Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Um encontro com Luísa Grinalda

Praça Giraldo, Évora - Portugal

Fui a Évora visitar o Convento de Nossa Senhora do Paraíso, para onde se retirou a primeira governadora em terras do Brasil, Dona Luísa Grinalda, logo após ter deixado a direção da Capitania do Espírito Santo.

Évora é uma cidade portuguesa, situada em terras do Alentejo, Centro-Sul de Portugal. Cidade histórica, cercada de muralhas medievais, é Patrimônio da Humanidade. Fui andando devagar, surpreendida a cada passo pelos séculos que me acompanhavam. Sede da corte das dinastias de Borgonha e de Avis, ali residiram os monarcas itinerantes da Idade Média e da Renascença.

Como seria no tempo de Luísa Grinalda, quando ela se ausentara das terras do Brasil e se encerrara na solidão do vetusto convento?

Continuei a minha caminhada, sempre envolvida por um halo de magia e encantamento, observando as grandiosas e também as pequenas jóias arquitetônicas que conservam algo de misterioso e de lendário. São igualmente belas as ruínas e pedras austeras que desafiaram os séculos.

Na Praça do Giraldo, sala de visitas da cidade e centro urbano desde a época imperial romana, pareceu-me vislumbrar alguns dos mais célebres acontecimentos políticos e sociais do passado: solenidades em que participavam reis e rainhas, torneios, concertos musicais e também rebeliões, grandes dramas da história. Revi, na memória, revoltas sangrentas, inclusive a revolta popular contra a nobreza e a aclamação do mestre de Avis, em 1384; a degola do duque de Bragança, em 1483, por sentença de Dom João II. E mais: os sinistros autos-de-fé do Tribunal da Santa Inquisição.

Foi quando admirava a fonte renascentista de 1556, em pleno Largo da Porta da Moura, que vi Dona Luísa Grinalda encostada à Cúpula Árabe.

- Dona Luísa! Que surpresa!
Ela sorriu, estendeu-me a mão muito branca, de dedos longos.
- Novamente em Évora? – perguntou.
- É verdade. Adoro este ambiente de tão alta antiguidade! Sabe, Dona Luísa, esta cidade-museu, que, no entanto, só na aparência apresenta esta imobilidade, sempre me fascinou. Desde a primeira vez em que aqui estive, percebi que o passado vive em cada detalhe dos seus monumentos, e que a história ressurge em cada esquina.

Ela se reclinou sobre a fonte, bebeu água na mão em concha. Gotículas d’água aspergiram-lhe o rosto.

- E vais demorar desta vez?
- Não, infelizmente não. Vim especialmente para uma visita ao seu convento. Marquei hora e dia com a superiora, mas não pensei que pudesse encontrá-la, conversar com a senhora. Imaginei apenas, nesse meu caminhar sem rumo, um encontro com as suas lembranças.

Sentamos numa balaustrada, próxima à Cúpula Árabe. Olhei ao redor. Era como se os telhados ondulassem. E as árvores varejadas pelo vento. Uma delas parecia contorcida. Dona Luísa me disse que foram as chuvas do último inverno. Falei devagar:

- Logo comemoraremos os 500 anos da descoberta do Brasil. Queremos relembrar fatos significativos da nossa história. A senhora, com certeza, é um dos destaques. 
- Eu? Destaque nenhum! Talvez sim o meu adjunto, Miguel de Azeredo. Ele chefiou, no ano de 1594, uma grande bandeira contra os índios goitacases. Esses índios eram bastante temidos pela sua ferocidade e queriam impedir a instalação dos cristãos nos Sul da Capitania. Eu já retornara a Portugal, mas tive depois notícias detalhadas da rebelião.
- O fato de uma mulher, em 1589, se haver tornado Capitoa e Governadora de uma Capitania é digno de atenção e registro. Foram tempos difíceis, não é verdade?
- Ah! Se foram? Mas procurei fazer uma administração segura e honesta, sempre visando à integração com Deus e com a Igreja.
- O Convento dos Franciscanos... O terreno para a construção do Convento foi uma doação do seu governo, não foi?
- É verdade. O terreno foi doado aos padres franciscanos. Esse Convento ainda existe?
- Existe. Lá está, em uma encosta, na capital, abençoando os habitantes não só do Espírito Santo, mas de toda a terra brasileira.
- Gosto de saber.
- Fale-me do momento mais difícil de sua administração.
- Não houve um momento mais difícil, mas, sim, uma centena deles, dependendo dos muitos transtornos que tivemos que enfrentar. Bravo colaborador o Capitão Miguel Azeredo – repetiu -. Não posso deixar de lembrar-me do ataque violento dos corsários ingleses em 1592. Nossa defesa era insuficiente, precisamos recorrer ao auxílio dos índios goitacases.

