Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Cerração (Poesia) - Convento da Penha

Convento da Penha, 1912

CERRAÇÃO

I

 

Um dia esplendoroso. O sol quente, escaldante

Suave azul do céu. O esmeraldino mar

Oscula, brandamente, a praia. Singular

Beleza e alacridade em torno... Mas, distante...

 

Forte esquadrilha avança — ousada e arrogante!

Um vento fresco vem as ondas encrespar,

Enquanto um nevoeiro, imenso, a se espalhar,

Encobre o litoral da terra exuberante.

 

Terror... Manobra à ré! Após, claro o horizonte,

Impetuosa volta. Então no mar, no monte,

O denso nevoeiro, novamente, cai...

 

Flotilha ao largo... É grande, enorme, a cerração

Que se interpondo, sempre, impede-lhe a visão...

Um bom terral a impele e... velozmente, sai...

 

CERRAÇÃO

II

 

Retorna, após ires dias, o estrangeiro. Brilha,

Refulge o louro sol. Esplendido o momento

De entrar na cobiçada e linda terra. O vento

É favorável, bom... e o mar, sereno. A ilha

 

É bela! É primorosa! Eterna maravilha!

Em frente à barra um monte — aonde tinha assento

Da Penha a capelinha — origem do Convento...

E o inimigo está, pertinho... a meia milha!

 

Medonha escuridão estende-se... Acordado

O mar, pelo tufão, alteia-se enraivado

E vai rumo à flotilha, dispersada agora!

 

Lampeja ao norte, ao sul... e o trovão ribomba!

 Em cone, nuvem plúmbea — semelhando tromba

Descendo vem... Oh! Santa! Oh! Virgem Mãe! Senhora!

 

CERRAÇÃO

III

 

Assim clamava o povo, aflito, angustiado.

Rugia o mar revolto! O vento sibilava.

Das nuvens, em zig-zag, o raio se arrojava

Sobre o virente e áureo ipê, eletrizado !

 

Horrísono trovão!... Seu eco, prolongado...

Se faz ouvir da furna. A chuva ameaçava

O plaino verde, imenso... o plaino que ondulava

Ultrapassando o rio majestoso e ousado.

 

Mas, dentro em pouco, o sol iluminou a terra

Reanimando tudo o que esta vida encerra

De precioso e bom. Transforma-se o cenário.

 

A Virgem — Mãe da Penha, é nossa protetora!

E vela sobre nós, fiel co-Redentora!

Conforme quis Jesus, na Cruz, sobre o Calvário!...

 

Fonte: Lendas e Milagres no Estado do Espírito Santo (Poesias 1551-1950) – Prêmio Cidade da Vitória, 1951
Autora: Orminda Escobar Gomes
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2021

Convento da Penha

 Fonte para a história do Convento da Penha e de Frei Pedro Palácios

Fonte para a história do Convento da Penha e de Frei Pedro Palácios

Crônica da Província Franciscana da Arrábida, que tem sua sede na serra portuguesa de mesmo nome, na península de Setúbal, ao sul de Lisboa

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

O Convento da Penha – Por Maria Stella de Novaes

Peregrino, contempla o augusto monumento  da terra capixaba. Ali, vive a rezar, em hosanas de glória, ou rudez do tormento, o coração de um povo!

Ver Artigo
Visão dos Holandeses (Poesia) - Por Orminda Escobar Gomes

De além se divisava a linda capelinha, /Erguida sobre a rocha. Esplêndida moldura /O céu azul turquesa... Excêntrica, a estrutura /Do monte-matagal a florescer... Na linha

Ver Artigo
Radiosa - Por Orminda Escobar Gomes

Vitória, és joia rara! /Realças entre as demais! /Teus campos e tuas praias, /Tão lindas, não têm rivais!

Ver Artigo
Cerração (Poesia) - Convento da Penha

Um dia esplendoroso. O sol quente, escaldante / Suave azul do céu. O esmeraldino mar / Oscula, brandamente, a praia. Singular / Beleza e alacridade em torno... Mas, distante...

Ver Artigo
Terremoto em Vitória e em Vila Velha (Poesia) - Por Orminda Escobar Gomes

Agosto. Quase findo, o seu primeiro dia. / Dezoito século... Sim!... Sessenta e sete ou nove?! / Das lides descansando, a gente adormecia...

Ver Artigo