Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Vila Velha depois de Vasco

Prainha - Vila Velha, ES

Dona Luzia Grinalda, nora de Vasco Coutinho, era casada com Vasco Coutinho Filho.

Ao falecer o “velho” Coutinho, herda o governo seu filho bastardo Vasco Fernandes Coutinho Filho, na falta de filho legítimo aqui na Capitania do Espírito Santo.

Por sua vez, esse ao falecer em 1588, deixa o governo da Capitania para sua mulher Dona Luiza Grinalda, com quem não teve filhos.

Dona Luzia Grinalda governou por 4 anos a capitania, por volta de 1589 até 1593 quando soube que em Portugal um parente do “velho” Vasco Fernandes Coutinho, um tal de Francisco Aguiar Coutinho conseguiu na justiça ser reconhecido como herdeiro da capitania. Então Dona Luiza Grinalda em 1593 renuncia o governo da capitania a passa-o para o Capitão-Mor Miguel de Azeredo, que fica no cargo até 1605, já que Francisco Aguiar Coutinho custou a mandar representante para tomar posse da capitania. Dona Luiza Grinalda volta para Portugal e vai ser freira no Convento do Paraíso em Évora e viveu mais de 85 anos de idade.

Miguel de Azeredo regressou com a família para Portugal em 1620 e faleceu pouco depois em Évora, abraçado numa estampa do Padre Anchieta (já falecido desde 1597).

O que foi fazer em Évora o Miguel de Azeredo? Fora atrás da viúva Luiza Grinalda e então já freira? Por que a coincidência?

 

Por: Roberto B. Abreu, membro da Casa da Memória de Vila Velha, escrito em 23/05/2006
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2012 

Especiais

Açorianidade Capixaba

Açorianidade Capixaba

O escritor açoriano Vitorino Nemésio (1901-1978), por ocasião do V Centenário do Descobrimento dos Açores (1932), instituiu o termo “Açorianidade” para conceituar a força e a autenticidade do povo açoriano

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Luísa Grinalda, a primeira Governadora

Em 1589, com a morte do donatário Vasco Fernandes Coutinho Filho, sucedeu-lhe no Governo da Capitania sua viúva, Dona Luísa Grinalda. O casal não tinha filhos para seguir a linha de sucessão. Dessa maneira, uma mulher herdou o posto e nomeou seu adjunto o Capitão Miguel Azeredo...

Ver Artigo
Um encontro com Luísa Grinalda

Fui a Évora visitar o Convento de Nossa Senhora do Paraíso, para onde se retirou a primeira governadora em terras do Brasil, Dona Luísa Grinalda, logo após ter deixado a direção da Capitania do Espírito Santo

Ver Artigo
Luiza Grinalda

Luiza Grinalda foi viúva de Vasco Fernandes Coutinho Filho, e por conta disso é homenageada com nome de rua que começa na Prainha de Vila Velha, ladeando o morro do Convento e vai até a atual Av. Champagnat

Ver Artigo
Carta de doação do Convento da Penha

A Governadora Luiza Grimaldi e seu Adjunto, Miguel de Azeredo, e oficiais da Vila da Vitória, e assim os da Câmara desta Vila do Espírito Santo da dita Capitania que este ano de noventa e hum servimos, etc. Fazem saber...

Ver Artigo
O Testamento de Vasco Fernandes Coutinho – Filho

O testamento confirma o ano de 1573 como o início do governo de Vasco Fernandes Coutinho (filho) e não a data tradicionalmente apontada, 1563, pela historiografia capixaba

Ver Artigo
O fim da polêmica

Na história do Espírito Santo, um dos vultos mais emblemáticos conjuga-se na personalidade de Luíza Grinalda. Nascida cerca de 1541 e falecida após 1626, foi casada com o filho bastardo, perfilado, do primeiro donatário da Capitania: Vasco Fernandes Coutinho (VIº) Filho. 

Ver Artigo
Luiza Grinaldi?

D. Luiza "Grinaldi", a governadora, firmou a doação da Penha ao franciscano Baltazar Lisboa. D. Luiza "Grinaldi" era filha de Pedro Alves ou Álvares Correia e de Catarina "Grinaldi"

Ver Artigo