Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Uma viagem no Século XVII – Por João Eurípedes Franklin Leal

Contracapa do livro Espírito Santo - Histórias

A história sempre nos apresenta recortes do passado, ora fantásticos, ora brutais ou até mesmo dramáticos. Muitas vezes, pesquisando em arquivos históricos, encontramos documentos que, além de conter informações históricas, nos surpreendem com curiosos acontecimentos, retratando o homem e sua época. Este é o caso de um documento da Câmara da Villa da Victoria, datado de 20 de janeiro de 1653, existente no Arquivo Histórico Ultramarino de Lisboa, que relata as peripécias de uma viagem de Simião de Carvalho ao Espírito Santo. Simião de Carvalho havia sido nomeado pelo Rei D. João IV, de Portugal, capitão-mor do Espírito Santo e assim embarcou em Salvador, Bahia, para se dirigir a Vitória, no Espírito Santo. Logo após o início da viagem, já foi perseguido por piratas holandeses, que assaltaram e levaram seu barco. Ele foi deixado com os seus, pelos piratas, em terra e após conseguir um outro barco, continuou a viagem para Vitória, costeando o litoral, em uma pequena lancha de muito má qualidade, que acabou tendo que abandonar, por temer um naufrágio. Continuou a jornada por terra, por impossibilidade de conseguir novo barco. Passou a viajar pela praia, no que se chamava de Estrada Geral, até que conseguiu, ainda na costa baiana, outra lancha para continuar a viagem. Mas Simião de Carvalho estava mesmo com pouca sorte, a nova lancha acabou por naufragar, em uma praia deserta, já próxima a Vitória. Aí recebeu socorro de barcos locais e só então chegou a seu destino. Este futuro capitão-mor do Espírito Santo vinha acompanhado pela esposa e pelos dois filhos, que ainda eram de pouca idade.

Enfim, no dia 12 de agosto de 1652, Simião de Carvalho com sua família, chegou à Villa da Victoria e três dias depois tomou honrosamente, posse no governo da capitania do Espírito Santo.

Este é um exemplo, dos muitos que se sucederam, e que se acham ainda encobertos pela poeira dos tempos, mostrando a luta, a aventura, a coragem e o destemor dos que ajudaram a construir uma Nação. Nosso país também tem heróis que, como Simião de Carvalho, prestaram relevantes serviços ao Espírito Santo e ao nascente Brasil.

 

Fonte: Espírito Santo: História, realização Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo (IHGES), ano 2016
Coleção Renato Pacheco nº 4
Autor: João Eurípedes Franklin Leal
Compilação: Walter de Aguiar Filho, agosto/2016

História do ES

Ilha da Forca - Pelourinho Capixaba

Ilha da Forca - Pelourinho Capixaba

O que é Pelourinho?

Coluna de pedra ou de madeira, em praça ou sítio público, e junto da qual se expunham e castigavam criminosos...

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Quarto Minguante – Marcondes de Souza e Bernardino Monteiro

O período de 1912 ao começo de 1920 corresponde ao princípio e ao fim da crise internacional, oriunda da primeira guerra, que rebentou em julho de 1914 e teve armistício em novembro de 1918

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro – Urbanismo em Perspectiva

O volume de terra, material escasso na ilha de Vitória; para aterrar o banhado, não preocupou o governo de Jerônimo Monteiro 

Ver Artigo
As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

O Ururau era em brigue de transporte, armado com seis bocas de fogo, que próximo a barra da baía de Vitória combateu por hora e meia um barco argentino o “Vencedor de Ituzaingu”

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória"

Ver Artigo