Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Vieira da Cunha – Por Levy Rocha

No cenáculo literário capixaba, três poetas se confundem com o mesmo sobrenome de Vieira da Cunha.

Não me deterei no contemporâneo Dr. Ciro, espírito-santense adotivo, autor de "Espera Inútil" e poesias várias, que começou como médico e jornalista no Castelo, foi professor, por muito tempo, em Vitória e tendo-se fixado, por último, no Rio de Janeiro, não desprezou as colunas dos nossos jornais.

Pela ordem cronológica, lembrarei o Dr. Belisário, poeta que escrevia com o pseudónimo de Phídias. Veio ele para o nosso Estado ainda moço e aqui clinicou até a idade de 72 anos, quando faleceu, deixando uma centena de poesias esparsas. Foi poeta de pulso. Na fazenda Prosperidade, município de Cachoeiro, reunia uma plêiade de intelectuais cujos ouvidos fazia vibrar, com os acordes da sua afinada lira, pontificando os poetas cachoeirenses, hoje quase soterrados nos jornais velhos, que a traça e o descaso tomaram a incumbência de fazer desaparecer: João Mota, Mário Imperial e Benjamim Silva.

Na dita fazenda, era feito o panfleto lítero-político "Martelo". Tive em minhas mãos um exemplar desse jornal, emprestado para figurar numa exposição, em Vitória. O Livreiro Luiz Semprini alentou-me com a promessa do presente de alguns números, bem perdidos no entremeio das suas gavetas de papéis.

Não sei que processo empregava Antônio Belisário Vieira da Cunha (filho do Dr. João Belisário), ao imprimir tal panfleto, todo por ele desenhado. Com gesso, cera ou parafina, o certo é que conseguia exemplares nítidos, nas cores roxa e azul, do papel carbono. As suas "charges" assinadas: A. Vieira, ou V. da Cunha, evidenciavam um traço seguro e irônico, de caricaturista capaz de brilhar nos centros mais cultos.

O livro do Prof. Domingos Ubaldo, mandado imprimir pelo prefeito Francisco Alves de Athayde, reproduz uma caricatura que é excelente prova de qualidade: "o maior côco da Bahia". Tão expressiva que Herman Lima a selecionou para figurar na capa do álbum de caricaturas de Ruy Barbosa, editado pelo Ministério da Educação. Em página fronteira ao "côco" do Ruy, o Prof. Domingos publicou o retrato do autor, intercalado no texto de um trecho da introdução de um discurso que ele havia pronunciado no Centro Espírito-Santense, em cujas primeiras palavras declarava a sua naturalidade capixaba. Faltava acrescentar que era filho das plagas itabirenses.

Procuro, quase em vão, em nossos livros e revistas, a trajetória do conterrâneo, que foi firmar-se no jornalismo carioca, colaborando no matutino "A Nação" e movimentando as oficinas tipográficas: Vieira da Cunha & Cia., na rua da Alfândega, 182, onde editou, com Caio de Melo Franco e o desenhista Correia Dias, a revista "Apoio", de arte, literatura, crítica e ciências.

Era a continuação do ideal forjado pelo grupo da fazenda Prosperidade, que a 8 de setembro de 1910 imprimiu, em Cachoeiro, o 1º número de "Álbum", revista literária bimensal, "modelada — segundo observação de Atílio Vivacqua no gênero de "Les Decadents", cujos exemplares o culto capixaba Bernardo Horta remetia religiosamente da Metrópole".

Dir-se-ia que o pujante grupo representativo dos nossos maiores poetas firmara um propósito de não se perpetuar em livros, propósito só quebrado por Benjamim Silva, sob a força e decisão dos amigos, responsáveis pela edição do "Escada da Vida."

Quão singular e estranho me parece o destino que me fez chegar às mãos o exemplar desse livro, com a dedicatória: "A Vieira da Cunha, velho amigo e companheiro de infância, com um abraço do Benjamim". Acaso idêntico levou-me a outro livreiro, onde consegui adquirir seis números, creio mesmo que a coleção completa, da revista "Álbum", espólio do falecido Vieira da Cunha...

Pondo à parte o egoísmo, copiei a conferência "Terra Natal", que João Mota pronunciou na Prefeitura de Cachoeiro, a 7 de setembro de 1910, estampando-a em três números de "Álbum", e a fiz publicar na Revista do Instituto Histórico e Geográfico Espírito Santense.

Algumas poesias de João Mota, do Dr. Belisário, de Narciso Araújo e, inclusive, o soneto "Sonhos em Revoada", uma das primeiras produções de Benjamim Silva, dão a constante da revista, escrita pelos maiores incentivadores das musas cachoeirenses.

 

Fonte: Crônicas de Cachoeiro, 1966
Autor: Levy Rocha
Compilação: Walter de Aguiar Filho, junho/2016

 

Especiais

Onde morava o Primeiro Donatário?

Onde morava o Primeiro Donatário?

Na Pedra das Caiçaras, onde hoje está localizado o Clube Libanês, na Praia da Costa, no final dos anos 60 ainda havia vestígios da residência

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Comunicações e Transportes - Os dias antigos

O zeppelin teve uma forte fixação no imaginário popular, servindo sua foto sobre o Convento da Penha de capa à revista Chanaan de abril de 1936

Ver Artigo
O Caminhão na Curva

No dia 1º de março de 1966, o avião pousou em Vitória “em meio à comoção coletiva do grande número de pessoas e autoridades que desde as 11 horas aguardavam o momento de tributar as suas últimas homenagens ao parlamentar”

Ver Artigo
Vila Velha depois de Vasco

Dona Luzia Grinalda, nora de Vasco Coutinho, era casada com Vasco Coutinho Filho. Ao falecer o “velho” Coutinho, herda o governo seu filho bastardo Vasco Fernandes Coutinho Filho

Ver Artigo
Vasco Coutinho veio na certa!

Quando Vasco Fernandes Coutinho, o primeiro donatário do ES, recebeu a doação do Rei D. João III em 1534, o local para onde viria já era conhecido

Ver Artigo
Hermógenes Fonseca, cidadão universal

Hermógenes pugnou incansavelmente para, pelo seu próprio exemplo, difundir uma saudável crítica ética que buscava discernir entre o verdadeiro e o falso, buscando sedimentos eficazes para que pudéssemos compreender a sua máxima de que a vida pode ser vivida com paz e alegria

Ver Artigo