Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Um encontro com Luísa Grinalda

Praça Giraldo, Évora - Portugal

Fui a Évora visitar o Convento de Nossa Senhora do Paraíso, para onde se retirou a primeira governadora em terras do Brasil, Dona Luísa Grinalda, logo após ter deixado a direção da Capitania do Espírito Santo.

Évora é uma cidade portuguesa, situada em terras do Alentejo, Centro-Sul de Portugal. Cidade histórica, cercada de muralhas medievais, é Patrimônio da Humanidade. Fui andando devagar, surpreendida a cada passo pelos séculos que me acompanhavam. Sede da corte das dinastias de Borgonha e de Avis, ali residiram os monarcas itinerantes da Idade Média e da Renascença.

Como seria no tempo de Luísa Grinalda, quando ela se ausentara das terras do Brasil e se encerrara na solidão do vetusto convento?

Continuei a minha caminhada, sempre envolvida por um halo de magia e encantamento, observando as grandiosas e também as pequenas jóias arquitetônicas que conservam algo de misterioso e de lendário. São igualmente belas as ruínas e pedras austeras que desafiaram os séculos.

Na Praça do Giraldo, sala de visitas da cidade e centro urbano desde a época imperial romana, pareceu-me vislumbrar alguns dos mais célebres acontecimentos políticos e sociais do passado: solenidades em que participavam reis e rainhas, torneios, concertos musicais e também rebeliões, grandes dramas da história. Revi, na memória, revoltas sangrentas, inclusive a revolta popular contra a nobreza e a aclamação do mestre de Avis, em 1384; a degola do duque de Bragança, em 1483, por sentença de Dom João II. E mais: os sinistros autos-de-fé do Tribunal da Santa Inquisição.

Foi quando admirava a fonte renascentista de 1556, em pleno Largo da Porta da Moura, que vi Dona Luísa Grinalda encostada à Cúpula Árabe.

- Dona Luísa! Que surpresa!
Ela sorriu, estendeu-me a mão muito branca, de dedos longos.
- Novamente em Évora? – perguntou.
- É verdade. Adoro este ambiente de tão alta antiguidade! Sabe, Dona Luísa, esta cidade-museu, que, no entanto, só na aparência apresenta esta imobilidade, sempre me fascinou. Desde a primeira vez em que aqui estive, percebi que o passado vive em cada detalhe dos seus monumentos, e que a história ressurge em cada esquina.

Ela se reclinou sobre a fonte, bebeu água na mão em concha. Gotículas d’água aspergiram-lhe o rosto.

- E vais demorar desta vez?
- Não, infelizmente não. Vim especialmente para uma visita ao seu convento. Marquei hora e dia com a superiora, mas não pensei que pudesse encontrá-la, conversar com a senhora. Imaginei apenas, nesse meu caminhar sem rumo, um encontro com as suas lembranças.

Sentamos numa balaustrada, próxima à Cúpula Árabe. Olhei ao redor. Era como se os telhados ondulassem. E as árvores varejadas pelo vento. Uma delas parecia contorcida. Dona Luísa me disse que foram as chuvas do último inverno. Falei devagar:

- Logo comemoraremos os 500 anos da descoberta do Brasil. Queremos relembrar fatos significativos da nossa história. A senhora, com certeza, é um dos destaques. 
- Eu? Destaque nenhum! Talvez sim o meu adjunto, Miguel de Azeredo. Ele chefiou, no ano de 1594, uma grande bandeira contra os índios goitacases. Esses índios eram bastante temidos pela sua ferocidade e queriam impedir a instalação dos cristãos nos Sul da Capitania. Eu já retornara a Portugal, mas tive depois notícias detalhadas da rebelião.
- O fato de uma mulher, em 1589, se haver tornado Capitoa e Governadora de uma Capitania é digno de atenção e registro. Foram tempos difíceis, não é verdade?
- Ah! Se foram? Mas procurei fazer uma administração segura e honesta, sempre visando à integração com Deus e com a Igreja.
- O Convento dos Franciscanos... O terreno para a construção do Convento foi uma doação do seu governo, não foi?
- É verdade. O terreno foi doado aos padres franciscanos. Esse Convento ainda existe?
- Existe. Lá está, em uma encosta, na capital, abençoando os habitantes não só do Espírito Santo, mas de toda a terra brasileira.
- Gosto de saber.
- Fale-me do momento mais difícil de sua administração.
- Não houve um momento mais difícil, mas, sim, uma centena deles, dependendo dos muitos transtornos que tivemos que enfrentar. Bravo colaborador o Capitão Miguel Azeredo – repetiu -. Não posso deixar de lembrar-me do ataque violento dos corsários ingleses em 1592. Nossa defesa era insuficiente, precisamos recorrer ao auxílio dos índios goitacases.

