Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Vitória - Por Francisco Aurélio Ribeiro

Capa do Livro - Espírito Santo de A a Z - Autor: Francisco Aurélio Ribeiro, 2010

Capital do Estado do Espírito Santo desde 1551, quando passou a ser a Vila Nova do Espírito Santo, em oposição à Vila Velha fundada por Vasco Fernandes Coutinho, em 1535. Situada na ilha de mesmo nome, antes chamada de Ilha de Duarte de Lemos e Ilha de Santo Antônio. Seu nome é uma homenagem a Nossa Senhora da Vitória, cuja data é comemorada em oito de setembro. Vitória foi uma pacata vila de pescadores, pequenos comerciantes, soldados de seus vários fortes e de religiosos, durante 400 anos, daí ser conhecida pelos viajantes e por seus moradores como “cidade presépio”. Só no século XX, com a construção do porto para a exportação de café, principalmente, e mais tarde, a presença da CVRD e do minério de ferro vindo das Minas Gerais, culminando com a construção do porto de Tubarão, Vitória perdeu a cara de cidade presépio cantada por Adolfo Fraga, Haydée Nicolussi, Areobaldo Lelis Horta, Elmo Elton, Geraldo Costa Alves e tantos outros poetas do passado.

Em 1980, o prefeito Carlos Lindenberg decretou como hino oficial de Vitória a canção de Carlos Cruz, Almeida Rego e Maestro Carioca, que tem a seguinte letra: “Vitória, Da Vila Nova antiga / Hoje o pregresso tem vida / No porto que é Tubarão. / Vitória das vitórias / A terra feliz onde eu nasci, / Tem no Penedo bravura / E doçura em Camburi. / Vitória / Minha querida Vitória / És a cidade presépio / Orgulho do meu coração!” Parece que foi essa a última tentativa de consagração do epíteto “Cidade Presépio” a Vitória. Extra-oficialmente, consagrou-se a canção “Cidade Sol”, de Pedro Caetano, como o hino afetivo ou emocional de Vitória e, a partir daí, não mais se referiram à nossa bela capital como “Cidade presépio” mas, sim como “Cidade sol”. Eis o que diz a letra, de fácil memorização: “Cidade Sol, com o céu sempre azul / Tu és um sonho de luz norte a sul / Meu coração te namora e te quer / Tu és Vitória um sorriso de mulher / Do Espírito Santo, ás a devoção / Mas para os olhos do mundo. És uma tentação / Milhões te adoram, e sem favor algum / Entre os milhões, eis aqui mais um”.

Com mais de trezentos mil habitantes e, apesar dos congestionamentos e da poluição ambiental, Vitória é uma bela cidade, uma das mais harmoniosas capitais do Brasil, principalmente se a vimos do alto da terceira ponte ou do campinho do Convento da Penha. Vitória lembra Salvador e o Rio de Janeiro, mas delas se diferencia, pois tudo aqui é mais contido, menos exuberante, como o próprio capixaba e sua alma, um misto de beija-flor e panela de barro, como a cantou uma de suas poetas recentes, Elisa Lucinda.

 

Fonte: Espírito Santo de A a Z, 2010
Autor: Francisco Aurélio Ribeiro
Compilação: Walter de Aguiar Filho, setembro/2013

Parabéns, Vitória (desde 8 de setembro de 1551)

Vitória-ES (Ação Declaratória) - Por Roberto Mazzini

Vitória-ES (Ação Declaratória) - Por Roberto Mazzini

Passei por ti, em caminho para o Convento, nos meus sete anos de idade mas dessa vez não te vi. Ou melhor, vi só o cais das barcas na praça Oito, ao lado da Alfândega, e o obelisco da Colonização equilibrado sobre quatro esferas de aço

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Quando a vi presépio – Por Elizabeth Martins

Também a vi presépio, Vitória, nas faces conhecidas no transitar cotidiano por suas ruas

Ver Artigo
Nossa Senhora da Penha – Vitória, 4º Centenário de fundação

Projetou-se um programa festivo de trinta dias, estendido portanto a todo o mês de Setembro de 1951

Ver Artigo
Outras versões da origem do nome Vitória

A origem do nome Vitória é assunto sobre o qual não são unânimes as opiniões dos historiadores. Na opinião de Basílio Daemon, citada por Luiz Serafim Derenzi, “houve uma batalha com os índios. Sobre estes foi conseguida a vitória e, por essa motivo, deu-se o nome de Vitória à nova sede do governo”.

Ver Artigo
A Vila de Vitória surge - Por Serafim Derenzi

As guerrilhas com os tapuias tornam-se cada vez mais assustadoras e mortíferas. Duarte de Lemos deixou a ilha praticamente abandonada

Ver Artigo
Inovação na Vida Urbana de Vitória no início do Século XX

Os Serviços de Melhoramentos introduziram certas normas técnicas, que marcaram diretrizes novas em Vitória

Ver Artigo