Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Viajantes Estrangeiros ao ES – Jean de Lèry

Capa do Livro: Viagem à Terra do Brasil

Dos mais antigos estrangeiros que aportaram à Capitania do Espírito Santo, embora de passagem, creio podermos registrar o clérigo francês reformado Jean de Lèry. A sua preciosa narrativa cujo título, muito extenso, assim foi resumido: VIAGEM à TERRA DO BRASIL, publicada em primeira edição no ano de 1578 e bastante divulgada, tornou-se documentário da maior importância, imprescindível aos estudiosos da nossa história do primeiro século.

Incorporado a uma comitiva de quatorze missionários que iriam auxiliar a Villegaignon na conquista da Guanabara, Jean de Lèry saiu da França a 20 de novembro de 1556. O GRANDE ROBERGE, no qual viajavam cento e vinte homens, pelas oito horas da manhã de 26 de fevereiro do ano seguinte, sob grande emoção de todos, se aproximava da costa espírito-santense. Era um lugar montanhoso, chamado pelos índios MARACAIAS, seus habitantes, de HUUASSÚ, nome que, na definição do tupinólogo Plínio Ayrosa, deve ser Y-UASSÚ ou Y-GUASÚ, rio grande, rio caudaloso.

No mesmo dia, o navio ancorou a meia légua daquele sítio. Dispararam-se alguns tiros nos canhões de bronze, para avisar aos índios, os quais logo se reuniram, em grande número, na praia.

O lugar que não foi identificado por nenhum dos marujos, mesmo aqueles que já haviam estado na costa brasileira, seria um aldeamento de tupiniquins, na embocadura do rio Santa Cruz, onde se encontrava o melhor pau-brasil da região segundo afirmaram uns dois ou três índios velhos, mais notáveis da tribo.

Apesar da inimizade dos MARACAIÁS aos franceses, o mestre do navio, João Humbert, experimentado piloto do porto de Honfleur, que conhecia um pouco o tupi, desceu no escaler com alguns marinheiros, indo ao encontro dos selvagens. Mas, temendo se tornarem prisioneiros, ficaram a boa distância, gritando e acenando os presentes de facas, espelhos, pentes e outros. Acabaram por se acercar dos índios, que mostravam intenção pacífica. Assim, foi possível conseguirem farinha de mandioca, carne de anta ou capivara e frutas, ali-mentos que, embora estranhos ao paladar, lhes pareceram muito saborosos.

Seis índios e uma índia, completamente nus, tatuados de preto, embarcaram no escaler e foram ao navio ver e cumprimentar os viajantes. Os índios "usavam o cabelo cortado na frente à maneira de coroa de frade e comprido atrás, aparado em torno do pescoço como entre nós as pessoas que usam cabeleira" — narra o cronista francês — E prossegue: "Todos tinham o lábio inferior furado ou fendido e cada qual trazia no beiço uma pedra verde polida, como que engastada, do tamanho de uma moeda e podia ser tirada ou colocada como bem entendiam". Referindo-se à índia, observou que ela não tinha o lábio perfurado e sim as orelhas, de tal modo que era possível atravessá-las com os dedos, nelas portando enfeites de osso que lhe caíam sobre os ombros.

Quando os sete aborígenes se fartaram de visitar o navio e resolveram regressar à praia, foram presenteados com camisas, facas, anzóis, espelhos e outras mercadorias. Imediatamente, se vestiram com as peças de roupas e, a fim de protegê-las, ao sentarem-se, no escaler, os índios as arregaçaram até ao umbigo. Comenta o cronista que "agiram como honestos cavalheiros e embaixadores corteses", contrariando o provérbio de que "a carne é mais cara do que a roupa".

No outro dia, um domingo, o navio levantava âncora e costeando o litoral, após nove ou dez léguas, passava em frente ao forte ESPIRITO SANTO, chamado pelos índios de MOAB e que mais tarde tomou os nomes de PIRATININGA ou SÃO FRANCISCO XAVIER DA BARRA.

