Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Um grito na noite – Por Adelpho Monjardim

Igreja Nossa Senhora de Belém em Viana, construção requerida por Torquato Martins de Araújo em 24/10/1980

O que vamos narrar aconteceu na década de 20, quando Viana era ainda pacato lugarejo de verdes campinas e umbrosos montes.

Na casa do delegado, por aqueles dias se hospedara a nova professora, mocinha de seus vinte anos e recém-formada. A ela devemos o espantoso relato daquela noite.

A casa do delegado ficava sobre pequena elevação banhada por cristalino riacho que se ia enfurnar em apertado vale, encachoeirando-se por entre penhas e íngremes escarpas. Ali tudo era sombrio e pouco tranqüilizador.

Era para os sitiantes, lugar mal-afamado, sujeito a assombrações. Falava-se da existência de um tesouro ali enterrado pelos jesuítas. Verdade ou não, o sítio se prestava às cogitações. Pouco atraente era mesmo temeroso à luz do dia. Escuras locas, agressivas penhas, vegetação aspérrima, com os espinhos substituindo as flores, afugentavam os mais animosos. Cristão algum passava por ali mesmo com o sol a pino.

Corria como certo que, todos os dias, a alma de um frade sentava-se numa grande laje assinalada por uma cruz, talhada não se sabe por quem. Conjecturas porque ninguém foi lá para ver.

Mas tais histórias esquentam a imaginação e a cobiça costuma superar a prudência. De tanto excogitar o Sr. Nascimento, pequeno agricultor das redondezas, sonhou que um frade lhe confiara o segredo do tesouro oculto sob a laje da cruz. Para desencantá-lo precisaria ir sozinho, à meia-noite, em ponto. Rezasse três ave-marias e metesse mãos à obra. Que fosse sozinho voltou a recomendar.

A história se espalhou, mas cadê coragem para o Sr. Nascimento ir às desoras e sozinho ao lugar onde os mais valentes não se arriscavam de dia?

Certa noite de sexta-feira vários homens se reuniram na casa do delegado. Entre eles o boticário Firmino, entendido em coisas de assombração, espírita militante que era. Com o Sr. Nascimento e mais três iriam desenterrar o tesouro.

Para o delegado a presença daqueles homens foi surpresa. Não os esperava em sua casa. Munidos de pás, enxadas e picaretas, estavam prontos para a expedição noturna. Como a casa ficava perto do lugar tomaram a liberdade de usá-la como base da fantástica operação. Caber-lhe-ia parte na divisão do ouro. Homem prudente e sensato nada quis em troca do agasalho. Como católico praticante objetou que tomassem cuidado, em se tratando de coisas do Além.

A professora e a esposa do delegado olhavam aqueles preparativos com muito medo e do canto da sala não arredaram pé até à saída dos expedicionários.

A cobiça encorajara o tímido Sr. Nascimento, que por ouro enfrentaria o próprio demo.

Dali ao vale, um salto. Pelo relógio do boticário faltavam poucos minutos para a meia-noite. Tensos, meteram o pé na estrada, em suave declive até ao rio. Uns passos mais e estavam na entrada do vale. Dentro da escuridão noturna a lanterna mal iluminava o passo e o riacho que espadanava as águas, fugindo à asfixia das rochas. Ante o tétrico cenário, fugindo aos morcegos que esvoaçavam espancados pela luz, o Sr. Nascimento fraquejou. Lá estava a laje, tampa e coberta do ambicionado tesouro. Lá estava a cruz, confirmando a sua presença.

— Mãos à obra! Enfático ordenou o boticário. Todos empunharam as ferramentas e à soturna luz começaram a escavar. Os calhaus de barro voavam em todas as direções e mesmo se chocavam de encontro ao vidro da lanterna. Tudo corria como rezava a lenda: Meia-noite, em ponto, após as três Ave-Marias.

Impressão ou não, as águas do riacho começaram a crescer e turbulentas roncavam entre as penhas. De súbito uma picareta chocou-se com algo que tiniu como ferro. — Um cofre! Foi o grito que se escapou daqueles peitos como uma só voz. Largando as ferramentas ajoelharam-se para alargar a cova, com as mãos, e sondar o terreno. Súbito apagou-se a luz e selvagem grito que nem cem bocas emitiriam igual, tão forte e tão vibrante como se mil diabos estivessem à solta.

