Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Minha posição revolucionária – Por Eurico Rezende

Capa do livro: Memórias – Eurico Rezende – Senado Federal, 1988

Desde os primeiros preparativos, tive participação efetiva no esquema pró-Revolução.

Passo a resumir minha colaboração, ditada por dever patriótico indiscutível.

Em dezembro de 1963, o Governador Magalhães Pinto, de Minas Gerais, me telefonou, solicitando meu comparecimento a Belo Horizonte, a fim de trocarmos idéias sobre a reestruturação de nosso partido, a UDN.

Atendi, de imediato, à convocação.

Como se verá, outro seria o assunto da agenda.

No Palácio da Liberdade, após o jantar, o ilustre homem público — um dos melhores que minha geração conheceu e admira — falou-me sobre a situação nacional e da necessidade urgente de uma solução. Disse-me dos esforços de sua persuasão junto ao Presidente João Goulart para que alterasse os preocupantes rumos de seu governo, intensamente exacerbados pela atuação subversiva do Deputado Leonel Brizola. A Nação caminhava para conseqüências perigosas, envolvendo a deterioração de nossas instituições democráticas. A pregação de uma "República Sindicalista", a formação das "Ligas Camponesas", a insuflação constante às greves, a exploração demagógica em torno das "reformas de base", os indícios cada vez mais ostensivos da influência de Cuba no corrente processo de subversão, a indisciplina já evidente nos quartéis, a desorientação reinante em nossa economia, impedindo os investimentos e, conseqüentemente, alargando as faixas de empobrecimento da classe média, e outras ocorrências motivavam a inquietação de meu interlocutor. Esperava-se uma mudança decomportamento do Governo Federal no sentido de conter aqueles fatores antinacionais. Mas, àquela altura, o Governador Magalhães Pinto chegara à conclusão de que o Presidente João Goulart ou estava inteiramente destituído de autoridade para conduzir os negócios do Estado, ou mesmo em atitude de conivência com os líderes e promotores da desordem. Em qualquer destas duas hipóteses, era mister a reação contra aquele penoso estado de coisas.

Confidenciou-me, então, que estava mantendo contatos para empreender uma revolução, com mecanismos de eficiência, porém, capazes de evitar uma guerra civil.

Para esse objetivo, julgava indispensável a colaboração do Estado do Espírito Santo, principalmente por dois motivos:

a) no caso de a tropa insurrecional ter necessidade de ultrapassar a linha fronteiriça Minas — Espírito Santo, tal fato poderia ser interpretado como invasão do território capixaba, tendo em vista a sesquicentenária questão de limites que tanto afligia os dois Estados, na época;

b) o movimento revolucionário poderia durar tempo considerável, pois era previsível a resistência do Governador Miguel Arraes, de Pernambuco; neste caso, o porto de Vitória desempenharia papel relevante no esquema, considerando-se sua estratégica localização, além de sua conexão com a estrada de ferro da Companhia Vale do Rio Doce.

Qual seria a resposta do Governador do Espírito Santo, Dr. Francisco Lacerda de Aguiar, se recebesse um pedido para cooperar?

Respondi ao Dr. Magalhães Pinto que o Dr. Chiquinho, na condição de abastado fazendeiro, certamente estava atemorizado com a tentativa de cubanização do Brasil. Mas, na qualidade de político, chefiando um Estado pobre, dependente do auxílio da União, talvez não se manifestassefavoravelmente, assim com antecedência. Todavia, se sondado e não dando adesão, garantiria o sigilo.

Pediu-me então o Governador que eu conversasse com o seu colega capixaba.

Aceitei a missão.

Discuti o problema com Dr. Chiquinho e encontrei da parte dele, a princípio, uma reação cautelosa e, por fim, completa receptividade.

Os dois Governadores se encontraram e o compromisso da desejada colaboração espírito-santense foi assumido ("DCN" —Seção II — 15-6-72, pág. 1438).

 

Fonte: Memórias – Eurico Rezende – Senado Federal, 1988
Compilação: Walter de Aguiar Filho, maio/2018

Personalidades Capixabas

IVAN REIS, talento capixaba

IVAN REIS, talento capixaba

Em 2011, com apoio da Lei Rubem Braga, Ivan lançou seu novo CD, intitulado por Ivan Reis 50 Anos de Música, com suas canções interpretadas por grandes nomes da MPB, dentre eles, Nenéo, Guto Neves, Lula D`Vitória, Gracielle D`Ferraz, Carlos Papel, Carlos Bona, Jobim e Ivan Reis.

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A Importância da Mulher na História de Espírito Santo

A História revela que a mulher, sempre foi discriminada em todas as épocas e o seu papel na sociedade nem sempre foi considerado preponderante e fundamental

Ver Artigo
Augusto Ruschi

Na natureza tudo e todos são interdependentes; assim, a sobrevivência de todas as espécies, inclusive o homem, só pode ser conseguida através do entendimento desta interdependência

Ver Artigo
Levino Fanzeres - Um Modesto Centenário

É de sua autoria a célebre Partida de Araribóia, quadro adquirido pelo governo do Estado para a Assembléia Legislativa

Ver Artigo
Uma festa para Hermógenes – Por Berredo de Menezes

Hermógenes recebe merecidamente, o galardão de presidente de honra da Comissão Espírito-santense de Folclore

Ver Artigo
Marcílio Toledo Machado

Meu pai disse para meu irmão mais velho quando nasceu o seu primeiro filho: "Agora sim, você vai ter uma idéia de quanto gosto de você"

Ver Artigo