Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Ano de 1566 - Por Basílio Daemon

Tendo sido chamado à Bahia em meados de 1566 o irmão José de Anchieta a fim de receber ordens sacras

1566. Parte neste ano, a 20 de janeiro, vindo do porto de Bertioga na capitania de São Vicente, o capitão-mor Estácio de Sá, tendo ali preparado uma armada composta de seis navios, alguns barcos e canoas, vindo acompanhado dos religiosos jesuítas Gonçalo de Oliveira e José de Anchieta, que a mandado do padre Manoel da Nóbrega tinham sido enviados para animar os índios e mestiços no ataque dos franceses no Rio de Janeiro.(93) Tendo deixado atrás parte dos navios dirige-se e chega Estácio de Sá a esta capitania no mês de fevereiro a fim de obter novos reforços de gente, munições e mantimentos, o que conseguiu; mas demorando-se poucos dias seguiu para o Rio de Janeiro, chegando ali no princípio de março fortificou-se na Praia Vermelha, dando em seguida os ataques de 6, 12 e 15 do mesmo mês contra os índios tamoios e os franceses, tendo deles saído vitorioso.

Idem. Por provisão do governador Mem de Sá, datada de 3 de abril deste ano, é nomeado Belchior de Azeredo Coutinho, o Moço, sobrinho de Belchior de Azeredo Coutinho, o Velho, para capitão do navio de guerra São Jorge, (94) por ter muito se distinguido no Rio de Janeiro nos ataques contra os franceses e índios tamoios, assim como nos combates em outras capitanias, sendo ainda por seus serviços nomeado a 27 de novembro deste mesmo ano cavalheiro fidalgo da Casa Real Portuguesa.

Idem. Tendo sido chamado à Bahia em meados deste ano o irmão José de Anchieta a fim de receber ordens sacras, recomenda-lhe o padre Manoel da Nóbrega que chegasse à capitania do Espírito Santo, visitasse a Casa Colegial e as aldeias, e dispusesse e ordenasse o que melhor julgasse em seus benefícios.(95) Com efeito, aqui chegou, mas encontrando ainda a consternação que lavrava entre os padres jesuítas, moradores e indígenas pela morte do padre Diogo Jácome, pelo que consolou-os e chorou com eles, indo depois visitar as aldeias, principalmente a do Campo Velho, onde a peste das bexigas e aquele passamento haviam trazido grandes desgostos; promoveu em seguida o que julgou necessário a bem de todos, partindo daqui depois de alguma demora, a prosseguir em viagem para São Salvador na Bahia, onde chegando a 15 de outubro deste mesmo ano, relatou ao capitão governador geral do Estado do Brasil, Mem de Sá, a embaraçosa posição em que se achava no Rio de Janeiro seu sobrinho Estácio de Sá e a necessidade que tinha de pronto socorro, visto ter assistido aos ataques e saber dos apertos em que se achava aquele capitão-mor, julgando que para acabar a guerra necessitava serem enviados novos reforços e contingentes, a fim de bater por uma vez os franceses e afugentar os tamoios, o que Mem de Sá tomou em muita consideração, principiando logo a dar enérgicas providências no sentido de ser prontamente acudido Estácio de Sá.

Idem. É provido nas últimas ordens sacras, no mês de outubro deste mesmo ano, na cidade de São Salvador na Bahia e pelo bispo D. Pedro Leitão, o irmão José de Anchieta, deixando assim a classe religiosa em que ainda se achava, tendo por isso grande alegria o próprio bispo e o governador Mem de Sá, por já serem notórios os serviços prestados por este célebre catequista.(96)

