Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Um e-mail da Mãe Natureza

Praia da Sereia, onde vê-se um braço do Ribeiro que se forma nas matas do Morro do Moreno, desaguando no mar

Observando a foto e o comentário da matéria publicada em A GAZETA de 20/13/2013 que assim dizia: “O surfista e shaper Guto Bazoni registrou a destruição provocada pelo excesso de chuvas até mesmo na faixa de areia da Praia da Costa, nas proximidades do Clube Libanês”, cheguei a uma conclusão sobre o motivo pelo qual a areia da praia ficou bastante escavada pelo riacho que se formou naquele ponto. Veja a foto.

Sempre ouvi meu avô paterno Miguel Manoel de Aguiar dizer que o Ribeiro que deu seu nome à Praia da Ribeiro, possuía dois braços: um conduzia as águas das encostas do Morro do Moreno para a referida praia; e o outro braço desaguava no mar, próximo ao lugar conhecido hoje como Pedra do Libanês.

Há pouco tempo tive certeza desta informação quando vi uma foto muito antiga do famoso fotógrafo Otávio Paes, onde pude constatar que meu avô estava correto.

Agora, com essa nova foto, dá para ver claramente que o Ribeiro que estava adormecido acordou! Isso também nos leva a pensar que conhecendo a história conseguimos entender o nosso tempo.

 

Autor: Walter de Aguiar Filho, março/2013 



GALERIA:

📷
📷


Curiosidades

Curiosidades Espírito-santenses - Por Eurípides Queiroz do Valle - V

Curiosidades Espírito-santenses - Por Eurípides Queiroz do Valle - V

Em muitos desses trechos a via-férrea se desenvolve sobre as cristas das montanhas, do alto das quais se descortinam cenários empolgantes

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

O Circo em Vila Velha no tempo do Seu Dedê

Os circos eram montados no largo destinado à Praça Duque de Caxias 

Ver Artigo
A Iluminação de Vitória no Século XIX – Por Elmo Elton

A iluminação pública a eletricidade foi inaugurada, em Vitória, a 25 de setembro de 1909

Ver Artigo
Hospedaria de Imigrantes da Pedra D’Água - Edifício Histórico de Quarentena

Para receber os imigrantes era indispensável a construção de uma hospedaria para alojá-los no período de quarentena

Ver Artigo
Inhoá – Por Edward Athayde D’Alcântara

Era uma comunidade de pescadores, vivendo harmoniosamente, embora a falta de conforto naqueles pequenos barracos

Ver Artigo
Banho na Maré – Por Edward Athayde D’Alcântara

Hoje, o local seria do outro lado onde está o Shopping da Costa. Brincávamos de “boto e tainha”

Ver Artigo