Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Vasco Coutinho volta ao Brasil, ano de 1555

Brasão e fac-simille da assinatura de Vasco Fernandes Coutinho

O navio em que Coutinho regressou ao Brasil tocou em Pernambuco e, com certeza, era de sua propriedade. A primeira afirmação baseia-se na carta de Duarte da Costa delatando o bispo D. Pero Fernandes de ter humilhado o capitão do Espírito Santo negando-lhe “cadeira despaldar na igreja” e excomungando-o, ademais, “de mistura com homens baixos por beber fumo”. Tais injúrias tiveram lugar na terra de Duarte Coelho, explica claramente o missivista. O mesmo texto faz crer que o prelado repetiu a descortesia quando, novamente, pilhou Vasco Coutinho na cidade do Salvador.(37)

Vale a oportunidade para recordar que o fundador da capitania por um triz escapou de cair prisioneiro dos franceses (?) quando, no arrecife de D. Rodrigo,(38) resgatava índios.(39)

Justamente porque podia interromper a derrota para transacionar com os silvícolas é que se conclui ser seu o barco em que viajava o capitão do Espírito Santo.

 

NOTAS

(37) - Carta de D. Duarte da Costa, 2° governador do Brasil (vinte de maio de 1555):

“Vasco Fernandez Coutinho chegou aqui velho pobre e cansado, bem injuriado do bispo, porque em Pernambuco lhe tolheo cadeira despaldar na igreja e apregoou por escomungado de mistura com homens baixos por beber fumo segundo mo ele dise, eu o agaselhei em minha casa e com minha fazenda lhe socorri a sua pobleza pera se poder ir pera o Espirito Santo e o bispo o agasalhou com dizer no pulpito cousas delle tam descorteses estando elle presente que o puseram em condiçam de se perder do que eu o desviei e hei vergonha de decrarar o que lhe disse e por lhe defender a elle o fumo sem o qual nam tem vida segundo elle diz o defendeu nesta cidade com excomunhões e grandes penas dizendo que era rito gentilico sendo hûa mezinha que nesta terra sarava os homens e as alimarias de muitas doenças e que parece que nom devia de defender” (Documento pertencente ao Arquivo da Torre do Tombo, Corpo Cronológico, I, 95, 70, apud P. DE AZEVEDO, Instituição [Apêndice], 375).

(38) - “Arrecife de D. Rodrigo ou Porto dos Franceses – Nos Baixos de D. Rodrigo, entre a barra do Rio São Francisco e o Cururipe, quase defronte a este, naufragou o bispo D. Pedro Fernandes Sardinha. Salvo do naufrágio, regressava a Pernambuco, com seus companheiros, quando foi morto e devorado pelos caetés, perto do Porto dos Franceses, sobre uma colina que domina a entrada da barra. Aí existe uma ermida, provavelmente, para comemorar esse cruento martírio.

Uma observação de Gabriel Soares há e convém fique lembrada: é a que se refere à existência de três portos chamados “dos franceses”. [...] o terceiro, simplesmente – Porto dos Franceses – achava-se situado nos recifes de D. Rodrigo, nome que designa um capitão espanhol, comandante da nau S. Gabriel, que arribara a S. Catarina em 1530 e depois foi ter ao litoral das Alagoas, onde naufragara” (Rev. Inst. Arq. e Geogr. Alagoano, n.º 9, dez.º 1876, p. 245, apud PIRAJÁ DA SILVA, Notas, I, 115).

(39) - “...depois veio aqui ter Vasco Fernandez Coutinho e esteve junto do arrecife de Dom Rodrigo resguatãodo em hum barquo e vyo entrar hua nao demtro com hua zabra por popa e escapou lhes por estar dentro num arrecife” (Da carta de Francisco Portocarrero a el-Rei, de vinte de abril de 1555). Documento pertencente ao Arquivo da Torre do Tombo, Corpo Cronológico, I, 95, 46, apud P. DE AZEVEDO, Instituição (Apêndice), 377.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, maio/2017

Vasco Fernandes Coutinho

Na travessia do Atlântico Vasco Coutinho trouxera a família?

Na travessia do Atlântico Vasco Coutinho trouxera a família?

Os historiadores Jaboatão, Brás Rubim e Basílio Daemon informam que o desembarque ocorreu nas fraldas do penhasco onde mais tarde foi construído o santuário da Penha...

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Coutinho ausenta-se novamente da capitania

Posta certa ordem na governança, Vasco Coutinho atirou-se novamente ao mundo

Ver Artigo
Vasco em Lisboa, na Rua do Barão de Alvito

Em agosto de 1540, estava em Lisboa, hospedado em uma casa da rua do Barão de Alvito, segundo a escritura de doação da ilha de Santo Antônio

Ver Artigo