Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Vasco e os primeiros Jesuítas do ES - Por Mário Freire

Contra Capa do Livro: A Capitania do ES - Autor: Mario Aristides Freire com dedicatória e autógrafo para o seu amigo Milton Caldeira

A preocupação de evitar as baixadas paludosas nesta ilha, citada também como leziria na escritura da respectiva doação a Duarte de Lemos; e, ao mesmo tempo, o cuidado de melhor defesa contra constantes assaltos de indígenas ou de invasores teriam, provavelmente, determinado a fundação de Vitória no alto da colina, onde os jesuítas, depois, preferiam localizar a Residência. No alto de colinas, começou igualmente Olinda, em busca de defesa contra os dois temidos inimigos: - o índio, do mato; e o pirata, do mar. A fundação do Rio de Janeiro consolidou-se no alto do Desterro, o primitivo morro do Castelo. Além da vontade do homem, há na história das cidades, forças espontâneas, por vezes preponderantes: e, entre essas, tão evidente tem sido a predominância da altitude, que houve quem lhe quisesse atribuir o caráter de lei, em História. Não fugiu Vitória a outra circunstancia predominante no Brasil, segundo salienta Roy Nash: é uma das muitas capitanias à margem do que esse autor chama – estrada líquida.

Nos primeiros anos, tudo parece ter corrido bem, nos domínios de Vasco Fernandes Coutinho. Quando, porém, Tomé de Souza veio, em 1549, instalar o governo geral, trouxe uma recomendação para cuidar, quanto antes, de pacificar e reformar esta Capitania que se achava “alevantada”: assim a vira Pero de Gois, que, levando, nesse ano, o Ouvidor para a Bahia, conseguiu com a intervenção dessa autoridade consertar tudo. Pode Tomé de Souza então verificar que, se o Espírito Santo era, como já se dizia, a melhor donataria, não deixava, infelizmente, de ser também a mais arruinada.

Desde que sentira agravarem-se as dificuldades, o donatário e fundador deliberou voltar, pela segunda vez, a Portugal, na esperança de trazer novos recursos, embora da primeira viagem houvesse trazido grandes dívidas. Com esse propósito, seguiu em 1550 para a Bahia, deixando o governo confiado ao ouvidor de sua nomeação. Queixoso do abandono em que o Rei deixava os donatários no Brasil, por tal forma falou a Duarte de Lemos, a quem encontrou governando Porto Seguro, que esse antigo companheiro não trepidou em denunciá-lo à Corte, como traidor... Sem abandonar o plano dessa viagem, peregrinou pela costa até Pernambuco. Em Salvador obteve que, à custa de suas minguadas rendas, fossem remetidas para o Espírito Santo algumas partidas de armas e munições.

Em Pernambuco, foi ultrajado pelo primeiro Bispo do Brasil, D. Pero Fernandes Sardinha; além de, na igreja, recusar-lhe honras a que tinha direito, valeu-se da decadência em que o viu, para apontá-lo desumanamente, ao povo, como um exemplo de castigo de Deus... Tudo porque, no convívio com os indígenas, o velho e atribulado donatário adquirira o vício do fumo, naqueles dias censurado por todos. Socorreu-se na volta de Pernambuco, Duarte da Costa, que divulgou a maldade do bispo.

Além do custo das armas e munições, fornecidas, para a própria defesa da colônia, outros débitos mandava a Fazenda lançar à conta do donatário, ao mesmo tempo que não estendia ao Espírito Santo algumas isenções de tributos, concedidas a outras capitanias. Não parece ter tido sensível influencia uma carta régia de 1551, pela qual se mandava isentar do pagamento dos dízimos, durante um qüinqüênio, quem viesse, à própria custa, para Bahia ou Espírito Santo. No ano seguinte, mandados cobrar 8$500, contribuição desta Capitania para o Bispado, nada foi possível arrecadar...

Começavam as incursões pelo interior, o “desertão”, donde Alberto Rangel pretendeu fazer curiosamente derivar “sertão”... Novas dificuldades. Ainda no governo de Tomé de Souza, o sertanista Martim Carvalho, vindo do norte, desceu pelo Cricaré, depois de ter contemplado uma serra distante. Espinosa, em 1553, explorava terras, hoje de Minas; e municiado pelo mesmo Governador, Manoel Ramalho parte, e morre trucidado, ainda no Espírito Santo, em luta com os indígenas...

