Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Minha posição revolucionária – Por Eurico Rezende

Capa do livro: Memórias – Eurico Rezende – Senado Federal, 1988

Desde os primeiros preparativos, tive participação efetiva no esquema pró-Revolução.

Passo a resumir minha colaboração, ditada por dever patriótico indiscutível.

Em dezembro de 1963, o Governador Magalhães Pinto, de Minas Gerais, me telefonou, solicitando meu comparecimento a Belo Horizonte, a fim de trocarmos idéias sobre a reestruturação de nosso partido, a UDN.

Atendi, de imediato, à convocação.

Como se verá, outro seria o assunto da agenda.

No Palácio da Liberdade, após o jantar, o ilustre homem público — um dos melhores que minha geração conheceu e admira — falou-me sobre a situação nacional e da necessidade urgente de uma solução. Disse-me dos esforços de sua persuasão junto ao Presidente João Goulart para que alterasse os preocupantes rumos de seu governo, intensamente exacerbados pela atuação subversiva do Deputado Leonel Brizola. A Nação caminhava para conseqüências perigosas, envolvendo a deterioração de nossas instituições democráticas. A pregação de uma "República Sindicalista", a formação das "Ligas Camponesas", a insuflação constante às greves, a exploração demagógica em torno das "reformas de base", os indícios cada vez mais ostensivos da influência de Cuba no corrente processo de subversão, a indisciplina já evidente nos quartéis, a desorientação reinante em nossa economia, impedindo os investimentos e, conseqüentemente, alargando as faixas de empobrecimento da classe média, e outras ocorrências motivavam a inquietação de meu interlocutor. Esperava-se uma mudança decomportamento do Governo Federal no sentido de conter aqueles fatores antinacionais. Mas, àquela altura, o Governador Magalhães Pinto chegara à conclusão de que o Presidente João Goulart ou estava inteiramente destituído de autoridade para conduzir os negócios do Estado, ou mesmo em atitude de conivência com os líderes e promotores da desordem. Em qualquer destas duas hipóteses, era mister a reação contra aquele penoso estado de coisas.

Confidenciou-me, então, que estava mantendo contatos para empreender uma revolução, com mecanismos de eficiência, porém, capazes de evitar uma guerra civil.

Para esse objetivo, julgava indispensável a colaboração do Estado do Espírito Santo, principalmente por dois motivos:

a) no caso de a tropa insurrecional ter necessidade de ultrapassar a linha fronteiriça Minas — Espírito Santo, tal fato poderia ser interpretado como invasão do território capixaba, tendo em vista a sesquicentenária questão de limites que tanto afligia os dois Estados, na época;

b) o movimento revolucionário poderia durar tempo considerável, pois era previsível a resistência do Governador Miguel Arraes, de Pernambuco; neste caso, o porto de Vitória desempenharia papel relevante no esquema, considerando-se sua estratégica localização, além de sua conexão com a estrada de ferro da Companhia Vale do Rio Doce.

Qual seria a resposta do Governador do Espírito Santo, Dr. Francisco Lacerda de Aguiar, se recebesse um pedido para cooperar?

Respondi ao Dr. Magalhães Pinto que o Dr. Chiquinho, na condição de abastado fazendeiro, certamente estava atemorizado com a tentativa de cubanização do Brasil. Mas, na qualidade de político, chefiando um Estado pobre, dependente do auxílio da União, talvez não se manifestassefavoravelmente, assim com antecedência. Todavia, se sondado e não dando adesão, garantiria o sigilo.

Pediu-me então o Governador que eu conversasse com o seu colega capixaba.

Aceitei a missão.

Discuti o problema com Dr. Chiquinho e encontrei da parte dele, a princípio, uma reação cautelosa e, por fim, completa receptividade.

Os dois Governadores se encontraram e o compromisso da desejada colaboração espírito-santense foi assumido ("DCN" —Seção II — 15-6-72, pág. 1438).

 

Fonte: Memórias – Eurico Rezende – Senado Federal, 1988
Compilação: Walter de Aguiar Filho, maio/2018

Personalidades Capixabas

A Sala Centro de Artes da UFES - Por Gracinha Neves

A Sala Centro de Artes da UFES - Por Gracinha Neves

Quinze homens da entidade, viabilizaram a chegada do piano de cauda da Escola Villa Lobos para a Sala Centro de Artes

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Roland Feiertag

Fez o curso primário no Grupo Escolar Nestor Gomes e o 2º Ciclo na Escola Normal João Bley, ambos em Castelo

Ver Artigo
Biografia de dona Domingas - Prefácio Padre Roberto

Apresentação do livro de Estêvão Zizzi sobre a biografia de dona Domingas feita pelo Padre Roberto

Ver Artigo
Judith Castelo Ribeiro

Eram treze irmãos. Todos vieram do interior e ficaram numa casa de sobrado, na extinta Rua José Marcelino

Ver Artigo
A Importância da Mulher na História de Espírito Santo

A História revela que a mulher, sempre foi discriminada em todas as épocas e o seu papel na sociedade nem sempre foi considerado preponderante e fundamental

Ver Artigo
Augusto Ruschi

Na natureza tudo e todos são interdependentes; assim, a sobrevivência de todas as espécies, inclusive o homem, só pode ser conseguida através do entendimento desta interdependência

Ver Artigo