Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Correntes Imigratórias no ES

Augusto Ruschi

1) Portugueses. I- Os Rodrigues. II- Os Guimarães. III- Os Monteiros. IV- Os Monjardins. V- Os Coutinhos. VI- Os Moreiras. VII- Os Carvalhos. VIII- Os Castelos. IX- Os Oliveira Santos. X- Os Santos Neves.

 

2) Espanhóis. 1 Os Aguirres. II- Os Guardias. III- Os Loyolas. IV Os Toledos. V- Os Quintais. VI -Os Hortas. VII- Os Lobatos. VIII- Os Ataídes. IX 0s Espinolas. X- Os Trinxets.

 

3) Franceses. 1- Os Dessaunnes. II - Os Thevenards. III-Os Arnizauts. IV- Os Tardins. V - Os Bodarts, VI- Os Jaccouds, VII -Os Jouffroids. VIII- Os Adnetes. IX­-Os Benezats. X- Os Calmons.

 

4) Italianos. I-Os Vivacquas, II- Os Prettis. III Os Nicolettis. IV- Os Zanottis. V- Os Derenzis. VI – Os Paganis. VII- Os Ruschis. VIII-Os Sarlos. IX- Os Avancinis. X- Os Bruzzis.

 

5) Belgas. I- Os Vervloets. II- Os Abaurres. III - Os Provedels. IV- Os Ewalds. V- Os Frassons. VI - Os Dahers. VIII- Os Farads. IX Os Gerhards. X- Os Lotares.

 

6) Alemães. I- Os Müllers. II- Os Hoffmans. III Os Lindenbergs. IV Os Schult­zs. V- Os Schilgens. VI Os Simmers. VII- Os Kills. VIII Os Kurtis. IX- Os Hirches. X- Os Kieffers.

 

7) Austríacos. I- Os Holzmeisters. II- Os Kautzkys. III -Os Schuartzs. IV- Os Schneiders. V- Os Resens. VI- Os Weltens. VII- Os Schwambachs. VIII - Os Bruskers. IX- Os Holtzs. X- Os Bucks.

 

8) Sírios-libaneses. I- Os Hellals e Hillals. II Os Buazes. III- Os Mansurs. IV- Os Nascifs. V- Os Neffas. VI Os Saads. VII- Os Murads. VIII- Os Naders. IX Os Bachourds. X- Os Kafuris.

 

9) Tchecos. I- Os Scartons. II- Os Burians. III Sepulchris. IV- Os Silpreskis. V- Os Sperandios. VI - Os Lutzhis. VII- Os Zagos. VIII- Os Chequera. IX- Os Daroys. X- Os Wrucks.

 

10) Russos. I- Os Tikhomiroffs. II- Os Glicks. III Os Massads, IV Os Rodniskis. V- Os Zehis, VI Os Taufikes. VII- Os Keijoks. VIII- Os Tabacks. IX- Os Cibulaks. X- Os Zahars.

 

Fontes de estudos: “Colonização alemã no Espirito Santo”. Jean Roche. S. Paulo. 1968. “Colonizzazioni italiani nello Estato di Espirito Santo”. Bolettino dell’emigrazzione. N. 7 Roma. 1967. “Síntese da História da Imigração no Brasil”. Fernando L. B. Bastos. Rio. 1970. “Sírios e Libaneses. Clark S. Knowlton. São Pau­lo. 1960. Boletim do Serviço de Imigração. Ministério da Justiça. Anos 1821, 1835, 1837, 1860. “Influência da imigração branca no Espirito Santo”. Arquimino Martins de Mattos. Vitória. 1930.

 

Academia Espírito-Santense de Letras

Ester Abreu Vieira de Oliveira (Presidente)

João Gualberto Vasconcellos (1° Vice-Presidente)

Álvaro José Silva (1° Secretário)

Marcos Tavares (1° Tesoureiro)

Secretaria Municipal de Cultura - Prefeitura de Vitória

Lorenzo Pazolini (Prefeito Municipal)

Estéfane da Silva Franca Ferreira (Vice-Prefeita)

Luciano Pícoli Gagno (Secretário Municipal de Cultura)

Elizete Terezinha Caser Rocha (Coordenadora da Biblioteca Municipal Adelpho Poli Monjardim)

Conselho Editorial

Adilson Vilaça

Álvaro José Silva

Ester Abreu Vieira de Oliveira

Elizete Terezinha Caser Rocha

Fernando Achiamé

Francisco Aurelio Ribeiro

Getúlio Marcos Pereira Neves

Organização e Revisão

Francisco Aurelio Ribeiro

Capa e Editoração

Douglas Ramalho

Impressão

Gráfica Espírito Santo

Imagens

Arquivos Pessoais

 

Fonte: O Estado do Espírito Santo e os Espírito-santenses - Dados, Fatos e Curiosidades (os 10 mais...) - 4° Edição (Reedição da 3ª ed. de 1971)
Autor: Eurípedes Queiroz do Valle
Compilação: Walter de Aguiar Filho, Junho/2022

 

 

Imigração no ES

Imigrantes criaram no ES biotipo especial

Imigrantes criaram no ES biotipo especial

A intensidade da mistura racial capixaba resultou num biotipo diferente da população predominantemente branca e loura existente nas regiões de colonização européia no Sul do País

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Correntes Imigratórias no ES

As 10 nacionalidades com as 10 Famílias mais destacadas  

Ver Artigo
A trajetória do migrante libanês no Espírito Santo - Por Mintaha Alcuri Campos

O mascate libanês esteve presente em todo o território capixaba.Muitos deles chegaram a tornar-se grandes comerciantes, industriais e empresários

Ver Artigo
A imigração chegou em Iconha em 1877

Outro fato que merece destaque, é que não vieram para Iconha somente imigrantes portugueses e italianos, os africanos também estiveram nessa região

Ver Artigo
Imigrantes Italianos – Venda Nova dos Imigrantes

A classe operária não tinha perspectivas de melhoria se continuasse a viver na Itália. Sabe-se que diversas famílias que colonizaram Venda Nova (Falqueto, Caliman e Zandonadi). A vinda para a América os fascinava.

Ver Artigo
Colonização Polonesa no ES

Com a construção da ponte sobre o Rio Doce, em Colatina, uma das soluções encontradas pelo Governo Estadual foi fomentar a imigração para povoar aquela região

Ver Artigo