Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Vitória em 1936 - Por Renato Pacheco

Centro de Vitória

O chique era andar de bonde Circular à tarde. Em frente à Assembleia o bondinho virava os bancos e ia para o Parque Moscoso. Nos fundos da Casa Verde (Armarinhos, tecidos & miudezas) eu apanhava pequenos caranguejos que guardava numa caixa de fósforo. Íamos à Praia de Santa Helena, casa de uma tia, e quando voltávamos, à noite, na reta do Constantino, o bonde fingia ser um túnel de luz em meio à escuridão; dos mangues de Bento Ferrira voavam maruins e um chiclete ficou preso no bolso de meu capote.

Na Feira de IV Centenário da Colonização meu pai expunha Sal do Mossoró, e dava-o, ao visitante, em pequenos saquinhos carimbados. "Seu" Campos Pinha mostrava os últimos avanços dos anúncios de gpás neon e dizia entusiasmado: - "No Rio há uma garrafa de água Caxambu que enche um copo de luz e sonho!"

José Horta Aguirre era o melhor aluno de D. Izaltina Paolielo, e na escola do Filgueiras Dona Nenzinha dava reguadas nos relapsos. Argentina, minha tia, me ensinou a ler e escrever e eu ingressei no mundo maravilhoso da palavra impressa.

Navios davam notícias do mundo e as velhas casas da rua Duque de Caxias e General Osório abrigavam prostitutas. No Parque Moscoso moravam as famílias ricas. No Morro Moscoso moravam as famílias pobres. Na Pedra da Cotia havia fios de alta tensão e uma caveira na lata avisava:
- PERIGO!

"Seu" Antônio Jacob da Libanesa vendia tecidos. Comprávamos cadernos e lápis na Tipografia Gentil e remédios na Farmácia Popular. Os secos e molhados no armazém do "Seu" João Pinheiro, que pegou fogo. As cervejas Teotônia e o vinho Único vinham do Bar e Café Estrela. As bananas e a fezinha no bicho eram feitas na QUitanda de "Seu" Alípio.

No Carnaval fantasiaram-se de Conquistadores de Corações e fiquei furioso quando me passaram rouge e batom. A enchente trouxe, da Fonte Grande, penicos e troncos de bananeiras e um gato morto. Rogério, meu irmão, conhecia todo o Morro e todas as jaqueiras e um dia desceu da casa da Nana com a língua pendurada. Comíamos Torta Capixaba, na Semana Santa, e Muxá nas tardes de domingo.

Meu pai me levava às regatas e torcia para o Álvares Cabral. Secretamente éramos saldanhistas. Natal, as invejas recíprocas se espalhavam pela Rua Sete, e os brinquedos alemães de pilha - carrinhos, orquestras, e até um palhaço que virava cambalhotas - ganhavam a liça. Minha mãe fazia borados matizados que encantavam a vizinhança e relembrava o pai dela. Dr. José Horácio Costa, magistrado, abolicionista e republicano, que morreu tão cedo. Vitória sem ônibus e com poucos carros, respirávamos a brisa pura do mar e não sabíamos.

À noite, os cães ladravam para os lados da piedade e em minhas insônias de menino tremia de medo, e tremo ainda na saudade maior daquela pequenina Vitória de 1936, eu menino de 8 anos.

 

Autor: Renato Pacheco. Nascido em Vitória, 1928. Magistrado e professor aposentado. Autor, entre outros livros, de A oferta e o Altar e Cantos de Fernão Ferreiro.
Livro: Escritos de Vitória. 1 - Crônicas, 1993
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2014 

Literatura e Crônicas

Newton Braga e Ribeiro Couto - Por Levy Rocha

Newton Braga e Ribeiro Couto - Por Levy Rocha

O passamento de Ribeiro Couto, em Paris, três anos atrás, avivou-me a lembrança de outro poeta, da mesma escola penumbrista, o nosso Newton Braga

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Os points da Praia da Costa

Sua origem em nossas praias se deu com veemência na Praia de Copacabana. Os postos viraram “points”. Logo, essa tendência se espalhou pelas praias brasileiras

Ver Artigo
D. Josefa - Por Beatriz Abaurre

D. Josefa imperava em toda a sua imponência no casarão misterioso que permanecia quieto e silencioso sem chamar a atenção e não ser da garotada curiosa e das fofoqueiras que, através das persianas das casas fronteiriças, vigiavam sorrateiras o entra-e-sai de “pessoas ilustres” e cheias de dignidade

Ver Artigo
Sobre Paulo Torre, uma semana depois de sua morte

Nosso último encontro foi na quarta-feira, dia 11 de outubro de 1995, seis dias antes de sua morte, um dia depois da de Amylton de Almeida, que o abalou muito

Ver Artigo
Identidade Capixaba, o efeito mosaico – Por Gilbert Chaudanne

Essa identidade consiste em juntar as pastilhas do mosaico capixaba e fundi-las num espelho que vai refletir um rosto único e imensamente rico e diverso

Ver Artigo
Nós os capixabas – Por Francisco Aurélio Ribeiro

Se temos um linguajar próprio? Ditongamos muito, daí os "bandeija, carangueijo" do nosso dialeto; já ouvi até menino gritar "A Gazeita!!"

Ver Artigo