Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Vôo Livre no Moreno

Edson Quintaes de asa delta sobrevoando o Morro do Moreno, Vila Velha - ES

Minha vida ficou mais próxima do Morro do Moreno quando eu me mudei para o Parque das Castanheiras em 1976. Eu já vinha treinando voar em um pequeno avião do Aeroclube de Vila Velha, mas eu queria mesmo era voar LIVRE DE MOTORES, já conhecia pessoas que voavam em asas deltas.

Bem, um dia cruzando na estrada entre Guarapari e Vila Velha com um antigo colega meu, trazia ele uma asa delta em cima do carro. Como eu tinha um rádio cidadão, fiz pela janela do carro o sinal para ele ir para o canal 01 e aí começou a minha vida de voador de asa delta. Era o meu amigo do aeroclub e que tinha ido ao Rio tomar umas lições de vôo livre, estava voltando para Vitória e iria dar aulas de vôo, seu nome Fragoso.

Tive posteriormente umas duas aulas somente e daí pra frente fui sozinho tentando aprender a voar vendo os outros. Comprei minha primeira asa (diga-se de passagem um "azão" 200 pés . . .mas também eu naquela época com 45 anos pesava nada mais nada menos que 101 quilinhos ! ! !) do Miguel D´Orea (acho que o pai dele deve ter ficado contente do filho ter vendido a asa para mim. . . o pai do Miguel é o nosso jornalista Helio Dorea).

Bem, sei que em dois meses emagreci 18 quilos nos treinos e voei após alguns meses de treino e sem instrutor (que não aconselho), mas voei.

O primeiro vôo no Morro do Moreno foi muito emocionante. Pousei na nossa linda Praia da Costa, pouso tranquilo, fui para o antigo calçadão desmontar a asa e aquele mundo de gente fazendo um monte de perguntas que respondia sempre a todos.

Os pioneiros da Asa Delta no Espírito Santo que eu saiba foram: Luiz Fragoso (instrutor), Morris (da CVRD), Gueven (da Brasperola), Guigui, Toniato, "Magrelo" João Maciel e por ai vai uma lista de uns 40 voadores mais ou menos.

Dos pioneiros sei de um fato que é bom lembrar segundo me contaram. . . Dois colegas, logo no início do vôo livre no estado, pousaram aqui no interior onde tinha acabado de ser realizado um culto religioso, quando viram os nosso dois colegas pousando, FORAM LÁ REZAR, POIS ELES TINHAM VINDO DOS CÉUS ! ! ! ! Pode ? Pode sim, pois em outros estados aconteceram coisas piores como cairem de foice em cima da asa dizendo que o voador ia soltar bombas atômicas em cima das fazendas deles, já em outro caso, um cidadão bêbado passou perto da asa de um outro colega, o Saimoton e tocou fogo na asa dele, etc etc.

São centenas de fatos interessantes, mas o vôo no Morro do Moreno que mais gosto de fazer é À NOITE, muito mais seguro (não há urubú voando), gostoso pela brisa, no pouso a praia deserta, etc, etc. E o mais emocionante é passar por cima da Terceira Ponte, olhar para baixo, ver os carros transitando e você pensa ..." bem, hoje não vou pagar o danado do pedágio ! ! ! e pousar lá próximo da Ilha do Frade.

Finalizando, seria bom que alguém passasse uma máquina novamente na estrada pois no momento não está dando para subir. Eu como antigo frequentador da bela vista que todos têm lá de cima do Morro do Moreno, me sinto amarrado aqui pois até com carro tracionado nas 4 rodas está muito difícil.

Agradeço ao meu grande amigo Gui, por ter deixado na época, um espaço para que nós voadores pudéssemos montar nossas asas. Foi um grande passo para o vôo livre no Morro do Moreno. Obrigado Gui.

Agradecemos antecipadamente quem fizer esta obra.

E.T. Aos 45 anos de idade, troquei meus teclados (era músico tecladista-organista) por uma barra de trapézio (da Asa Delta). V A L E U ! ! !

 

Por: Edson Quintaes



GALERIA:

📷
📷


Aventura

Na rota dos tesouros

Na rota dos tesouros

Navios afundados e riquezas soterradas despertam interesse de aventureiros no ES

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Na rota dos tesouros

Navios afundados e riquezas soterradas despertam interesse de aventureiros no ES

Ver Artigo
O Caboclo Bernardo (Parte I) - Por Rubem Braga (1949)

Parece que não tinha nenhum sangue europeu; era apenas um índio, com seu nome cristão de Bernardo José dos Santos

Ver Artigo
O Caboclo Bernardo (Parte II) - Por Rubem Braga (1949)

Aos 55 anos de idade foi assassinado a tiros de garrucha por um outro caboclo chamado Lionel, que estava cheio de cachaça

Ver Artigo
Um amor que vai durar (e durou) para sempre

Fugindo da ditadura Militar, em 64, ele foi obrigado a permanecer na cidade porque o dinheiro acabou antes da hora

Ver Artigo
Descida do Rio Jucu - 2007

No ano em que o mundo desperta para os problemas do aquecimento global, a Descida Ecológica do Rio Jucu, em sua 18º edição, mais uma vez chama nossa atenção

Ver Artigo