É, ainda, o tupinólogo Plínio Ayrosa quem afirma ser e termo difícil de explicar, parecendo-lhe que poderá provir de MBOÃ = POÁR, prender, agarrar, etc. e, daí MOÁBA ou poába, lugar de prender, presídio, fortaleza, etc. E cita a explicação do termo encontrada por Varnhagen, o qual diz que "o bárbaro da terra começou a denominá-la MBOÁB, como designando o sítio habitado pelos EMBOABAS".

Conhecemos também uma outra tentativa de definição: os moradores da vila do Espírito Santo (Vila Velha) procuravam proteger as suas canelas dos mosquitos e usavam borzeguins que lhes subiam até os joelhos. Ganharam, por isso, o apelido de CANELAS-VERDES, termo que o índio poderia traduzir por MBOÁB.

Quando o GRANDE ROBERGE no qual viajava Jean de Lèry foi reconhecido pelo fortim ESPIRITO SANTO, este procurou alvejá-lo com três disparos de canhão, aos quais o navio respondeu da mesma maneira, passando ao largo.

"Costeando sempre a terra — prossegue o cronista — Passamos pelo lugar denominado TAPEMIRY, onde se encontram pequenas ilhas na entrada da terra firme e que me pareceram habitadas por selvagens aliados dos franceses".

É fácil caracterizar o equívoco de Lèry quanto às ilhotas dos OVOS e TAPUTERA, situadas na foz do rio Itapemirim: elas são tão pequenas que não poderiam ser habitadas pelos selvagens. 

 

Fonte: Viajantes Estrangeiros no Espírito Santo, 1971
Autor: Levy Rocha
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2016



GALERIA:

📷
📷


Curiosidades

Hitler vigiava alemães no Estado

Hitler vigiava alemães no Estado

Ditador da Alemanha enviou pesquisadores à região serrana para verificar se os colonos tinham perdido a "pureza racial"

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Viajantes Estrangeiros ao ES – Outros insignes estrangeiros

Não obstante, seria grande a relação dos estrangeiros ilustres que se detiveram no porto de Vitória

Ver Artigo
Viajantes Estrangeiros ao ES – Charles Frederick Hartt

Desceram o rio Itabapoana e pararam no porto de Limeira. Pela praia, seguiram até Vitória, tendo feito importantes coleções nas águas do Itapemirim e em Guarapari

Ver Artigo
Viajantes Estrangeiros ao ES – Jean-Jacques de Tschudi

"No dia seguinte, a comitiva regressou a Vitória, onde o presidente Sousa Carvalho já havia providenciado uma canoa grande e cinco remadores, escravos, para subirem o curso caudaloso do rio Santa Maria, até a colônia de Santa Leopoldina"...

Ver Artigo
Viajantes Estrangeiros ao ES – João Théodore Descourtilz

Existe uma edição em português da "Ornitologia Brasileira ou História Natural das Aves do Brasil", lançada pela Kosmos, em 1944

Ver Artigo
Viajantes Estrangeiros ao ES – Auguste François Biard

Na relação dos principais viajantes estrangeiros ilustres que estiveram em nosso país, no segundo meado do século dezenove, sem muito destaque, inclui-se o nome do pintor francês — Auguste François Biard

Ver Artigo
Viajantes Estrangeiros no ES - Auguste de Saint-Hilaire

Augustin François César Prouvencial, segundo o nome de batismo, ou Auguste de Saint-Hilaire,

Ver Artigo
Viajantes Estrangeiros ao ES – Wied, Freyreiss e Sellow

Pouco antes de iniciarem excursão pelas províncias do Rio de Janeiro, Espírito Santo e Bahia, chegou à Corte, em meados de junho de 1815, Maximiliano Alexandre Philipp, Prinz von Wied-Neuwied

Ver Artigo
Viajantes Estrangeiros ao ES – Moritz Rugendas

Permanece a curiosidade em identificar os desenhos que Moritz Rugendas executou no Espírito Santo

Ver Artigo
Viajantes Estrangeiros ao ES – Luiz Dalincourt

O Governo Central nomeou Luiz Dalincourt, então Sargento-Mor do Corpo de Engenheiros, para servir ao Espírito Santo

Ver Artigo
Viajantes Estrangeiros ao ES – Barão de Humboldt

Basilio Daemon refere-se à possível passagem do Barão de Humboldt, no ano de 1800, pelo Espírito Santo

Ver Artigo