Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Vida nova com o cais

Cais de Capuaba - Autor: Carlos Botelho

A implantação do cais de Atalaia e Paul, e a construção da Rodovia Carlos Lindemberg, impulsionaram o crescimento de Vila Velha nas décadas de 40 e 60. Os cais surgiram estimulados pela intensificação da exportação de minério de ferro, principalmente a partir da formação institucional da Companhia Vale do Rio Doce em 1942. Com isso, verificou-se queda no transporte de cargas em geral e de passageiros, provocando o quase abandono da Estação Pedro Nolasco.

As obras do cais do Morro do Atalaia foram iniciadas em 1941 pela empresa que antecedeu a CVRD, chamada Companhia Brasileira de Mineração e Siderurgia, em conjunto com o governo estadual. Naquela época, o minério era embarcado pelo cais de Atalaia.

Com a criação da CVRD, o ritmo das obras foi intensificado em função das novas metas de exportação de minério de ferro. O cais de Atalaia foi inaugurado em 1950. Tinha uma correia transportadora do minério do silo ao porão do navio, além de um depósito para armazenar 90 mil toneladas, quantidade que abastecia nove navios.

A necessidade de outro cais – o de Paul – decorreu de uma mudança na demanda internacional de minério de ferro. Inaugurado em 1959, o cais de Paul visava a atender a exportação de “finos” por parte da CVRD, o que também requereu a instalação de equipamentos mecanizados para o embarque deste tipo específico de minério de ferro.

Passado meio século, Vila Velha recuperava a possibilidade tão desejada de ter movimento portuário e expandir suas atividades terciárias. Só que os cais passaram a ser encarados como simples diversificações do porto de Vitória. Com a inauguração do Porto de Tubarão, os cais de Atalaia e Paul foram redefinidos. De qualquer forma, as atividades portuárias do continente fizeram de Argolas e Paul um novo sub-centro de comércio e serviços. Surgiram também indústrias de material ferroviário, de material elétrico e comunicação, de minerais não metálicos, químicas, entre outros.

A partir de meados da década de 70 foi construído o Porto de Capuaba como terminal do Corredor de Transportes Centro-Leste, voltado para atender à exportação de grãos da região do cerrado. As primeiras exportações de grãos foram realizadas em 1984.

 

Fonte: A Gazeta - 26 setembro de 1994
Compilação: Walter de Aguiar Filho, fevereiro/2015 



GALERIA:

📷
📷


Portos do ES

Anchieta, o descobridor do minério de ferro no Brasil

Anchieta, o descobridor do minério de ferro no Brasil

Por estranho e incomum que possa parecer, foi o apóstolo José de Anchieta quem descobriu  pela primeira vez no Brasil, o minério de ferro, no Estado de São Paulo

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A queda do Porto de São Mateus – Por Fernando Schwab Firme

Projetos não são problemas e sim a definição de sua utilidade e sua elaboração em resposta a uma demanda efetiva

Ver Artigo
Do Espírito Santo para o mundo

O Cais de Minério guarda muitas histórias, a começar pelas designações que possui. Alguns o chamam Cais do Atalaia

Ver Artigo
O que é o Fundap?

O Fundo é um sistema peculiar de incentivos ao desenvolvimento do Estado. Não se trata de um incentivo fiscal, porque não há bonificação, redução ou favor

Ver Artigo
Corredor Centro-Leste e os indutores do desenvolvimento

O sucesso do CTCL é a disposição da Companhia Vale do Rio Doce de abrir a Estrada de Ferro Vitória a Minas a outras mercadorias que não sejam apenas o minério de ferro

Ver Artigo
Uma porta para o mar: a globalização e o comércio exterior

Os Portos Capixabas representam cerca de 35% do Produto Interno Bruto do Brasil. São eles: O Porto de Vitória, o de Tubarão, o de Praia Mole, o de Ubu, o de Barra do Riacho e o de Regência

Ver Artigo