Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Vitória em 1936 - Por Renato Pacheco

Centro de Vitória

O chique era andar de bonde Circular à tarde. Em frente à Assembleia o bondinho virava os bancos e ia para o Parque Moscoso. Nos fundos da Casa Verde (Armarinhos, tecidos & miudezas) eu apanhava pequenos caranguejos que guardava numa caixa de fósforo. Íamos à Praia de Santa Helena, casa de uma tia, e quando voltávamos, à noite, na reta do Constantino, o bonde fingia ser um túnel de luz em meio à escuridão; dos mangues de Bento Ferrira voavam maruins e um chiclete ficou preso no bolso de meu capote.

Na Feira de IV Centenário da Colonização meu pai expunha Sal do Mossoró, e dava-o, ao visitante, em pequenos saquinhos carimbados. "Seu" Campos Pinha mostrava os últimos avanços dos anúncios de gpás neon e dizia entusiasmado: - "No Rio há uma garrafa de água Caxambu que enche um copo de luz e sonho!"

José Horta Aguirre era o melhor aluno de D. Izaltina Paolielo, e na escola do Filgueiras Dona Nenzinha dava reguadas nos relapsos. Argentina, minha tia, me ensinou a ler e escrever e eu ingressei no mundo maravilhoso da palavra impressa.

Navios davam notícias do mundo e as velhas casas da rua Duque de Caxias e General Osório abrigavam prostitutas. No Parque Moscoso moravam as famílias ricas. No Morro Moscoso moravam as famílias pobres. Na Pedra da Cotia havia fios de alta tensão e uma caveira na lata avisava:
- PERIGO!

"Seu" Antônio Jacob da Libanesa vendia tecidos. Comprávamos cadernos e lápis na Tipografia Gentil e remédios na Farmácia Popular. Os secos e molhados no armazém do "Seu" João Pinheiro, que pegou fogo. As cervejas Teotônia e o vinho Único vinham do Bar e Café Estrela. As bananas e a fezinha no bicho eram feitas na QUitanda de "Seu" Alípio.

No Carnaval fantasiaram-se de Conquistadores de Corações e fiquei furioso quando me passaram rouge e batom. A enchente trouxe, da Fonte Grande, penicos e troncos de bananeiras e um gato morto. Rogério, meu irmão, conhecia todo o Morro e todas as jaqueiras e um dia desceu da casa da Nana com a língua pendurada. Comíamos Torta Capixaba, na Semana Santa, e Muxá nas tardes de domingo.

Meu pai me levava às regatas e torcia para o Álvares Cabral. Secretamente éramos saldanhistas. Natal, as invejas recíprocas se espalhavam pela Rua Sete, e os brinquedos alemães de pilha - carrinhos, orquestras, e até um palhaço que virava cambalhotas - ganhavam a liça. Minha mãe fazia borados matizados que encantavam a vizinhança e relembrava o pai dela. Dr. José Horácio Costa, magistrado, abolicionista e republicano, que morreu tão cedo. Vitória sem ônibus e com poucos carros, respirávamos a brisa pura do mar e não sabíamos.

À noite, os cães ladravam para os lados da piedade e em minhas insônias de menino tremia de medo, e tremo ainda na saudade maior daquela pequenina Vitória de 1936, eu menino de 8 anos.

 

Autor: Renato Pacheco. Nascido em Vitória, 1928. Magistrado e professor aposentado. Autor, entre outros livros, de A oferta e o Altar e Cantos de Fernão Ferreiro.
Livro: Escritos de Vitória. 1 - Crônicas, 1993
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2014 

Literatura e Crônicas

Cemitério dos Escravos - Por Francisco Aurélio Ribeiro

Cemitério dos Escravos - Por Francisco Aurélio Ribeiro

Distante dos túmulos suntuosos dos patrões, o cemitério é marcado por um quadrado formado por quatro gigantescos cáctus, a marcar a paisagem com a memória de aridez e sofrimento por que passaram seus antigos moradores

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Paradise Bar Island Blues

Pois este é o êxtase: os milagres de ver, de ouvir, de tatear, de cheirar, de gustar de você, excelência, leitora vil, avessa do zero até onde é o mil! 

Ver Artigo
O Marrocos

Acabo de saber - mas que castigo, que acaba de fechar meu velho bar!

Ver Artigo
Bares, doces bares amargos da juventude - Por Milson Henriques

O Britz Bar  ficou famoso por estar localizado perto das redações de todos os jornais e logicamente freqüentado pelos jornalistas que viam o sol nascer em suas cadeiras

Ver Artigo
O Bar do David - Por Miguel Depes Tallon

Ao longo dos anos, o Bar do David foi se especializando em frutos do mar e peixe, com o melhor caranguejo 

Ver Artigo
Bares? Eu hein, nem pensar! - Por Marilena Vellozo Soneghet Bergmann

Para as colegiais de recatadas saias (quatro dedos abaixo dos joelhos), os bares eram um lugar cheio de proibições e ambivalências. Tinham algo de sombra e mistério, sedução e... fumaça

Ver Artigo