idealistas, responsáveis. Recordo-os todos, com grande ternura, que os dias atarefados de hoje, calcados na honrosa e elevada responsabilidade que Deus me conferiu de dirigir e governar o meu povo, não conseguem apagar do meu painel de recordações gratas. Ali, na acanhada redação da Folha do Povo, mais tarde O DIÁRIO, na qual se viriam fomentar novas e salutares vocações, iniciei o vestibular da minha vida pública aprendendo a dimensionar e a respeitar os seus valores e a sua grandeza.

Quando a atual direção do O DIÁRIO solicitou-me este depoimento, achei que antes de ser um dever impunha-se-me uma excelente oportunidade de reviver em poucas palavras aquele período de grandes alegrias, emoções e satisfações íntimas. Foi como se realizasse uma viagem ao passado, possibilitando-me contemplar nomes, rostos, figuras, personalidades, cenários, fatos, enfim, uma história toda que, como disse, abriu-me as páginas da vida pública.

O DIÁRIO faz 21 anos, mas na verdade para nós - jornalistas, funcionários e operários de ontem - agora, verifico, esse tempo pesa e significa mais, porque foi a partir daquela época que se fomentaram e se cristalizaram os primeiros sonhos de toda uma geração, hoje, de qualquer forma, vitoriosa nos seus misteres.

 

Fonte: O Diário da Rua Sete – 40 versões de uma paixão, 1ª edição, Vitória – 1998.
Projeto, coordenação e edição: Antonio de Padua Gurgel
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2018

Imprensa

Raízes – Por João Luís Caser

Raízes – Por João Luís Caser

O Camata  disse que quem poderia arrumar algo era Henrique Pretti, um deputado amigo de meu pai, do município de Santa Teresa, de onde também era minha família

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A Longa Trajetória de O Diário – Por Marien Calixte

Mário Tamborindegui comprou o jornal para servir a Chiquinho

Ver Artigo
Sociedade anos 60 – Por Hélio Dórea

Andando bem os trabalhos de construção da ponte de Camburi, um grande sonho de muita gente

Ver Artigo
O grande exemplo de Jânio – Por Plínio Marchini

A análise que fez, por exemplo, da Previdência Social, é digna de figurar como uma plataforma do governo

Ver Artigo
Academia de Jornalismo – Por Rogério Medeiros

Cheguei nO DIÁRIO como fotógrafo dos cadernos do Edgard, que pagava mais do que ganhava o pessoal da redação

Ver Artigo
Mudança coletiva – Por Sérgio Egito

Eu disse ao Cariê que só voltava se fosse todo mundo comigo. Ele admitiu todo mundo. E eu voltei para A Gazeta. Era 1° de maio de 1975

Ver Artigo