Idem. Tendo, como vimos, sido advertido o governador Mem de Sá, pelo então irmão José de Anchieta, dos apuros em que se achava na capitania do Rio de Janeiro seu sobrinho o capitão-mor Estácio de Sá e da necessidade de lhe serem enviados prontos socorros, são aprestadas algumas embarcações conduzindo tropa, munições e muitas provisões de boca, as quais partiram da Bahia no mês de novembro, vindo em uma delas, a capitânia, o mesmo Mem de Sá, o bispo D. Pedro Leitão,(97) a visitar a diocese, e mais o padre Inácio de Azevedo que chegara à Bahia a 24 de agosto deste mesmo ano, e que fora enviado como visitador geral desta província do Brasil, por concessão do papa Pio V, pertencendo ele ao quarto grau da Ordem; acompanhavam ao padre visitador geral, o padre provincial Luís da Grã e os padres José de Anchieta, já então ordenado, Antônio Rodrigues, Baltazar Fernandes e Antônio Rocha. Aqui chegada a expedição, desembarcaram todos, tratando Mem de Sá de arranjar um forte e bom contingente para levar consigo, o que obteve, pois afora gente pertencente aos povoadores, ainda obteve duzentos índios flecheiros, devido aos esforços do donatário Vasco Fernandes Coutinho Filho. Assim aprestada partiu a expedição em fins do mês de dezembro ou princípio do ano seguinte, chegando ao Rio de Janeiro a 17 de janeiro de 1567.(98)

 

93 “Achava-se então a província mui falta de víveres, e de gente, para socorrer prestes a armada: e, contudo, zelando os seus moradores, o serviço real, e animados os índios católicos a cargo dos jesuítas José de Anchieta e Gonçalo de Oliveira, cuidaram todos no modo de aprontar o auxílio, enquanto chegavam da Bahia e da capitania do Espírito Santo outros adjutórios.” [Pizarro, Memórias, I, p. 38]

94 Vasconcelos, Ensaio, p. 18.

95 (a) Nery, Carta pastoral, p. 81. (b) “Por então sossegou a praça da Bahia, empenhada nos aprestos da armada; e ouvindo do governador o padre José de Anchieta (quando por seus superiores foi chamado a receber ordens Sacras) as contas dos sucessos venturosos do Rio, de que fora testemunha...” [Pizarro, Memórias, I, p. 42]

96 Ponciano Stenzel diz que “Tendo recebido as ordens de sacerdote das mãos do bispo D. Pedro Leitão, começou então o célebre catequista uma ação muito mais ampla...” [Apóstolo do Brasil, RIHGES, 1935, 8, p. 89]

97 Mem de Sá “...deu-se de novo à vela em novembro de 1566, levando consigo suficiente número de naus, e doutras embarcações pequenas, assaz providas de munições, de soldados, e de voluntários, que o acompanharam, a quem se uniu o bispo D. Pedro Leitão...” [Pizarro, Memórias, I, p. 42]

98 “A presença da armada felizmente chegada no dia 18 de janeiro de 1567, reanimou a guerreira soldadesca...” [Pizarro, Memórias, I, p. 42]

 

Nota: 1ª edição do livro foi publicada em 1879
Fonte: Província do Espírito Santo - 2ª edição, SECULT/2010
Autor: Basílio Carvalho Daemon
Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2019

 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Defesa da Capitania do ES - Por Edward Athayde DAlcântara

Por que em 1702, vinte anos depois, se haveria de construir um novo forte no mesmo local, se em 1682 já se falava do Forte São Francisco Xavier?

Ver Artigo
Agapito - Por Sérgio Figueira Sarkis

Agapito, nos idos tempos das décadas de 30 e 40, era uma figura folclórica de Vitória. Pau pra toda obra!

Ver Artigo
Fugas, Revoltas e Quilombos - As Lutas Contra a Escravidão

O uso de cabelos grandes, tanto do tipo black power, quanto do tipo “rastafári”, têm sido sinônimo de rebeldia, conscientização negra

Ver Artigo
República não trouxe a estabilidade desejada

No ano da Proclamação da República o Espírito Santo estava dividido em 14 Municípios, 4 cidades e 10 Vilas

Ver Artigo
Luiz Buaiz - Um homem insubstituível

Sempre presente e extremamente generoso, a sua maneira de cuidar é incomparável e única

Ver Artigo