Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Mercados e Feiras

Mercado São Sebastião

APRESENTAÇÃO DO LIVRO ESCRITOS DE VITÓRIA - MERCADOS E FEIRAS

Entreposto de vida nas cidades. Os mercados e feiras fazem a ligação, do campo para a cidade, do pão nosso de cada dia. É onde a cidade vai buscar o seu alimento.

É bem verdade que a freqüência nesses mercados de fontes de vida já não é a mesma dos dias passados. Mas, apesar de quilões e supermercados, as feiras e os mercados têm seu espaço garantido em Vitória. Pois, além da função vital de garantir o alimento, eles nutrem o imaginário cultural da cidade. É onde a cidade se encontra. É onde todos se igualam pela necessidade do alimento. Muito da história de Vitória cunhou-se entre os cheiros, os gritos, as bancas e os estreitos caminhos de feiras e mercados.

Os mercados de Vitória são o da Vila Rubim, construído em 1928; o de São Sebastião, em Jucutuquara, fundado em 1950; o da Capixaba, erguido em 1926; e o Hortomercado, na Praia do Suá. Atualmente, as feiras são 14.

O mercado de São Sebastião, em Jucutuquara, recentemente reformado pela Prefeitura de Vitória, é o único sob a administração do município. Construído em 1949 e inaugurado no ano seguinte, esse mercado é ponto tradicional da cidade. Para mim ele é especial. Ele foi fonte de alimento e de muitas emoções durante minha infância. Quando criança, eu e meu pai, Paulo, fazíamos compras lá. O mercado de São Sebastião deu boas-vindas marcantes ao garoto recém chegado do interior.

Dos mercados de Vitória, um já não vende peixes, frutas, verduras, secos e molhados. O Mercado da Capixaba foi desativado há quase 30 anos, processo iniciado com a construção de novos galpões do mercado da Vila Rubim, no final dos anos 60. Antes de o prédio do mercado da Capixaba ter sido tombado em 1983, os peixes, as frutas e verduras já haviam dividido o espaço com a Rádio Espírito Santo, a Feares (atual Deares) e a Junta do Serviço Militar.

Atualmente, o prédio está sendo recuperado pela Prefeitura de Vitória para sediar a Secretaria Municipal de Cultura e Turismo e uma galeria de arte. Com as obras de restauração do mercado, iniciadas em maio de 1995, serão restabelecidas as característica ecléticas do prédio que tinha o mar a lhe banhar as costas. As ondas foram afastadas eternamente pelo aterro e pelo asfalto, mas o prédio que ocupa uma quadra entre as avenidas Jerônimo Monteiro e Princesa Izabel e as ruas Araribóia e Desembargador D`Reilly voltará a emanar vida com a restauração.

O Mercado da Vila Rubim, que ainda continua vendendo alimentos para a vida, é o que mais marcou e ainda marca a cidade, seja pelo seu vigor, seja pela sua tragédia, seja pela realidade que transita nas suas ruas e vielas.

A história do mercado da Vila Rubim, pode ser dividida em três etapas: o início, na década de 20; o meio, com a construção dos novos galpões, no final dos anos 60; e a transição, com o incêndio, em 1994. Digo transição, pois a tragédia que tanto marcou a cidade não significou o fim, sim, a necessidade de se buscar novos caminhos.

O Mercado da Vila Rubim foi aberto em 1928. Ele se localizava originalmente, entre as avenidas Marcos de Azevedo e Pedro Nolasco, onde hoje encontra-se uma praça de bancas de frutas e verduras. O prédio original do mercado tinha administração e aproximadamente 20 mercadorias na parte alta, que dava frente para a Marcos de Azevedo. Na parte baixa, do lado da Pedro Nolasco, instalaram-se açougues e bancas de hortigranjeiros.

Como a expansão do comercio na região foi intensa, criou-se, no final da avenida Pedro Nolasco, um aglomerado de aproximadamente 40 biroscas para a venda de peixei, frutas, verduras e legumes. Pela desorganização e violência do local, apelidou-se aquela área de comércio de Coréia. Corriam os anos 50.

Já na década de 60, quando o espaço da avenida Alexandre Buaiz ainda era mar, começaram os aterros, visando ao atendimento da demanda de espaço por parte de comerciantes da grande Vitória e Região Serrana. No final dos anos 60, foram construídos os três galpões do mercado.

