Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Vale do Mulembá

Barro sendo retirado para ser usado na fabricação da panela

Localização

O Vale do Mulembá fica no bairro Joana D’arc, em Vitória, entre a Pedreira Rio Doce e o loteamento São José. O acesso é pela Rodovia Serafim Derenzi.

Formato

O vale possui formato em “U” alongado nas duas pontas, com largura variável de 100 a 180 metros e comprimento de cerca de 700 metros. Está cercado de elevações com cota máxima de 132 metros a sul e 120 metros na direção da Pedreira Rio Doce.

Vegetação

A vegetação do Mulembá é escassa, partes alagadas e várias depressões, de onde são extraídas argila para a fabricação de panelas de barro.

Argila

É uma argila caulinítica, de granulação fina, de cor variável do amarelo-ocre ao cinza-azulado. Ela contém feldspato, mica, matéria orgânica, sais de ferro, sílica livre e outras impurezas.

Qualidade da argila

Já foram identificados três tipos de argila no Vale do Mulembá. A mais resistente é ideal para a produção das panelas são as argilas plásticas, de cor amarelada e cinza, com matéria orgânica e pouca sílica livre.

Mistura

Para dar conta de tanta panela, as artesãs costumam misturar as argilas plásticas com argilas de menor qualidade.

Verdadeira panela

As panelas de barro do Vale do Mulembá produzidas pelas paneleiras de Goiabeiras têm cor preta fosca (pouco brilho) e o acabamento é simples porque a modelagem é feita á mão. Elas são mais resistentes ao fogo, (não racham) e conservam a temperatura dos alimentos por mais tempo.

 

Por: Manuella Siqueira
Fonte: Jornal A Gazeta (setembro/2005)


LINKS RELACIONADOS:

 Escolhendo panelas capixabas
 Panela de Barro
 Mangue Vermelho
 Aprenda a escolher um bom peixe 
 Caranguejo 
 Culinária Capixaba

Matérias Especiais

Quantas montanhas...

Quantas montanhas...

E lá fui eu, abraçada ao meu “Reino das Palavras”, instalar o meu reino literário na cidade de Pancas, a 180 quilômetros de Vitória

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Memória Capixaba - O Arquivo e a Biblioteca (II) – Por Gabriel Bittencourt

O novo Congresso Legislativo construído sobre os escombros da antiga igreja da Misericórdia, que fora arrasada por ordem de Jerônimo Monteiro

Ver Artigo
A Polícia Militar na Historiografia Capixaba - Por Gabriel Bittencourt

A Policia Militar jamais suscitou tanta evidência, seja na imprensa ou no seio da comunidade cultural, como neste ano em que comemora 150 anos de existência

Ver Artigo
As precursoras de uma literatura feita por mulheres no ES

Francisco Aurélio Ribeiro comprova em seu livro, A Literatura do Espírito Santo, que no final do século passado a tônica era machista. As mulheres podiam fazer versos, desde que não os publicassem...

Ver Artigo
As revolucionárias nos anos 30 - Por Francisco Aurélio Ribeiro

Maria Stella de Novaes (1894-1990) e Haydée Nicolussi (1905-1970) são da mesma geração e foram revolucionárias de seu tempo, cada uma a sua maneira

Ver Artigo
Gabriel Bittencourt e a Historiografia Espírito-Santense - Por Marcello de Ipanema Cybelle de Ipanema

Prefácio do livro de Gabriel Bittencourt escrito em 1989. Uma incrível visão da cultura regional atualizadíssima. Parabéns Marcello de Ipanema e Cybelle de Ipanema

Ver Artigo