Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Mapa constando o Morro do Moreno no século XVI

Carta-planta da Baía do Espírito Santo e suas proximidades com a referência Monte do Moreno ( Códice do Século XVII da Biblioteca da Ajuda)

Quando o historiador José Teixeira de Oliveira (que, por sinal, não é capixaba nem nunca foi radicado no Estado), publicou a sua preciosa “História do Estado do Espírito Santo”, houve por bem fazer, para ilustração da capa do volumoso compêndio e da folha de rosto, um aproveitamento do motivo cartográfico de um trecho do litoral da Capitania: a Baía de Vitória.

Trata-se do “Roteiro de todos os sinais na costa Brasil”, autoria atribuída a Luís Teixeira (século XVI), manuscrito pertencente à Biblioteca da Ajuda, Portugal.

O Instituto Nacional do Livro, do Ministério da Educação, ao comemorar o V centenário de nascimento do descobridor do Brasil (1968), lançou uma edição fac-similar, desse códice quinhentista.

É pena que a impressão não reproduzisse, também, as cores do origianal, com os delineamentos em azuis e esverdeados que eram considerados constantes características nos manuscritos do suposto autor. Mas a edição ganhou com os comentários do historiador Max Justo Guedes, o qual considera o “Roteiro” como uma das mais notáveis obras da cartografia portuguesa dos tempos coloniais, relativas ao nosso país, e o classifica como o 1º roteiro conhecido das costas brasileiras, uma vez que outros, antecessores, são, até hoje, dados como perdidos.

Das 13 cartas insertas no códice, interessam-nos, particulamente o fólio 12 r – Carta-planta da Baía do Espírito Santo e suas proximidades, 120 x157mm; o texto para orientação dos navegadores, que antecipa e que envolve a cartografia, bem como a transcrição e os comentários da edição.

O histriador e Capitão de Fragata, Max Justo Guedes está convencido que o documento, tanto na parte do roteiro quanto na parte de cartografia, é fruto de observações diretas e de levantamentos hidrográficos. Assinala o conhecimento dos ventos e o terror aos Abrolhos  que levava os navegantes das caravelas a extrema cautela no bordejar a costa, procurando o largo, orientando-se pelas cumieiras dos montes. Deixavam às menores embarcações, os caravelões, navios mais toscos, de uma só coberta, que demandavam de seis a sete palmos d’água, a prática de arranharem a costa.

Na opinião do mesmo historiador, a carta-planta da Baía do Espírito Santo e suas proximidades “peca pelo traçado da baía e colocação de suas ihas”, tornando dificultadas as identificações. Ele julga este “um dos maiores traçados do cartógrafo” mas acha “excepcionalmente bom” o traçado da costa brasileira, bem como a arrumação em latitudes dos principais acidentes geográficos, muito pouco discrepantes das latitudes reais. Acredita que a primeira utilização das informações geográficas do “Roteiro” foi feita por Gabriel Soares de Souza, o autor do “Tratado Descritivo do Brasil”, cujos originais manuscritos em português teriam sido consumidos num incêndio, por ocasião do terremoto de Lisboa, restando, porém , 2º apógrafos.

Se imaginarmos o quanto são escassos os documentos quinhentistas da nossa História, aquilataremos melhor a importância da divulgação do  “Roteiro de todos os sinais, conhecimentos, baixos, alturas e derrotas que há na costa do Brasil desde Cabo Santo Agostinho até o estreito de Fernão Magalhães” (ms. 51-IV-38 da Biblioteca da Ajuda) e parabenizaremos, ainda que um pouco fora de data, o lançamento do Instituto Nacioanl do Livro.

 

Fonte: De Vasco Coutinho aos Contemporâneos, 1977
Autor: Levy Rocha
Compilação: Walter de Aguiar Filho,outubro/2011



GALERIA:

📷
📷


História do ES

Abolição da escravatura no ES

Abolição da escravatura no ES

A elite intelectual deu o melhor de seu entusiasmo à campanha redentora. Assim é que foram grandes propagandistas

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Juízes de direito na Província do Espírito Santo

Reunimos, pois, sob a forma de uma sinopse, aquilo que pode demonstrar à evidência a província do Espírito Santo, baseando assim em documentos e em trabalhos de própria lavra e que aqui descrevemos

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
O Espírito Santo na 1ª História do Brasil

Pero de Magalhães de Gândavo, autor da 1ª História do Brasil, em português, impressa em Lisboa, no ano de 1576

Ver Artigo
Dia do Capixabismo – Por Francisco Aurélio Ribeiro

O dia de hoje deveria ser feriado estadual e não apenas municipal. O capixaba tem baixa auto-estima e pouco sabe de sua história e de sua cultura

Ver Artigo
Mês da Colonização do Solo Espírito-Santense

O site Morro do Moreno irá publicar matérias especiais sobre a Colonização do Solo Espírito Santense, comemorado em 23 de maio

Ver Artigo