Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Vasco desembarcou na foz do Rio da Costa

Enseada do Rio da Costa(Barrinha), década de 1970

Revendo nossos arquivos, encontramos mais documentos, livros e relatos sobre a chegada de Vasco Coutinho ao ES. Em uma de nossas fontes, é afirmado que o donatário do ES chegou à Praia do Ribeiro, aos pés do Morro do Moreno, e não na Prainha, como apregoa a história oficial do ES. Confira:

O rei de Portugal D. João III de Aviz, querendo administrar economicamente a Colônia, dividiu em 1530 o Brasil em Capitanias Hereditárias. Coube ao fidalgo português Vasco Fernandes Coutinho, filho de Jorge de Melo, “O Lágio”, e de Branca Coutinho, a donataria do Espírito Santo. Guerreiro em Málaga, Molucas, Tamou, Goa e outras praças da Ásia e África, Coutinho fora ainda Alcaide (prefeito) de Ormuz. Homem de fama militar incontestável, que servira na Índia ao nobre e generalíssimo Afonso de Albuquerque, preso a uma fé medieval, obediência cega ao Rei, sedução pelo perigo e aventura, além de desprezo pela vida aristocrática sem ação, não vacilou em vender sua Quinta em Alenquer, casas, ou trocar seus rendimentos vitalícios por equipamentos, provisões e homens para a ocupação do seu “feudo” ultramarino.

Em 23/05/1535 chegou o donatário a bordo da caravela “Glória”, numa enseada aos pés de um rochedo (onde mais tarde o espanhol franciscano Pedro Palácio daria instruções para a construção do Convento da Penha), sendo recebido pelos nativos da praia (local atual do 38º Batalhão de Infantaria). Era Domingo de Pentecostes, razão para o batismo do lugar com o nome de Espírito Santo. A Carta régia assianda em Évora, Portugal, em 1/6/1534, garantia a Coutinho a demarcação primária da Capitania, passível de expansão.

Vasco Fernandes Coutinho possuía mais de cinqüenta anos (teria nascido em 1484 e falecido em 1561). Os colonos que trouxe para povoar, além de gente do povo, misturavam alguns personagens inscritos nos livros da nobreza lusitana. Exemplo: Jorge de Menezes (degredado por crime de morte) era fidalgo de linhagem, descobridor da Nova Guiné, possuindo títulos de ordens dinásticas. Simão de Castelo Branco, outro fidalgo. Fernandes Vélez, idem; Braz Telles de Menezes, cavaleiro da Casa Real, servidor do Príncipe Dom Luís, irmão de Dom João III, Rei de Portugal. Sebastião Lopes, escudeiro e morador de Vila de Muge. Antônio Espera, cavaleiro da ordem de San Thiago, almoxarife e feitor (nomeado a 2/9/1534) da Capitania. Duarte Lemos, fidalgo e cavaleiro da Casa Real.

O desembarque na enseada de Santa Maria (antiga Foz do Rio da Costa), entre o Morro do Moreno e o Penhasco da Penha, com 63 colonos, foi um desafio ilimitado. O donatário teve missão árdua. Não encontrando construções ou comodidades, feitorias, teve que começar do zero. A capitania rica em belezas naturais, o “vilão farto”, conforme descrevia o velho fidalgo, recebeu logo providências tais como fortificações contra ataques dos nativos (legítimos donos da terra), corte de pau-brasil, plantio de cana-de-açúcar com tecnologia e mudas trazidas da Ilha da Madeira.

Além da insubmissão dos indígenas, o donatário teve que enfrentar as dissensões entre os portugueses. A seus companheiros Jorge de Menezes e Duarte lemos concedera extenas sesmarias, usando os poderes que recebera juntamente com a carta de doação. Com isso criou dois rivais implacáveis.

Foi assim das mais duras a empreitada de Vasco Fenandes Coutinho. Para o patriarca do Espírito Santo, a capitania foi um prêmio que se transformou em castigo: teve de empenhar todos os haveres para conservar sua vila, e acabou por morrer pobre e desvalido.

 

Fonte: Site Morro do Moreno



GALERIA:

📷
📷


Vasco Fernandes Coutinho

Os franceses atacam no Governo de Belchior de Azeredo

Os franceses atacam no Governo de Belchior de Azeredo

Belchior de Azeredo teve de se haver logo com os franceses, que infestavam a costa. No decorrer de 1561

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Crise – Armando os engenhos

Basta dizer que, em 1552, a capitania não rendia o suficiente para pagar ao padre Gomes Ribeiro

Ver Artigo
Ainda a carta de delação de Duarte de Lemos

Vem, a seguir, a delação da fuga de Coutinho para a França, que calamos por inconseqüente

Ver Artigo
Vasco Coutinho à testa do governo – Auxílio a Pero de Góis

Pero de Góis estivera no Espírito Santo e daqui levara para S. Tomé um mestre de açúcar

Ver Artigo
Regresso do donatário Vasco Fernandes Coutinho

Talvez o regresso se tivesse verificado em 1547, na frota mencionada na carta de Fernando Álvares de Andrade, ou pouco depois

Ver Artigo
Produção de açúcar na era Vasco

Primeiro carregamento – Minucioso relatório a carta de Ambrósio de Meira. Tudo quanto dizia respeito ao interesse da Fazenda Real registrou cuidadosamente

Ver Artigo