Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Aribiri

Rio Aribiri, foto aérea

A denominação Aribiri vem do rio do mesmo nome. O rio, que é um braço de mar, tem sua foz perto do Penedo, na baía de Vitória. Ali existe um grande manguezal.

A palavra Aribiri vem da língua tupi. Para uns ela quer dizer barata pequena, devido à grande quantidade de baratinhas existentes nas pedras do rio. Para outros, significa sardinha, ou ainda peixe pequeno, que se encontravam nas águas do rio.

Aribiri começou a ser um bairro residencial graças aos bondes. Era principalmente de bonde que os seus moradores iam para Vila Velha ou para Paul, de onde passavam a Vitória.

Quando os bondes acabaram, a estrada de rodagem se tornou o principal meio de ligação entre Aribiri e as outras partes de Vila Velha. Ônibus e outros veículos motorizados passaram a ser usados pelos moradores do bairro. A estrada Jerônimo Monteiro e a avenida Carlos Lindenberg adquiriram importância crescente para Aribiri.

O bairro transformou-se. Entre a foz do rio Aribiri e o morro do Penedo foi construído um terminal portuário. Através dele importam-se e exportam-se vários produtos. Em seu cais atracam navios com até 250 metros de comprimento.

Nessa região localizam-se também o parque ecológico Espera-Maré ou parque Morro da Mantegueira.

Fonte: Vila Velha: Nosso Município
Autores: Luiz Guilherme Santos Neves/ Léa Brígida Rocha de Alvarenga Rosa/ Renato José Costa Pacheco
Vitória – 2003

LINKS RELACIONADOS:

>> Bairros da Grande Vitória
>>
 
Bonde



GALERIA:

📷
📷


Bairros e Ruas

Triângulo da Fumaça – Por José Carlos Mattedi

Triângulo da Fumaça – Por José Carlos Mattedi

O apelido do local vem da fumaça provocada pelas churrasqueiras, fornecidas pelos donos de bar aos clientes que, invariavelmente, compram dos açougues vizinhos a carne para assar, numa perfeita comunhão do comércio praiano

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Poema-passeio com Elmo Elton - Por Adilson Vilaça

“Logradouros antigos de Vitória” sempre me impressionou. Mais de década depois, eu faria a segunda edição desta obra pela Coleção José Costa, dedicada à memória e história da cidade, e que foi por mim criada na década de 90

Ver Artigo
Escadaria Maria Ortiz

Ao tentar alcançar a parte alta da vila, subindo estreita rampa, conhecida como ladeira do Pelourinho, os corsários foram surpreendidos pela jovem Maria Ortiz

Ver Artigo
Bairro Glória – Por Edward Athayde D’Alcântara

O Bairro Glória era conhecido como “A Fábrica” por ter ali recebido a transferência da fábrica de bombons Garoto

Ver Artigo
Rua Nestor Gomes (ex-ladeira do Chafariz)

No governo de Florentino Avidos, a área foi urbanizada, pondo-se abaixo todos os casarões antigos ali existentes 

Ver Artigo
IBES 70 ANOS

O Ibes já foi um projeto mais ambicioso, em número de unidades projetadas, prevendo espaços para equipamentos comunitários, o primeiro desse estilo no Estado

Ver Artigo