Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Pedro Palácios – Por Solimar de Oliveira

Frei Pedro Palácios e os colonos, quadro de Benedito Calixto, do Acervo do Convento da Penha

Ave, condor da fé, que aos píncaros supremos

Elevastes, a arder na religiosa unção,

A igreja espiritual que aos homens diz — amemos!

E o símbolo maior de nossa Religião!

 

Turíbulo de amor todo ideal aí temos,

Circundado da luz de santa emanação,

Marco eterno apontando a todos os extremos

Os caminhos da paz, do amor, da redenção...

 

Suprema encarnação de um gênio de bondade,

Que a tantos corações dando luz e piedade,

Como a um povo de Deus o seu povo conduz..

 

Frei Pedro, o bom, o santo, o taumaturgo ousado,

Foi de fato entre nós o mais iluminado,

Porque o servo mais pobre e humilde de Jesus!

 

 

Cachoeiro, 21 de janeiro 1953

 

Por Solimar de Oliveira

 

Fonte: O Relicário de um povo – O Santuário de Nossa Senhora da Penha, 2ª edição, 1958
Autor da poesia: Solimar de Oliveira
Autora do livro: Maria Stella de Novaes
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2018

Convento da Penha

A Serra da Arrábida - Frei Agostinho da Cruz, OFM

A Serra da Arrábida - Frei Agostinho da Cruz, OFM

Descubra o segredo porque Frei Palácios escolheu o morro da Penha para nele prosseguir a vida contemplativa

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

O Convento da Penha – Por Maria Stella de Novaes

Peregrino, contempla o augusto monumento  da terra capixaba. Ali, vive a rezar, em hosanas de glória, ou rudez do tormento, o coração de um povo!

Ver Artigo
Visão dos Holandeses (Poesia) - Por Orminda Escobar Gomes

De além se divisava a linda capelinha, /Erguida sobre a rocha. Esplêndida moldura /O céu azul turquesa... Excêntrica, a estrutura /Do monte-matagal a florescer... Na linha

Ver Artigo
Radiosa - Por Orminda Escobar Gomes

Vitória, és joia rara! /Realças entre as demais! /Teus campos e tuas praias, /Tão lindas, não têm rivais!

Ver Artigo
Cerração (Poesia) - Convento da Penha

Um dia esplendoroso. O sol quente, escaldante / Suave azul do céu. O esmeraldino mar / Oscula, brandamente, a praia. Singular / Beleza e alacridade em torno... Mas, distante...

Ver Artigo
Terremoto em Vitória e em Vila Velha (Poesia) - Por Orminda Escobar Gomes

Agosto. Quase findo, o seu primeiro dia. / Dezoito século... Sim!... Sessenta e sete ou nove?! / Das lides descansando, a gente adormecia...

Ver Artigo