Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Prainha: 400 Anos

Prainha, anos 1900

Ao longo dos séculos, Vila Velha ficou praticamente à sombra da capital. Abandonada à própria sorte, sobreviveu aos traumas dos primeiros anos, quando a maior parte de sua população fugiu para Vitória. Em 1828, quase três séculos depois de povoada, Vila Velha tinha apenas 1.250 habitantes. Era menor que Nova Almeida, com 1.734, ou de Itapemirim, com 1.835. Sua vizinha Vitória estava com 12.704 moradores.

Durante mais de 400 anos, Vila Velha se manteve praticamente ao redor da Prainha. A mais antiga vila do Espírito Santo estava predestinada ao segundo plano. Na década de 40 do século XX não havia sequer o que se chamava de ginásio (hoje 5ª a 8ª série) no outro lado do continente. Os estudantes tinham que vir a capital. Os moradores do continente dependiam de Vitória para quase tudo. Todas as ruas eram de areia, inclusive o centro da cidade.

Panorâmica

Ao lado do colégio Marista havia um mangue, com duas pontes: a velha e a nova. Tinha também dois campos de futebol, um do Atlético e outro do Olímpico. Naquela época foi construído o canal da Costa, que muitos pensam ser um córrego natural. O canal da Costa, hoje puro esgoto diluído em água da chuva, foi uma construção feita para drenar um alagado chamado de “maternidade de pernilongo”.

O primeiro calçamento foi na Jerônimo Monteiro, época da construção da residência oficial do governador na Praia da Costa. A partir daí, as praias dos canelas-verdes começaram a atrair moradores de fora. Um dos primeiros foi o médico Dório Silva. Hoje, a exploração imobiliária toma conta da orla.

Para chegar a Vitória, o morador de Vila Velha tomava um bonde na prainha até o cais de Paul, onde embarcava na lancha. Os dois serviços de transporte eram operados pela Companhia Central Brasileira de Força Elétrica. A ponte Florentino Avidos era praticamente ignorada pelos usuários de bondes e lanchas. Em Vitória, os barcos deixavam os passageiros no Centro e no cais Dom Bosco, onde mais tarde foi aberta a avenida Beira Mar.

O vai-e-vem entre continente e ilha fazia parte do cotidiano dos canelas-verdes. Tudo era em Vitória, incluindo pagamentos de contas de luz e telefone. Uma das construções fundamentais da vida da cidade era o 3º Batalhão de Caçadores (3º BC), atual 38º Batalhão de Infantaria, do Exército, que mais tarde ganhou a companhia da Escola de Aprendizes-Marinheiros.

Algumas famílias tradicionais detinham grandes áreas de terras, mais tarde vendidas para loteamentos. Uma das principais proprietárias era a família Motta, que morava num sítio cheio de cajueiros ao pé do Morro do Moreno. Dona praticamente de todos os terrenos da avenida Champagnat até a Praia da Sereia (final da Praia da Costa), que leva esse nome porque o pintor Lúcio Bacellar pintou uma sereia na parede de um bar que ele montou.

Anos depois, um vizinho se instalava por lá. Era Gastão Roback, que criou na Sereia o Clube dos 40, já desativado. A figura mais folclórica da Praia da Costa era João Rita, que bebia com regularidade e vivia de donativos.

Em Itapoã, a família Mascarenhas possuía muitas terras, que só adquiriu valor comercial mais tarde, quando boa parte foi comprada pela Sociedade Vila da Penha, de Edgar Rocha. Em Itaparica eram os Setúbal. Mais tarde, toda a área do Coqueiral foi comprada por Armando de Oliveira Santos.

O Santuário da Penha sempre atraiu romeiros que chegavam em caminhões, principalmente. Era isso que agitava a cidade.

 

Fonte: Suplemento Especial do Jornal A Gazeta (26/09/94)

 

Monumentos

Forte Piratininga - Presídio, Escola e Museu

Forte Piratininga - Presídio, Escola e Museu

No forte funcionou por duas vezes a Escola de Aprendizes Marinheiros; a primeira instalada em 1862 e extinta em 1866, e, a segunda em 1909 e extinta em 1913. Em 1917 chega a Vila Velha o 50º Batalhão de Caçadores oriundo da Bahia

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Forte São Francisco Xavier – Por Seu Dedê

No dia 23 de maio de 1535, o Capitão-mor Vasco Fernandes Coutinho desembarcou em Vila Velha e construiu uma paliçada para defesa dos ataques dos senhores destas paragens

Ver Artigo
Bustos Públicos no Interior do Estado - Os 10 mais expressivos

9) O do Almirante Tamandaré. Encontra-se no Jardim da Praça Dr. Antonio Atayde, na cidade do Espírito Santo, antiga Vila Velha

Ver Artigo
Bustos Públicos - Os 10 mais conhecidos

O busto do Interventor se encontra na pequena Praça existente no final da Avenida que contorna a Praia da Costa

Ver Artigo
Acidentes Geográficos do ES - Os 10 mais curiosos

O Pico do Itabira os cachoeiranos fizeram dele o símbolo da cidade, e os intelectuais da sua Academia de Letras 

Ver Artigo