Voando nas asas do medo os malogrados cavadores, mais mortos do que vivos, irromperam pela casa do delegado. Os de casa também ouviram o espantoso grito, assim como toda a redondeza.

Hoje o vale é tabu. Quem ousa por ele passar?

 

Fonte: O Espírito Santo na História, na Lenda e no Folclore, 1983
Autor: Adelpho Poli Monjardim
Compilação: Walter de Aguiar Filho, setembro/2015

Folclore e Lendas Capixabas

O Penedo – Por Maria Stella de Novaes

O Penedo – Por Maria Stella de Novaes

Conta-nos uma lenda que o Penedo é mágico, por isso, na passagem de um navio pela sua frente, os viajantes devem atirar-lhe moedas

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

O Tesouro da Ilha do Francês – Por Adelpho Monjardim

Junto ao mar, na encosta rochosa, abre-se uma gruta. A entrada é pouco alta e estreita, porém, ela se estende a profundezas desconhecidas

Ver Artigo
A Pedra dos Ovos – Por Adelpho Monjardim

Consiste a interessante formação em compacto bloco de granito, sofrivelmente oval, superposto a outro menor, em perfeito equilibro

Ver Artigo
Itaúnas - Por Adelpho Monjardim

Situada na embocadura de importante rio, na orla marítima, possuidora de magnífico e extenso litoral, cedo desenvolveu-se, tornando-se próspera povoação, com intenso comércio com a Bahia

Ver Artigo
A Baixa Grande - Por Adelpho Monjardim

As baixas Grande, Pequena e Cavalo, formam um triângulo irregular, com o vértice virado para terra e não muito afastado da Ponta de Santa Luzia

Ver Artigo
As botas do espanhol – Por Adelpho Monjardim

Raciocinando chega-se à conclusão que a escolha do espanhol tivera justo motivo. Pois da propriedade do mesmo não se avista a torre da igreja?

Ver Artigo
O Penedo - Por Adelpho Monjardim

Defrontando o antigo Forte de São João, sede atual do “Clube de Regatas Saldanha da Gama”, ergue-se o Penedo

Ver Artigo
A Ronda Noturna – Por Adelpho Monjardim

Quando vivia era hábito seu percorrer, à noite, os dormitórios para providenciar algo se preciso. Assim procedeu até aos últimos dias

Ver Artigo
As Ilhas Flutuantes - Por Adelpho Monjardim

No município de Viana, a poucos quilômetros da capital, situa-se a lagoa de Jabaeté

Ver Artigo
A Pata - Por Adelpho Monjardim

Entretanto o Destino costuma ser caprichoso. Por uma noite de lua cheia, um forasteiro, vindo não se sabe de onde, passava pelas imediações do Forte

Ver Artigo
O Lobisomem - Por Adelpho Monjardim

Então como pode ser lobisomem o filho do Coronel Pitombo? Não é filho único?

Ver Artigo
O Tesouro dos Jesuítas – Por Adelpho Monjardim

Rezam as crônicas que fugiram por uma passagem subterrânea, que ia sair no antigo Porto dos Padres

Ver Artigo
O Tesouro da Pedra dos Olhos – Por Adelpho Monjardim

As cavidades motivaram o nome popular de Pedra dos Olhos, embora o geográfico seja Frei Leopardi

Ver Artigo
A Pedra do Diabo - Por Adelpho Monjardim

Nesse bucólico recanto, caprichosa a fantasia criou sombria história capaz de apavorar aos mais valentes. A ela prende-se o nome da região

Ver Artigo
A bola de fogo e o couro que se arrastava - Por Adelpho Monjardim

Uma enorme bola de fogo, partindo Pedra da Vigia, ia sumir-se na crista do Penedo

Ver Artigo
O Fantasma do Solar dos Monjardim - Por Adelpho Monjardim

Só quem conhece a velha mansão pode avaliar o quanto se presta para cenário dessa natureza 

Ver Artigo
Lendas - Por Adelpho Monjardim (Introdução do livro)

Sobre as lendas e crendices do Espírito Santo, pouco se tem escrito, embora, vastíssimo, o campo se encontre aberto à curiosidade dos pesquisadores do fenômeno

Ver Artigo