Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Vasco Coutinho de novo na terra – Maracaiaguaçu

Tela da chegada de Vasco Coutinho Fernandes - Em exposição na Casa da Memória de Vila Velha

No primeiro quartel de 1555, Vasco Coutinho regressou à capitania. Um dos seus primeiros atos deve ter sido organizar a expedição de quatro navios mandada à Guanabara salvar Maracaiaguaçu e sua gente das unhas dos tamoios. O padre Luís da Grã herdou à História um relato completo sobre o assunto. Segundo o jesuíta, Gato Grande “ee mui conhecido dos christãos e mui temido entre os gentios”. Vivia no Rio de Janeiro e há muitos anos mantinha guerra com os tamoios, levando sempre a melhor. Quando a sorte mudou, viu-se o cacique em tais aperturas que mandou um filho ao Espírito Santo pedir transporte a fim de que pudesse se passar para cá, alegando que “elle e sua molher e seus filhos e os mais dos seus se queriam fazer christãos”. Todos ficaram muito apiedados da situação, mas o portador foi despedido sem ajuda, por se tratar de pendência ocorrida em capitania alheia. Em viagem, o índio soube do regresso de Vasco Coutinho e tornou a Vitória para implorar seu auxílio. Juntaram-se no apelo os jesuítas e muitas outras pessoas, de que resultou a citada expedição. Constatada a “extrema necessidade” em que se achavam Gato Grande e os seus, fizeram-nos embarcar, trazendo-os a esta terra. De início, foram localizados em um sítio nas proximidades da vila da Vitória.(32)

Essa missiva foi escrita a vinte e quatro de abril de 1555 e prova que Vasco Fernandes Coutinho chegara recentemente à donataria. Contudo, tamanha importância dava ao socorro pedido por Maracaiaguaçu que logo aprestou “quatro navios pera que fossem seguros dos francezes, que sempre aa naquelle Rio [de Janeiro], e que lhe dessem todo favor com artelharia e mantimento que levavão”. (33)

 

NOTAS

(32) - GRÃ, Cartas, II, 226-8.

– Diz SERAFIM LEITE que “esta carta de Luís da Grã dá a primeira origem da Aldeia de Nossa Senhora da Conceição” (HCJB, I, 234).

(33) - GRÃ – Carta de vinte e quatro de abril de 1555 (Cartas, II, 223-8).

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, maio/2017

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Pobre Vasco! - Por Francisco Aurélio Ribeiro

Enfim, passa da hora de reabilitar o nome de Vasco F. Coutinho e de lhe fazer justiça

Ver Artigo
Vasco da Glória - Francisco Aurélio Ribeiro

Frei Vicente do Salvador, em sua História do Brasil, de 1600 e pouco, afirmou que Vasco Fernandes Coutinho morreu pobre e abandonado

Ver Artigo
Vida Escolar – Grupo Escolar Vasco Fernandes Coutinho (2ª Parte - final)

Em 1931, surge o Grupo Escolar “Vasco Coutinho”, pelo Decreto n° 1.720 de 23 de outubro. O diretor de então era Flávio Moraes. Em 1932 é iniciada a construção do prédio atual da escola

Ver Artigo
No princípio – Por Mário Freire

A “Glória”, a caravela de Coutinho, permitiu-lhe trazer 60 companheiros. Entre esses, o fidalgo D. Jorge de Menezes e Simão de Castelo Branco

Ver Artigo
Os primeiros Jesuítas do ES - Por Mário Freire

A fundação dessa confraria ou irmandade justifica ser a Misericórdia do Espírito Santo, da qual Anchieta foi capelão, uma das mais antigas do Brasil

Ver Artigo