Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Espírito Santo na 1ª História do Brasil

Capa do Livro: Tratado da Província do Brasil, de Pero de Magalhães de Gândavo cujo livro original é do ano de 1576

Pero de Magalhães de Gândavo, autor da 1ª História do Brasil, em português, impressa em Lisboa, no ano de 1576, intitulada: “História da Província de Santa Cruz”, referindo-se à Capitania do Espírito Santo escreveu que na mesma podia ser encontrada uma infinidade de peixes e caças com o que os moradores se abastavam fartamente, concluindo nesses termos envaidecedores: “E assim é esta a mais fértil capitania e melhor provida de todos os mantimentos da terra que outra alguma que haja na costa.”

Dois testemunhos anteriores a esse, foram emitidos em 1551, pelos jesuítas Antônio Pires e Afonso Braz. Escreveu o primeiro: “É terra mais abastada, a melhor de toda esta costa, segundo dizem todos.” E, o segundo o qual era mestre de obras e obreiro do Colégio: “É esta terra onde ao presente estou a melhor e mais fértil de todo o Brasil. Há nela muita caça de monte, muitos porcos monteses e é mui abastada de pescados."

Um outro jesuíta, o Padre Manoel da Nóbrega, em depoimento mais antigo (1560), não fora menos gentil: "Esta Capitania se tem por a melhor cousa do Brasil depois do Rio de Janeiro ..." Mas, noutra carta que escrevera anteriormente, deixara consignado: "...Outro pecado nasce também desta infernal raiz, que foi ensinarem os cristãos ao gentio ao furtarem-se a si mesmos e venderem-se por escravos. Este costume, mais que em nenhuma capitania, achei no Espírito Santo, Capitania de Vasco Fernandes, e por haver ali mais disto se tinha por melhor capitania."

Cai-me às mãos o "Tratado da Província do Brasil" que Gândavo teria redigido em 1570. Trata-se duma reprodução fac-similar de um manuscrito pertencente ao Museu Britânico, editado peio I.N.L., em 1965.

Fartando-me com os comentários eruditos do Prof. Emanuel Pereira Filho, não resisto à tentação de transcrever todo o capítulo sétimo dessa crônica histórica, procurando modernizar o vernáculo e ajuntar umas poucas considerações próprias.

Assim começa o historiador lusitano: "A Capitania do Espírito Santo está cinqüenta léguas do Porto Seguro em vinte graus da qual é capitão e governador Vasco Fernandes Coutinho." Lembremos que se trata do segundo donatário, herdeiro do feudo. Prossegue Gândavo: "Tem um engenho somente. Tira-se dele o melhor açúcar que há em todo o Brasil". O humanista e glotólogo, moço da Câmara del-Rei, "testemunha de vista" do que escrevera, não esclarece se o engenho era movido a água ou se tocado por tração de cavalos. Mas, noutro tópico do original manuscrito diz: ".... A maior parte dos engenhos do Brasil moe com água".

Fernão Cardim, outro cronista dos tempos coloniais, o qual também esteve no Espírito Santo e sobre o mesmo escreveu, disse dos engenhos que "cada um deles é uma máquina e fábrica incrivei: uns são de água rasteiros, outros de água copeiros, os quais moem mais e com menos gastos: outros não são d’água, mas moem como bois, e chamam-se trapiches; estes têm muito maior fábrica e gasto, ainda que moem menos, moem todo tempo do ano, o que não têm os d’água, porque às vezes lhes falta."

Prossigamos na transcrição de Gândavo: "Há nela muito algodão e pau-brasil”. Num capítulo referente às coisas da terra ele elucida: "Os moradores desta costa do Brasil todos têm terras de sesmarias dadas e repartidas pelos capitães da terra, e a primeira coisa que pretendem alcançar são escravos para lhes fazerem e granjearem mais roças, porque sem eles não se podem sustentar na terra..." Mas, voltemos à transcrição do capítulo sétimo: "... pode ter a Capitania até duzentos vizinhos. O autor referia-se, naturalmente, aos moradores.

O Padre Francisco Soares, em seu relato das "Cousas Notáveis do Brasil”, redigido duas dezenas de anos depois do trabalho de Gândavo, fez uma estimativa populacional para o Espírito Santo de 400 portugueses; 6 engenhos; 700 escravos e 9.000 índios.

Anchieta, em sua "Informação do Brasil e de Suas Capitanias", registrou, em 1584, no Espírito Santo, "quatro ou cinco engenhos a 3 e 4 léguas, por mar e por terra, com índios", acrescentando: "Há ao longo da costa, 8 léguas para o sul e outras 8 para o norte, 4 ou 5 aldeias de índios que os nossos visitam por mar e às vezes por terra onde há conversão e se batizam e casam ordinariamente. Além estas, tem duas aldeias muito populosas de índios [N. Sra. da Conceição (do Guaraparí) e São João], algumas léguas da Vila por água com suas igrejas, as quais há muitos anos que sustentam e têm nelas residência ..."

