Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Versos Populares da Virgem da Penha

Capa do Livro de Maria da Glória de Freitas Duarte, 1990

É bem grande a variedade de versos populares conhecidos na antiga Vila Velha, porém vamos focalizar apenas alguns, na impossibilidade de transcrevermos todos.

Homenageando a SS. Virgem da Penha, existe um número incalculável de versos. Além dos já registrados em capítulos anteriores podemos citar alguns que se relacionam com fotos conhecidos:

"Nª Sª da Penha

é madrinha de João

eu também sou afilhada

da Virgem da Conceição".

Isto porque, com a grande devoção à Senhora da Penha, era rara a família que não tomava a Virgem por madrinha de um dos filhos.

Referindo-se ao local onde está situado o Convento:

"Nossa Senhora da Penha,

onde ela foi morar,

em cima de uma pedra,

toda cercada de mar".

Em 1856 alastrou-se pela cidade um surto de cólera. Seu povo já andava amedrontado com tanta epidemia, pois antes, a varíola e a bubônica já haviam dizimado muitas vidas. Os moradores locais, com seu profundo espírito de religiosidade e com uma fé viva e ardente em Nª Sª da Penha, recorrem à Sua proteção.

Sua coroa sai em procissão, visita a cidade e lugares circunvizinhos. Os efeitos da epidemia foram atenuados. Em agradecimento pela graça alcançada, apareceu esta quadrinha, que se tornou popular, parte de uma glosa feita sobre a coroa de Nossa Senhora:

"Nossa Senhora da Penha

não veio, porém mandou

Sua sagrada coroa,

e a epidemia acabou".

Quando se desejava mandar algum recado indireto a outra pessoa lançava-se mãos dos versos populares que eram declamados ou, mais comumente, cantados nas reuniões familiares ou nos cateretês:

"Lá vai a lua saindo,

redonda como um vintém.

Nª Sª da Penha

dai vergonha a quem não tem".

ou então:

"Quem te ama tem bom gosto,

quem te adora é feliz,

quem disser pelo contrário,

mente, não sabe o que diz."

Numa das tradicionais reuniões, uma jovem foi cantar o seu versinho, mas depois de iniciá-lo esqueceu o final. Murmúrios entre os presentes fizeram com que a jovem, muito encabulada, se retirasse para o interior da casa. Um moço entrou para o meio da roda e cantou:

 

"No errar de uma cantiga,

não se deve admirar,

que o melhor atirador

erra um pássaro no ar."

Quando um amor estava em perigo de ser arrebatado por outra pessoa:

"Meu anel de pedra verde,

que eu mandei fazer em Roma.

Tenho fé na Mãe da Penha,

que meu amor ninguém toma".

E assim era Vila Velha, uma terra ditosa, e sua gente experimentava a verdadeira felicidade, pois esta consiste em cada qual se contentar com o que tem, embora procurando progredir, o que instinto é natural no homem.

 

Fonte: Vila Velha de Outrora, 1990
Autora: Maria da Glória de Freitas Duarte
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2015

Convento da Penha

O Culto a Nossa Senhora da Penha

O Culto a Nossa Senhora da Penha

O culto a Nossa Senhora da Penha começou como culto a Nossa Senhora dos Prazeres, ou Nossa Senhora das Alegrias, a virgem representada no quadro trazido da Espanha por Frei Pedro Palácios

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Gruta de Frei Pedro Palácios, Oratório e Frontal do Portão - Por Seu Dedê

Na época da jurisdição do capelão Padre José Ludwin, a missa do domingo, véspera da Festa da Penha, era celebrada às nove horas em frente ao oratório

Ver Artigo
Fonte Milagrosa do Convento da Penha

Localizada no terraço inferior do Convento de Nossa Senhora da Penha

Ver Artigo
O genial Vitor Meireles no Convento da Penha no ano de 1871

Os pincéis mágicos que imortalizaram as grandes telas históricas também estiveram na Penha, manejados pelo genial Vitor Meireles

Ver Artigo
A Penha do meu tempo – Por Areobaldo Lellis Horta

Via-se a senzala, em ruínas, composta de pequeno número de casebres, quase destelhados uns, outros de paredes fendidas e atacadas pela hera

Ver Artigo
O Convento da Penha – Por Maria Stella de Novaes

Peregrino, contempla o augusto monumento  da terra capixaba. Ali, vive a rezar, em hosanas de glória, ou rudez do tormento, o coração de um povo!

Ver Artigo