Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Um Santo e um Santuário – Por Serafim Derenzi

Convento da Penha, 1956 - Ruínas da capela de São Francisco, na foto: Iêdda, Eny, Juju, Enilda e Pepenha.

Dos nomes-legenda, que marcaram as páginas da história do Espírito Santo, dois se perpetuaram para a eternidade: José de Anchieta e Pedro Palácios. Compatriotas (1) e contemporâneos, o destino os uniu na mesma devoção piedosa que o povo capixaba lhes tributa cada vez mais. O primeiro, moço, virtuoso, letrado, pertenceu àquela plêiade de caminhantes predestinados, que desbravaram matas, conquistaram tribos, lançaram fundamentos da civilização cristã em dezenas de regiões brasileiras.

O segundo, humilde de letras e rico de devoção, apostolou rezando, rezando sempre à Virgem Maria e pedindo esmolas para construir-lhe um templo.

***

Pedro Palácios (2) nasceu na província de Salamanca, em Medina do Rio Seco, na Espanha. Animado de espírito religioso tornou o hábito de São Francisco, em São José de Castela, transferindo-se depois para Arrabida em Portugal. No hospital de Lisboa exercitou-se em amar o próximo. Naquela época, o Brasil era o El-Dourado para sonhadores de fortuna e convite sedutor dos que ansiavam a Vida Eterna com o pastoreio do gentio. Em navio português, Frei Palácios embarcou e na Bahia, vago de franciscanos, se fez coadjutor dos jesuítas sem mudar de hábito. Ignora-se quanto tempo esteve em Salvador. Anchieta, na Informação, não menciona datas. Em 1558, desembarcara em Vila Velha, no Espírito Santo, e desgarra-se de seus companheiros de viagem. (3) Dias depois encontrá-lo-ão numa cabana tosca, ao pé do penhasco que encima o monte, a cavaleiro da Vila, rezando. Era um asceta, um místico contemplativo, que, na beleza multicor da montanha, sentia mais acesa a chama da santidade. Chegou “proveto em idade e simples Irmão leigo, e leigo morreu doze anos depois". (4)Em tão curto prazo construiu a mais duradoura obra de arquitetura física e moral do Brasil colônia.

***

Trouxe Frei Palácios um painel de Nossa Senhora e o desejo de construir-lhe uma capela. Ao aportar em Vila Velha deparou com a magnífica paisagem do morro que lhe serve de encosto. Na assentado do monte, surgindo da floresta, um penhasco lhe remata a cumeada e sobre ela, vicejavam então duas palmeiras. Reconheceu o franciscano devoto, o local imaginado para glorificar sua protetora celeste. Lá, seus companheiros de viagens e os moradores da vila o encontraram, assustados com seu sumiço. E não houve demovê-lo sem que lhes prometessem ajudá-lo na tarefa que pretendia. Construíram a capelinha no campinho, minúscula, onde o frade colocou o painel precioso e a imagem de S. Francisco, fundador de sua ordem. Esmolava, ensinava catecismo às crianças, catequizava os índios da redondeza, edificando com seu exemplo uma sólida e piedosa devoção à N. S. das Palmeiras, invocação que deu, de início, diante de preferência da Senhora, do local de sua morada.

Esta é a tradição que a história recolheu através dos cronistas coevos, que transmitiram e registraram a chegada do franciscano e o início do Convento da Penha, hoje basílica e monumento nacional.

Mas, eis a legenda popular, bela, cheia de tessitura poética e rica de imaginação. Frei Palácios, na sua vida de asceta, morava na capelinha de S. Francisco. Certa manhã acordou e não viu a imagem veneranda da Virgem. Desolado, procurou por toda a parte, desceu a montanha, indagou dos amigos e, instantes depois, já era o povo aflito que se alvoroçava na busca. Não fora roubada. Ninguém se atreveria ao sacrilégio. Depois de tantas diligências, encontraram o painel em meio às palmeiras solitárias do penhasco. Trouxeram-no com júbilo para a capelinha humilde de S. Francisco.

O desaparecimento do quadro repetiu-se dias depois e foi novamente achado a dominar nas alturas da penedia.

Frei Palácios não era impostor. Compreenderam todos que N. Senhora, milagrosamente, indicava o cume da montanha para sua moradia.

***

Depois que o ilustrado e saudoso Frei Basílio Rower, historiador de primeira plana, publicou as documentações e belíssimas "Páginas de História Franciscana no Brasil", creio ser inútil, a quem não puder aduzir novos documentos, historiar a origem e a construção do Convento da Penha.

Erudito, prudente na análise dos fatos, sincero na interpretação dos textos de seus maiores, Frei Rower reconstrói a seqüência humana da vida e obra de Pedro Palácios com o cromatismo da época.