 

Fonte: Jornal A Gazeta, A Saga do Espírito Santo – Das Caravelas ao século XXI – 20/05/1999
Pesquisa e texto: Neida Lúcia Moraes e Sebastião Pimentel
Edição e revisão: José Irmo Goring
Projeto Gráfico: Edson Maltez Heringer
Diagramação: Sebastião Vargas
Supervisão de arte: Ivan Alves
Ilustrações: Genildo Ronchi
Digitação: Joana D’Arc Cruz    
Compilação: Walter de Aguiar Filho, julho/2016

Matérias Especiais

Montanhas de Vitória

Montanhas de Vitória

Inúmeros são os motivos de beleza que ornamentam a pitoresca baía de Vitória, tornando-a um dos mais encantadores trechos do extenso e variado litoral do Brasil...

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Vila Velha depois de Vasco

Dona Luzia Grinalda, nora de Vasco Coutinho, era casada com Vasco Coutinho Filho. Ao falecer o “velho” Coutinho, herda o governo seu filho bastardo Vasco Fernandes Coutinho Filho

Ver Artigo
Luísa Grinalda, a primeira Governadora

Em 1589, com a morte do donatário Vasco Fernandes Coutinho Filho, sucedeu-lhe no Governo da Capitania sua viúva, Dona Luísa Grinalda. O casal não tinha filhos para seguir a linha de sucessão. Dessa maneira, uma mulher herdou o posto e nomeou seu adjunto o Capitão Miguel Azeredo...

Ver Artigo
Luiza Grinalda

Luiza Grinalda foi viúva de Vasco Fernandes Coutinho Filho, e por conta disso é homenageada com nome de rua que começa na Prainha de Vila Velha, ladeando o morro do Convento e vai até a atual Av. Champagnat

Ver Artigo
Carta de doação do Convento da Penha

A Governadora Luiza Grimaldi e seu Adjunto, Miguel de Azeredo, e oficiais da Vila da Vitória, e assim os da Câmara desta Vila do Espírito Santo da dita Capitania que este ano de noventa e hum servimos, etc. Fazem saber...

Ver Artigo
O Testamento de Vasco Fernandes Coutinho – Filho

O testamento confirma o ano de 1573 como o início do governo de Vasco Fernandes Coutinho (filho) e não a data tradicionalmente apontada, 1563, pela historiografia capixaba

Ver Artigo
O fim da polêmica

Na história do Espírito Santo, um dos vultos mais emblemáticos conjuga-se na personalidade de Luíza Grinalda. Nascida cerca de 1541 e falecida após 1626, foi casada com o filho bastardo, perfilado, do primeiro donatário da Capitania: Vasco Fernandes Coutinho (VIº) Filho. 

Ver Artigo
Luiza Grinaldi?

D. Luiza "Grinaldi", a governadora, firmou a doação da Penha ao franciscano Baltazar Lisboa. D. Luiza "Grinaldi" era filha de Pedro Alves ou Álvares Correia e de Catarina "Grinaldi"

Ver Artigo
Luísa Grimaldi e o Padre Anchieta

Conforme o padre Hélio Abranches Viotti (1966, p.218), durante o seu governo no Espírito Santo, D. Luísa não dava um passo sem que o venerando Pe. Anchieta fosse consultado: “era ele quem inspirava todos os seus atos”

Ver Artigo