Adiantemos a transcrição do "Tratado": "Há dentro da povoação um mosteiro de padre da Companhia de Jesus." Referia-se à Casa de Santiago, que o Padre Affonso Braz fundara em 1551, e funcionava como Colégio e Residência e que teria como Reitor, naquele ano de 1570, o Padre Antônio da Rocha. Prossegue Gândavo, tratando do Rio Doce: "Tem um rio mui grande onde os navios entram no qual se acham mais peixes-bois que noutro nenhum rio desta costa". Referia-se ao manati, dos índios. A espécie, que não deve ser confundida com o leão-marinho, é mamífera, herbívora e habita unicamente a água doce. Descreve-a o mesmo cronista, quando disserta sobre uma lagoa distante sete léguas da Capitania de llhéus: "Criam-se nela muitos peixes-bois os quais têm o focinho como de boi e dois cotos com que nadam à maneira de braços; não têm nenhuma escama nem outra feição de peixe senão o rabo.

Matam-nos com arpões; são tão gordos e tamanhos que alguns pesam trinta a quarenta arrobas".

"... Há um certo peixe a que chamam boi marinho — escreveu Anchieta, em carta ao Padre Geral, de São Vicente, em 1560 — "os índios o denominam iguaraguâ, freqüente na Capitania do Espírito Santo e em outras localidades para o norte..."

Há mais de um século que o peixe-boi está completamente extinto no Espírito Santo.

Voltemos a Gândavo: "No mar, junto desta Capitania, matam grande cópia de peixes grandes e de toda maneira, e também no mesmo rio há muita abundância deles".

A piscosidade da orla marítima capixaba ainda hoje se faz notar, a despeito da pesca desordenada e o conseqüente extermínio de algumas espécies de peixes. No presente, pode-se assistir, mesmo em Vitória, a pescaria de arrastão, com redes pejadas de manjubas que são amontoadas nas praias ou em grandes eiras, em quantidades de encher caminhões!

Volto ao "Tratado": "Cousas Notáveis do Brasil", do Padre Francisco Soares, o qual escrevia, em 1589: "Tainhas há muitas e são os peixes que comumente há, porque os salgam e dão aos escravos. É para ver-se estas tainhas que são comumente de bons dois palmos de comprido e chamam-lhes curimãs; vêm em cardumes de fora do mar largo a desovar nos rios. Este peixe vi nas Capitanias do Espírito Santo, Rio de Janeiro e São Vicente...”

Passa a descrever a matança nas semas ocorridas três vezes ao ano; o envenenamento das águas com o timbó ou barbasco; os índios caindo sobre os peixes, com flexas, fisgas e à mão. Diz que viu, por vezes, perto de duas mil pessoas a encherem canoas de peixes para a salga e, textualmente: “... contudo, mais era o que se perdia do que se aproveitava.”

Reatemos a narrativa de Gândavo: “Nesta Capitania há muitas terras e mui largas onde os moradores vivem mui abastados tanto com mantimentos da terra como de fazendas, e quando se tomou a fortaleza do Rio de Janeiro, desta mesma Capitania do Espírito Santo sustentaram toda gente e provieram sempre de mantimentos necessários enquanto estiveram na terra os que a defendiam.” Aqui caberia um comentário quanto à semântica de fazenda, parecendo claro que o autor alude não à propriedade rural e sim às riquezas dos vizinhos ou habitantes da Capitania, ou mesmo, às suas fontes de lucro. No capítulo em que se referiu à Capitania de Pernambuco, escreveu: “Esta se acha uma das ricas terras do Brasil, tem muitos escravos índios que é a principal fazenda. Daqui os levam e compram para todas as outras capitanias porque há nesta muitos e mais baratos que em toda costa.”

O historiador quinhentista passa a escrever sobre o rio Paraíba, que é “mui grande e fermoso e tem infinito peixe”, mas vamos nos restringir às fronteiras do Espírito Santo...

 

Fonte: De Vasco Coutinho aos Contemporâneos
Autor: Levy Rocha,1977
Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2015

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Juízes de direito na Província do Espírito Santo

Reunimos, pois, sob a forma de uma sinopse, aquilo que pode demonstrar à evidência a província do Espírito Santo, baseando assim em documentos e em trabalhos de própria lavra e que aqui descrevemos

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
O Espírito Santo na 1ª História do Brasil

Pero de Magalhães de Gândavo, autor da 1ª História do Brasil, em português, impressa em Lisboa, no ano de 1576

Ver Artigo
Dia do Capixabismo – Por Francisco Aurélio Ribeiro

O dia de hoje deveria ser feriado estadual e não apenas municipal. O capixaba tem baixa auto-estima e pouco sabe de sua história e de sua cultura

Ver Artigo
Mês da Colonização do Solo Espírito-Santense

O site Morro do Moreno irá publicar matérias especiais sobre a Colonização do Solo Espírito Santense, comemorado em 23 de maio

Ver Artigo