Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Os irmãos Martins

Busto homenageando Domingos Martins, na Cidade Alta em Vitória

Capixabas estiveram envolvidos em rebeliões ocorridas em Pernambuco, no primeiro quartel do século XIX. Todos eram membros da família Martins. O mais conhecido, certamente, é Domingos José que, homenageado, deu nome a uma cidade das terras altas do Espírito Santo, Domingos Martins.

Os irmãos Martins participaram da Revolução Pernambucana de 1817 e da Confederação do Equador, em 1824. O primeiro movimento teve caráter separatista e, ao lado da Inconfidência Mineira, Fluminense e Baiana, foi precursor da independência do Brasil.

A segunda rebelião lutou contra o autoritarismo de D. Pedro I, expresso da Constituição por ele outorgada. Ambos foram influenciados pelos ideais dos filósofos iluministas e pela "santíssima trindade" da revolução francesa: "Liberdade, Igualdade e Fraternidade".

O historiador José Teixeira de Oliveira reuniu alguns dados biográficos do clã Martins:

"Domingos José Martins nasceu em Cachanga, hoje Itapemirim, onde seu pai servia como porta-bandeira. (...) Mandado à Bahia e Lisboa aprimorou-se nos estudos, passou, depois à Inglaterra, onde se empregou em uma casa comercial, da qual, mais tarde, se tornou sócio. Regressando ao Brasil, fixou-se no Recife, entregando-se, logo, a uma intensa propaganda dos ideais de liberdade, que sonhava ver praticados em sua pátria. Quando explodiu a Revolução de 1817, Domingos José Martins foi eleito representante do comércio na junta governativa revolucionária - escolha que fala eloquentemente do prestígio que desfrutava na sociedade pernambucana. Derrotados os rebeldes, Domingos José Martins foi preso e conduzido para a Cidade do Salvador onde, aos doze de junho de 1817, morreu arcabuzado (...). Teve sete irmãos - André, Francisco, Luíza, Maria, Joaquim, Ana e Vitória. O primeiro fez carreira militar e alcançou o posto de tenente-coronel. O segundo dedicou-se ao sacerdócio. Ambos lutaram ao lado do irmão em 1817, sendo que Francisco José Martins foi companheiro de frei Caneca na Confederação do Equador (...)"

Anticolonialistas e antiabsolutistas, os Martins faziam parte de uma elite esclarecida e consciente de seus interesse de classe. Eram membros de uma minoria privilegiada, se comparados à grande massa, composta de pobres analfabetos e de escravos.

De qualquer forma, na conjuntura política daquele momento específico, os Martins foram os porta-vozes dos grupos marginais. Mesmo que a palavra liberdade significasse coisas diferentes para cada um deles.

 

Fonte: História do Espírito Santo - Uma abordagem didática e atualizada 1535-2002
Autor: José P. Schayder

Personalidades Capixabas

Gilberto Michelini - Personalidade Capixaba

Gilberto Michelini - Personalidade Capixaba

Com 16 anos de idade, por vontade própria, iniciou-se na vida profissional, ocupando seu primeiro trabalho remunerado na firma Mckinlay S/A, da qual seu pai era sócio gerente de Vitória

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Barões Espírito- Santenses - Por Eurípedes Queiroz do Valle

Os 10 mais conhecidos segundo Eurípedes Queiróz do Valle

Ver Artigo
Engenheiros - Os 10 mais antigos

Dr. Antonio Francisco de Athayde. Político. Foi Deputado estadual e Prefeito da vizinha cidade do Espírito Santo, antiga Vila-Velha, dando-lhe o belo traçado que hoje apresenta e que lhe permitiu extraordinário desenvolvimento

Ver Artigo
Administradores do Passado - Por Eurípedes Queiroz do Valle

Francisco Gil de Araujo, Francisco Alberto Rubim, Dr. Moniz Freire, Dr. Jerônimo de Sousa Monteiro, Dr. Bernardino de Souza Monteiro e outros       Francisco Gil de Araujo, Francisco Alberto Rubim, Dr. Moniz Freire, Dr. Jerônimo de Sousa Monteiro, Dr. Bernardino de Souza Monteiro e outros  

Ver Artigo
Advogados do Presente - Por Eurípedes Queiroz do Valle

2) Dr. Jair Etienne Desaunne. Professor de Direito. Jornalista. Conferencista. Tribuno. Líder católico

Ver Artigo
Advogados do Passado - Por Eurípedes Queiroz do Valle

1) Dr. João Clímaco de Alvarenga Rangel. Coube-lhe a defesa dos Escravos que em 1849 tomaram parte no levante de Queimados, episódio histórico conhecido por “Insurreição de Queimados

Ver Artigo