***

O testemunho da vida ascética, simples e bondosa, do frade está fartamente grafado pelos jesuítas, que lhes foram contemporâneos: Brás Afonso, Nóbrega e Anchieta, não poucas vezes, a ele se referem com respeito e admiração. O povo do Espírito Santo, notadamente o de Vila Velha, guarda, sem deturpar-lhe, a beleza mística de homem voltado para o bem. E os poetas cantam-lhe as virtudes e os devotos lhe pedem as graças do céu...

***

A capelinha de S. Francisco tornou-se pequena demais para obrigar os devotos da santa milagrosa de Frei Palácios. Diligenciou-se a construção da ermida no topo da montanha. As esmolas foram recolhidas em dinheiro, dádivas e prestação de serviço. Melchior de Azevedo, sobrinho de Belchior, proprietário rico e em cuja casa não poucas vezes se acolheu o franciscano esmoler, (5) foi provavelmente o maior contribuinte. André Gomes e seus dois irmãos, Amador e Brás, testemunhas em 1616, no processo de beatificação de Frei Palácios, o acompanharam, a esmolar e a trabalhar na construção da capela da Penha. (6) É provável que a parte do santuário, propriamente dito, tenha sido edificada por volta de 1558 a 1559, logo depois da capelinha de S. Francisco. Assim escreve Jaboatão, assim confirmam os assentamentos franciscanos. E não há probabilidade de que os acréscimos à ermida tenham sido feitos antes de 1650. (7)

Palácios foi não somente um doutrinador, mas também catequista. Percorria os aldeamentos, demorando-se com os índios conforme testemunho do ven. José de Anchieta, que o chamou, "varão evangélico, que viveu e morreu santamente".

Não foi só o painel a óleo, cuja autoria se quis atribuir a Ticiano, que Frei Palácios doou à ermida da Penha. A imagem belíssima do altar-mór foi encomendada por ele, em Portugal, e é a mesma que hoje se venera no Convento.

Em 2 de maio de 1570, pela manhã, quarta feira de Pascoela, morreu o místico velhinho franciscano, dois dias depois da festa, que celebrara à Virgem da Penha. (8) A notícia foi levada à Vila pelo negrinho que Belchior de Azevedo lhe dera, quando, a idade não mais lhe permitia andar sozinho. As testemunhas do processo, instaurado em 1616, afirmaram que naquela manhã os sinos repicaram festivos. Pode-se desmentir um povo?

Carlos de Laet fez-lhe o panegírico, estudando-lhe as virtudes, em uma conferência pronunciada em 22 de maio de 1903. (9)

 

NOTAS

(1) Padre Anchieta era canarinho da Ilha de Tenerife, pertencente a Espanha. José da Frota Gentil S. J. – “Vida do Ven. José de Anchieta”. Deve-se pronunciar Anxieta.

(2) Frei Basílio Rower. O. F. M. “Página da História Franciscana no Brasil”.

(3) Carvalho Daemon – Ob. Cit.

(4) Rower – na obra citada corrige a data do falecimento de Palácios de 1575 para 1570.

(5) Frei Rower – Ob. cit.

(6) Jaboatão – “Apud.” Frei Rower.

(7) Rower – Ob. cit.

(8) Rower. Idem.

(9) “O Frade Estrangeiro e Outros Escritos”. Organização de Múcio Leão

 

Fonte: Biografia de uma ilha, 1965
Autor: Luiz Serafim Derenzi
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2017

Convento da Penha

Origem de relíquia desafia os especialistas

Origem de relíquia desafia os especialistas

Num penhasco com vista e natureza privilegiada está localizado o Santuário de Nossa Senhora da Penha, fundado por Frei Pedro Palácios que aqui chegou em 1558, trazendo consigo o Painel de Nossa Senhora das Alegrias cuja a autoria ainda não foi desvendada. No entanto, a filiação do quadro à escola de pintura de Castela é uma chave para se interpretar alguns elementos da sua composição.

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Pedro Palácios – Por Norbertino Bahiense

Em 1864, Frei Teotônio de Santa Humiliana, o último guardião do Convento, mandou colocar na gruta a seguinte lápide

Ver Artigo
Da Carta de Anchieta de 1584 – Por Norbertino Bahiense

As CARTAS JESUÍTICAS constituem fontes preciosas da história do Brasil nascente. Entre elas, vamos buscar uma de Anchieta, do ano de 1584

Ver Artigo
Escritura do Convento da Penha - Por Norbertino Bahiense

Carta de doação da Governadora Luisa Grinalda e seu adjunto o Capitão Miguel de Azeredo, desta Capitania do Espírito Santo, em 1591

Ver Artigo
Pedro Palácios, o São Francisco de Assis do Brasil

Fundador do santuário de Nossa Senhora da Penha, seu nome recorda as doces figuras dos ermitões de outrora

Ver Artigo
A Arquitetura do Convento da Penha, pela voz de um técnico americano

O Alpendre, que, avançando, projeta ao espaço, por assim dizer, a sobriedade das linhas retas e formas sólidas das paredes da fachada

Ver Artigo