Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Cruz do Campo – Por Edward Athayde D’Alcântara

Construção de ponte na Luciano das Neves, após a entrada da UVV

Começava logo no final da Rua Luciano das Neves e início da estrada para a Barra do Jucu (Rua Francelina Setúbal) e atravessava o pontilhão do Córrego Corre Água (Canal Bigossi)

O córrego de águas límpidas e doce, fundo de areia branca, era local da pesca dos jundiás, morobás, carás e camarões. Nele tomávamos banho e às vezes, em carona no caminhão de Antônio Firme, íamos ajudá-lo na sua lavagem.

Historicamente, aí iniciava a primeira estrada utilizada pelos visitantes que chegavam a Vila Velha; era uma estrada seguindo pelo interior, dentro de uma vegetação baixa de restinga que ia dar no Morro de Boa Vista. Começava na área de Gil Bernardes e seguia atravessando os terrenos do Sítio Apicum do Poço, dos irmãos Adolfino e Ormandino, do Seu Rosa, até atravessar a nascente do Córrego de Apicum do Poço no terreno de Boa Vista do senhor Argêo, atravessando-o e chegando a fazenda Guaranhuns. Contornando o areial de Guaranhuns, seguia para Itapuera ou tomava o caminho para a ponte do Rio Jucu. Ainda hoje encontramos aqui e acolá trechos abertos desse caminho.

A fazenda Guaranhuns pertencia a família de Albertino Carvalho e foi vendida ao Doutor Armando de Oliveira Santos, que a reloteou e a povoou.

Contavam na época que em alguns trechos alagados da fazenda foram despejados barris de querosene para dar impressão de que havia alguma jazida de petróleo. Ao adquirir o terreno, o Dr. Oliveira Santos executou uma imensa plantação de coqueiros da Bahia, na parte alta, motivo pelo qual o lugar é atualmente conhecido como Coqueiral de Itaparica por ser Itaparica o nome da praia do local.

Com a Intervenção do Estado no Governo Vargas o Interventor João Punaro Bley concedeu ao senhor Gil Bernardes a empreitada para a construção da estrada ligando a Barra do Jucu a Vila Velha.

 

 

Fonte: Memória do Menino...e de sua Velha Vila, 2014
Autor: Edward Athayde D’Alcântara
Produção: Casa da Memória de Vila Velha
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2020
Foto: Construção da ponte sobre o Rio da Costa na Rua Luciano das Neves, após a entrada da UVV

 



Vila Velha

O Porquê do livro - Memória do Menino... e de sua Vila Velha

O Porquê do livro - Memória do Menino... e de sua Vila Velha

Desde cedo me interessei por história. No primário, nosso querido professor Ernani Souza, diretor do Grupo Escolar Vasco Coutinho

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Praia da Costa – Por Seu Dedê

Na primeira curva da Praia, após a rebentação, havia a casa do doutor Dório Silva conhecida de todos como a Casa Branca

Ver Artigo
Antônio Francisco Athayde – Por Seu Dedê

Doutor Antônio Francisco de Athayde foi prefeito de Vila Velha no período de 1918 a 1921

Ver Artigo
Vila Velha, a Cidade, sua História – Por Seu Dedê

O geólogo canadense Charles Frederick Hart, visitou Vila Velha no ano de 1865

Ver Artigo
A enchente de 1960 em Vila Velha – Por Edward Athayde D’Alcântara

Ponte da Barra do Jucu – Na foto o momento que antecedeu a sua destruição quando a ponte foi levada pelas águas da enchente de 1960

Ver Artigo
Curiosidades de Vila Velha

Na pesca com a maré cheia, os peixes principais eram as tainhas e os robalos. Além disso, nas marés baixas, o rio era rico em caranguejos, guaiamuns, aratus, canivetes, siriobas, rerietês, berbigão e siris

Ver Artigo