O poder dos explosivos marcou uma nova fase do mercado da Vila Rubim, com as explosões e o incêndio em 1º de julho de 1994. A força comercial e cultural do mercado – que, para muitos foi simbolizada pela resistência da imagem de Iemanjá que parecia flutuar no mar de chamas do incêndio – sobreviveu e nos levará e uma nova fase do comércio na Vila Rubim.

Prefeitura, associação de comerciantes, governo do Estado, entre outros, estão empenhados em reestruturar o mercado, tornando-o compatível com as necessidades de nossa população e com a tradição cultural da cidade. Ao reerguermos o mercado, não podemos esquecer os erros do passado e, muito menos, as nossas tradições. A prefeitura já assinou convênio com o governo do Estado visando ao repasse de verbas para a reconstrução e está disposta a assumir e administração do novo mercado.

As feiras em Vitória também colecionam uma rica história. A feira de Gurigica, a primeira da cidade, nasceu pelas mãos dos comunistas do Partidão, no início dos anos 40. Conta-nos seu Clementino Dalmácio Santiago, um dos criadores da feira e morador antigo do bairro, que a feira de Gurigica foi montada como alternativa à carestia e à distância que exigia dois bondes para as compras no Mercado da Vila Rubim.

Dona Judite, já falecida, então esposa de seu Clementino, e seu movimento de mulheres, a equipe da Folha Capixaba e demais membros do Partidão mobilizaram a instalação da feira. De início, eram 12 bancas feitas com madeira dos caixotes de mercadorias das lojas de Vitória. Apesar de ser rotulada como obra de comunista, conta seu Clementino, a feira teve apoio do então prefeito Américo Poli Monjardim. Seu Clementino, orgulhoso, sempre comenta: “A feira de Gurigica é a mãe das feiras”.

Assim como o Mercado de São Sebastião, a feira de Gurigica também marcou a minha vida. Quando mudei-me para Vitória, nos anos 60, fui morar na rua Bruno Becacici, em Nazareth. Íamos às compras na feira de Gurigica.

Atualmente, a cidade conta com 14 feiras que atendem a todas as regiões de Vitória, da Grande São Pedro à Praia do Canto. De terça a domingo, 1.122 feirantes montam suas bancas, das cinco da manhã ao meio dia.

As emoções, as visões, os cheiros e o cotidiano desse particular mundo das feiras e mercados estão expostos nas páginas a seguir. É um livro que, como as feiras e os mercados, tem muita vida a oferecer. Viva as feiras e os mercados.

Fonte: Escritos de Vitória – Uma publicação da Secretaria de Cultura e Turismo da Prefeitura Municipal de Vitória, ES – 1995.
AUTOR: Paulo Hartung - Prefeito Municipal de Vitória - 1995.

LINKS RELACIONADOS:

>> O incêndio no mercado da Vila Rubim
>> Mercado de Jucutuquara  
>> Mercados de Vitória
>>
 
Mercado da Vila Rubim

Matérias Especiais

Proclamação da República

Proclamação da República

Embora as idéias republicanas já fossem agitadas no Brasil desde o período colonial sua propaganda ganhou força com a fundação do Partido Republicano, após a Convenção Republicana de Itu, 1870

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Recordações do Arraiá

Festa antonina (Santo Antônio) realizada no dia 13 de junho de 1937, em Aribiri (Vila Velha), na chácara onde residia o Dr. Armando Azevedo, aqui nos versos tratado como "cumpade".

Ver Artigo
Todos na Festa Junina!

Confira a transcrição de matéria publicada no jornal A Gazeta em 27 de junho de 1961, sobre a festa do dia 17 de junho de 1961: Festa Junina no Ginásio "São José"

Ver Artigo
A Polícia Militar na Historiografia Capixaba - Por Gabriel Bittencourt

A Policia Militar jamais suscitou tanta evidência, seja na imprensa ou no seio da comunidade cultural, como neste ano em que comemora 150 anos de existência

Ver Artigo
A Consolidação do Processo da Independência no ES

O Norte da Província: uma região estratégica

Ver Artigo
Festejos de Natal: Reis

O Reis foi introduzido em Vila Velha pelo Padre Antunes de Sequeira. Filho de Vitória, onde nascera a 3 de fevereiro de 1832

Ver Artigo