Na ausência do donatário, começou a se fazer sentir a influência benéfica dos jesuítas. Depois de Leonardo Nunes, o famoso Abarebebê dos índios de S. Vicente, impressionados porque o viam andar tão depressa que parecia voar, acolhido no Espírito Santo, em 1549, veio Afonso Brás, acompanhado de Simão Gonçalves, iniciou a primitiva Casa, origem remota do futuro Colégio; dentro de um ano, estava modestamente coberta de palha, mas sem paredes. Ao mesmo tempo esse dedicado jesuíta apregoava a terra “a melhor e mais fértil de todo o Brasil. Tomé de Souza não a julgou diferentemente, quando em 1552, percorreu o litoral. Devia ser realmente grande a fertilidade de uma capitania, cujo donatário costumava, a principio, chamá-la de “meu vilão farto”...

À Sombra da veneranda Casa dos Jesuítas, cresceu a vila que o Padre Manoel da Nóbrega visitou, quando esses padres não tinha mais do que ficou acima descrito.

Para combater as murmurações, que traziam os moradores em discórdias, fundaram os jesuítas, em 1554, a confraria da Caridade: quem por aquela falta era denunciado pagava 10 réis; pagava a metade o culpado, quando ele mesmo se acusava, para maior edificação de todos... A fundação dessa confraria ou irmandade justifica ser a Misericórdia do Espírito Santo, da qual Anchieta foi capelão, uma das mais antigas do Brasil, mais completa pacificação, aconselharam e promoveram os jesuítas a vinda em Abril de 1555, dos temiminós, que, em luta com os outros índios do Rio, foram, no Espírito Santo, enquanto aqui aldeados, uma força de franco apoio para os colonos, e de aproximação dos temidos tupiniquins.

 

Fonte: A Capitania do Espírito Santo – Crônicas da vila capixaba no tempo dos Capitães-Mores (1535-1822), ano 1945
Autor: Mario Aristides Freire
Compilação: Walter de Aguiar Filho, maio/201

Vasco Fernandes Coutinho

A grande obcecação de Vasco

A grande obcecação de Vasco

As crônicas dos primeiros tempos estão repletas de referências a conversas com os índios sobre a existência de gemas e metais nobres no país 

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Nas Vésperas da Independência – Por Mário Freire

A última barreira do Siri, próxima à foz do Itapemirim, havia sido o extremo norte da fazenda, doada aos padres em 1702

Ver Artigo
Há duzentos anos passados... - Por Mário Freire (1945)

Reritiba assistiu, em 1742, um indígena que, durante uma procissão portara-se inconvenientemente, exaltou-se e conseguiu amotinar todo o aldeamento

Ver Artigo
Vasco – Por Mário Freire

A “Glória”, a caravela de Coutinho, permitiu-lhe trazer 60 companheiros. Entre esses, o fidalgo D. Jorge de Menezes e Simão de Castelo Branco

Ver Artigo
Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória"

Ver Artigo
A Independência no Espírito Santo - Por Mário Freire

O Ministro Manoel Pinto Ribeiro Pereira de Sampaio, notável espírito-santense, que faleceu em 1857 como presidente do mais alto Tribunal do País

Ver Artigo
Após a Independência - Por Mário Freire

Dissolvendo a Constituinte em Novembro de 1823, Pedro I incumbiu o Conselho de Estado de organizar um projeto de Constituição

Ver Artigo
O Norte do Espírito Santo – Por Mário Freire

Atravessaram a Ponte da Passagem, construída com o nome de Ponte de Maruípe em 1799 ou 1800, Saint-Hilaire já a encontrou em mau estado 

Ver Artigo
Últimas observações de Neuwied e Saint-Hilaire - Por Mário Freire

Saint-Hilaire escreveu curiosas observações sobre algumas culturas, como a do algodão

Ver Artigo
O Herói de 12 de junho – Por Mário Freire

Varonil até o derradeiro instante, parte dele a ordem de atirar, ao pelotão do próprio fuzilamento! 

Ver Artigo
O Sul do ES no início do Século XIX – Por Mário Freire

Rubim descreve uma grande planície até a povoação de Guaranhum, inundável quando se não limpava a vala que conduzia as águas do rio da Costa 

Ver Artigo
O Governador Rubim - Por Mário Freire

Francisco Alberto Rubim, oficial de marinha, assumiu o governo em 1812. Mandou escrever em 1816 uma descrição da Capitania

Ver Artigo
Vitória Colonial – Por Mário Freire

O cientista Saint-Hilaire enumera os conventos de S. Francisco e do Carmo quase fora da Vila: o pavimento térreo do segundo já estava ocupado por soldados pedestres

Ver Artigo
Expulsão dos Jesuítas - Por Mário Freire

Em Vitória foi erguido um templo a N. S da Conceição. Foi construído no prolongamento da Rua da Praia no ponto onde a Rua Graciano Neves atinge a Praça da Independência 

Ver Artigo
O Governador Tovar - Por Mário Freire

A vila do Espírito Santo ainda conservava os alicerces da primitiva alfândega, estabelecida nos primeiros dias da colonização