 

Fonte: Jornal A Gazeta, A Saga do Espírito Santo – Das Caravelas ao século XXI – 20/05/1999
Pesquisa e texto: Neida Lúcia Moraes e Sebastião Pimentel
Edição e revisão: José Irmo Goring
Projeto Gráfico: Edson Maltez Heringer
Diagramação: Sebastião Vargas
Supervisão de arte: Ivan Alves
Ilustrações: Genildo Ronchi
Digitação: Joana D’Arc Cruz    
Compilação: Walter de Aguiar Filho, julho/2016

Matérias Especiais

A âncora da Prainha

A âncora da Prainha

A âncora da Praça Tamandaré que fica localizada em frente ao Fórum e a Casa da Memória na Prainha, em Vila Velha, foi presenteada pela Marinha ao município de Vila Velha

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Vila Velha depois de Vasco

Dona Luzia Grinalda, nora de Vasco Coutinho, era casada com Vasco Coutinho Filho. Ao falecer o “velho” Coutinho, herda o governo seu filho bastardo Vasco Fernandes Coutinho Filho

Ver Artigo
Luísa Grinalda, a primeira Governadora

Em 1589, com a morte do donatário Vasco Fernandes Coutinho Filho, sucedeu-lhe no Governo da Capitania sua viúva, Dona Luísa Grinalda. O casal não tinha filhos para seguir a linha de sucessão. Dessa maneira, uma mulher herdou o posto e nomeou seu adjunto o Capitão Miguel Azeredo...

Ver Artigo
Luiza Grinalda

Luiza Grinalda foi viúva de Vasco Fernandes Coutinho Filho, e por conta disso é homenageada com nome de rua que começa na Prainha de Vila Velha, ladeando o morro do Convento e vai até a atual Av. Champagnat

Ver Artigo
Carta de doação do Convento da Penha

A Governadora Luiza Grimaldi e seu Adjunto, Miguel de Azeredo, e oficiais da Vila da Vitória, e assim os da Câmara desta Vila do Espírito Santo da dita Capitania que este ano de noventa e hum servimos, etc. Fazem saber...

Ver Artigo
O Testamento de Vasco Fernandes Coutinho – Filho

O testamento confirma o ano de 1573 como o início do governo de Vasco Fernandes Coutinho (filho) e não a data tradicionalmente apontada, 1563, pela historiografia capixaba

Ver Artigo
O fim da polêmica

Na história do Espírito Santo, um dos vultos mais emblemáticos conjuga-se na personalidade de Luíza Grinalda. Nascida cerca de 1541 e falecida após 1626, foi casada com o filho bastardo, perfilado, do primeiro donatário da Capitania: Vasco Fernandes Coutinho (VIº) Filho. 

Ver Artigo
Luiza Grinaldi?

D. Luiza "Grinaldi", a governadora, firmou a doação da Penha ao franciscano Baltazar Lisboa. D. Luiza "Grinaldi" era filha de Pedro Alves ou Álvares Correia e de Catarina "Grinaldi"

Ver Artigo
Luísa Grimaldi e o Padre Anchieta

Conforme o padre Hélio Abranches Viotti (1966, p.218), durante o seu governo no Espírito Santo, D. Luísa não dava um passo sem que o venerando Pe. Anchieta fosse consultado: “era ele quem inspirava todos os seus atos”

Ver Artigo