Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Velha glosa sobre a Penha e sua polêmica

Coqueiro

Nunca aceitei aquela apressada afirmação de que o poeta capixaba José Gonçalves Fraga - falecido em 1855 - fosse o autor da quadra:

Teu nome escrevi na areia,

Ao pé do vizinho mar;

As mesmas ondas quiseram

Teu nome virem beijar.

 

Trova que lhe serviu de mote à sua conhecida glosa, publicada no Jardim poético de José Marcelino Pereira de Vasconcelos [Vitória, 1856-58], de onde Afonso Cláudio retirou a versão que consta às páginas 109-10 de sua História da literatura espírito-santense [Porto, 1912], e divulgada, anteriormente, noutra variante, à página 4 do Correio da Vitória, edição de 5 de setembro de 1855.

A trovinha tem sabor popular e transpira evidente lirismo amoroso.

A nosso ver, Gonçalves Fraga, segundo o gosto da época, aproveitou a quadra popular (talvez ligeiramente adaptada) e sobre ela decalcou e desenvolveu a sua glosa, que ressuma, como se vai ver, exaltado lirismo religioso. Se, realmente, também de sua autoria a quadra-mote, por certo o vate preferiria empregar, no último verso, outro verbo, em vez de beijar, que não diz bem com a intenção religiosa da glosa. A substituição, por exemplo, de virem beijar por vir adorar não quebraria a medida do verso septissilábico, e melhor atenderia ao tema da poesia mística.

Esta, a glosa do velho vate capixaba que - segundo a opinião de Afonso Cláudio - era "homem de alguma cultura, dispondo de habilidade para apreender alheios pensamentos", mas, na poesia, "simples amador; poeta, nunca".

 

MOTE

Teu nome escrevi n'areia

Ao pé do vizinho mar;

As mesmas ondas quiseram

Teu nome virem beijar.

 

GLOSA

Com devoção, com vanglória,

Fui te ver, ó Penha, um dia,

Pois teus milagres ouvia

Contar-se com pasmo e glória;

Teu templo vi, que a história

Relata com Epopéia;

De Vila Velha (ou Aldeia),

Saltei na praia afamada;

E antes d'ir pela calçada

Teu nome escrevi n'areia.

 

Que maravilha excelente!

Justos Céus! Eis vem do Prado,

Eis surge do mar salgado

Sacra Turma, alta e luzente,

Que adorar vinha contente

Teu sacro Nome sem par,

Nome excelso e singular,

Teu Santo Nome bendito

Qu'eu devoto tinha escrito

Ao pé do vizinho mar.

 

Subo ao cume, sem demora,

Da Rocha, onde está teu Templo;

Nele, ó Virgem, te contemplo

Tal qual como os Céus te adora. [sic]

Vejo, enfim, como Senhora

De tudo os Céus te fizeram,

Pois té letras que escreveram

As minhas mãos vis, indinas,

Qu’ adorar como divinas

As mesmas ondas quiseram.

 

À vista das Maravilhas

Que tu, que nos astros brilhas,

Virgem, Mãe, Esposa amada,

De Deus, dos Céus adorada,

Grandes coisas tens que obrar;

Por isso vejo te dar

As Nações suas riquezas,

E pelas suas grandezas,

Teu nome virem beijar.

 

Divulgo aqui a versão publicada no Correio da Vitória. Difere ela, em algumas partes, da que transcreveu Afonso Cláudio. Tais diferenças ocorrem nos seguintes pontos principais: o quarto verso do mote: "Teu nome à praia beijar"; primeira décima, segundo verso: "Cantar com fama notória"; sexto verso: "Elevou à epopéia"; oitavo verso: "Saltei na praia aljofrada"; nono verso: "E antes de ir ter à calçada"; segunda décima, primeiro verso: "Que maravilha esplendente"; terceiro verso: "Eis surge do mar irado"; quarto verso: "Sacra turb'alta, luzente"; oitavo verso: "Três vezes nome bendito"; terceira décima, quarto verso: "Tal qual o céu te adora"; nono verso: "Adorar como divinas"; quarta décima, oitavo verso: "A terra suas grandezas"; nono verso: "E do mar suas riquezas"; décimo verso: "Teu nome à praia beijar". 0 sabor popular da quadra-mote pode-se perceber melhor se a confrontarmos com as seguintes trovas portuguesas. Dos Cantares do Minho, de Fernando de Castro Pires de Lima [Porto, 1942, segundo volume, trovas n. 1.380 e 1.381]:

 

Escrevi na branca areia

O retrato do meu bem;

Tornei-o a riscar fora,

Que me não estava bem.

 

Escrevi teu lindo nome

Sobre areia fugidia;

Veio o vento, apagou

As cinco letras - Maria.

 

E, melhor ainda, nestas duas outras [n. 1.898 e 1.899] do Cancioneiro popular do Baixo Alentejo, de Manoel Joaquim Delgado [Lisboa, 1955, volume I, p. 190]:

 

Escrevi-te, lindo amor,

Na branca areia do mar.

Vieram as tristes ondas

Com teu nome navegar.

 

Escrevi teu lindo nome

Na branca areia do mar.

Vieram as tristes ondas

O teu nome apagar.

 

Aqui no Brasil, até agora, só posso indicar esta variante literária, referida no livro do Prof. Sales Cunha, Aspectos do folclore de Alagoas [Rio, 1956, p. 166] - começo de uma canção bonita, então corrente em Maceió":

 

Quantas vezes escrevi o teu nome,

Na alva areia, nas ribas do mar.

E as vagas talvez por ciúme

Vinham presto o teu nome apagar.

 

Como se vê, o tema lírico da quadra-mote, atribuída ao poeta capixaba José Gonçalves Fraga, é velho e corrente na poesia popular, tudo indicando não ser a referida quadra de sua autoria. Suas seriam apenas as décimas da glosa, e nada mais.

 

Fonte: História Popular do Convento da Penha, 2008
Autor: Guilherme Santos Neves
Compilação: Walter de Aguiar Filho, fevereiro/2016

Convento da Penha

A Serra da Arrábida - Frei Agostinho da Cruz, OFM

A Serra da Arrábida - Frei Agostinho da Cruz, OFM

Descubra o segredo porque Frei Palácios escolheu o morro da Penha para nele prosseguir a vida contemplativa

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Os Ataques dos Franceses, Ingleses e Holandeses

O corsário, como todos os outros que ousaram transpor a barra sobre a qual se estende a sombra do Convento da Penha, não foi feliz

Ver Artigo
Pedro Palácios – Por Norbertino Bahiense

Em 1864, Frei Teotônio de Santa Humiliana, o último guardião do Convento, mandou colocar na gruta a seguinte lápide

Ver Artigo
Da Carta de Anchieta de 1584 – Por Norbertino Bahiense

As CARTAS JESUÍTICAS constituem fontes preciosas da história do Brasil nascente. Entre elas, vamos buscar uma de Anchieta, do ano de 1584

Ver Artigo
Escritura do Convento da Penha - Por Norbertino Bahiense

Carta de doação da Governadora Luisa Grinalda e seu adjunto o Capitão Miguel de Azeredo, desta Capitania do Espírito Santo, em 1591

Ver Artigo
Pedro Palácios, o São Francisco de Assis do Brasil

Fundador do santuário de Nossa Senhora da Penha, seu nome recorda as doces figuras dos ermitões de outrora

Ver Artigo