Ver Artigo
Primeiros dias do Século XIX – Por Mário Freire

O primeiro Governador no século passado, Antônio Pires da Silva Pontes era notável geômetra e astrônomo, com relevantes serviços na demarcação dos limites do Brasil 

Ver Artigo
Ao findar do Século XVIII – Por Mário Freire

O majestoso portão de acesso ao Convento da Penha conserva a data de 1774. Nessa época, ergueram, ao fim de penúltima volta da ladeira, uma capela ao Bom Jesus

Ver Artigo
Um cimélio do Arquivo Municipal - Por Mário Freire

A Prefeitura Municipal de Vitória possui uma planta datada de 1764 do capitão José Antônio Caldas, incumbido de apresentar as plantas de diversas fortificações desta Capitania 

Ver Artigo
Primitivas Matrizes – Por Mário Freire

Sobre o Reguinho, lodosa vala que, buscando o mar, derivava pelas atuais ruas Graciano Neves e Sete de Setembro, até a praça, agora, da Independência

Ver Artigo
De Francisco Gil de Araújo ao final do Século XVII - Por Mário Freire

A criação da Vila de Guarapari, em 1 de janeiro de 1679, foi um de seus mais celebrados atos 

Ver Artigo
Reincorporação da Capitania à Coroa - Por Mário Freire

Um velho mapa, rudimentar, de 1631 assinala o rio Doce como extremo da Capitania de Porto Seguro. Teria talvez influído para a Ouvidoria do Espírito Santo ficar limitada, por esse rio, com a Comarca de Porto Seguro

Ver Artigo
A Inquisição no Espírito Santo - Por Mário Freire

Uma ordem régia de 1720, por exemplo, proibiu aos barqueiros e canoeiros cobrarem passagens aos franciscanos, em viagem por mar ou rio, no trecho entre o Espírito Santo e o Rio de Janeiro

Ver Artigo
Surgem as Minas Gerais - Por Mário Freire

A quem descobrisse ouro ou prata, além do foro de fidalgo assegurara a propriedade das minas, com a obrigação apenas de pagar o quinto devido à Fazenda

Ver Artigo
Cessa o domínio dos descendentes do fundador - Por Mário Freire

Filho de Ambrósio de Aguiar Coutinho, era neto de Antônio Gonçalves da Câmara. Este fora casado com D. Maria de Castro, filha de outro Ambrósio de Aguiar Coutinho

Ver Artigo
Primeira metade do Século XVII – Por Mário Freire

Puderam os franciscanos ampliar, em 1637, a ermida da Penha, transformando-a em santuário; pouco depois, faziam o calçamento da ladeira

Ver Artigo
Segunda metade do Século XVII – Por Mário Freire

Os jesuítas, cuja rivalidade com os franciscanos era indisfarçável, tentaram apossar-se judicialmente do Santuário da Penha

Ver Artigo
Como se escrevia a história nos tempos de Maria Ortiz - Por Mário Freire

Maria Ortiz despejou um caldeirão de água fervente, no Almirante Pieter Pieterszoon Heyn, chefe da expedição holandesa

Ver Artigo
Finda o século XVI no Espírito Santo - Por Mário Freire

A “Capitoa e Governadora” do Espírito Santo; por morte de filho de igual nome do Fundador, coube a donataria, em 1589

Ver Artigo
Primeiras ocorrências do Século XVII - Por Mário Freire

O velho Tombo do Convento registrou a invasão holandesa em Vitória. Durante a luta, as mulheres postaram-se na igreja da Misericórdia

Ver Artigo
Quando os Franciscanos e os Beneditinos chegaram - Por Mário Freire

Pedro Palácios em 1558, ergueu, uma pequena ermida a São Francisco; e iniciou mesmo a construção de uma capela, no alto pedregoso da colina

Ver Artigo
No tempo de Maria Ortiz - Por Mário Freire

Uma das primeiras medidas administrativas do século XVII, foi, corno dissemos, completa proibição de tráfico ou comércio com estrangeiros

Ver Artigo
Primitivos Aldeamentos após a morte do 1º Donatário - Por Mário Freire

O desânimo que a todos ia empolgando, na Capitania, não atingia, felizmente, os jesuítas

Ver Artigo
Velhas Contendas - Por Mário Freire

A resolução régia de 1732 fez presumir ou considerar Campos pertencente ao Espírito Santo

Ver Artigo
Revoluções Liliputianas - Por Mário Freire

D. João V, que, indiferente aos protestos do povo, costumava repetir: "Meu Avô deveu e temeu; meu Pai deveu: eu não devo, nem temo"... 

Ver Artigo
Divisões do Brasil colonial em repartições

A Repartição do Sul estendera-se, efetivamente, até o ponto por onde a Capitania de Ilhéus confinava com a de Porto Seguro  

Ver Artigo