Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Antigos festejos de Vila Velha

Capa do livro, Krikati Tio Clê e o Morro do Moreno - Autor: Walter de Aguiar Filho

Nota do site: Em meados dos anos 20, havia no Morro do Moreno um posto semafórico, em que bandeiras hasteadas em cores diferentes serviam para orientar os navios na entrada da Baía de Vitória. O Chefe do posto era o Sr. Clementino de Barcellos, figura ilustre de Vila Velha, homenageado no livro Krikati, Tio Clê e o Morro do Moreno.

No Morro do Moreno, nós, bem pequeninos, dormíamos enrolados nas bandeiras que orientavam os navios e embaladas pelo conjunto harmonioso de afinadas vozes. Vozes daqueles que já partiram e que só podemos ouvir pela recordação que nos deixaram.

Em volta da fogueira assavam-se batatas e canas. Soltavam-se fogos, balões e ainda à meia noite passava-se descalço sobre as brasas da fogueira.

Os jovens tiravam sortes com o copo d’água, onde se colocaram papeizinhos com nomes de rapazes ou moças: o que viesse à tona seria seu esposo ou esposa. A sorte do espelho constava do seguinte: a moça debaixo da cama, olhava um espelho novo. À meia noite o espelho estalaria e, se aparecesse uma noiva, seria casamento; um caixão, seria morte e, às vezes, apareciam um jovem, que seria o futuro marido.

Em épocas mais recentes, na década de 30, os cateretês, muito embora nunca tivessem desaparecido de todo, foram revividos e muito mais animados por diversas famílias que aproveitavam os aniversários de seus membros, ocorridos no mês de junho.

De modo que, anualmente, essas festas juninas se repetiam quase nas mesmas residências: dia 12, na da Sra. Rosinha Caldeira, festejava-se a data natalícia de sua filha Lourdes; no dia 13, na casa do Sr. Alexandrino Cruz, aniversário de seu filho Antônio, 20 e 25, na residência do Sr. Adolfo Barcelos, quando aniversariavam suas filhas Adília e Pepenha, respectivamente; dia 24, na casa do Sr. Clementino Barcelos, aniversário de seu filho João. Dia 29, era a vez da residência do Sr. Pedro Silva, pois era a data natalícia do chefe da família; e, como estas, outras famílias realizavam seus cateretês, festejando os aniversários e o mês das festas juninas.

Ao terminar uma festa, os presentes já estavam convidados para a próxima. E assim, durante todo o mês, num ambiente da mais pura amizade, as famílias se divertiam e homenageavam os santos do mês.

Como era simples a boa a nossa gente! Boa, ainda o é, porém a simplicidade, este dom tão acolhedor e agradável, não existe mais.

 

Livro: VilaVelha de Outrora, 1990
Autora: Maria da Glória de Freitas Duarte
Compilação: Walter de Aguiar Filho, julho/2012

 

Links Relacionados:

>>  Festas Juninas - Rodas
>>  Todos na festa junina 
>>  Recordações do Arraiá 
>>  Clementino de Barcellos 

Vila Velha

O Matadouro de Vila Velha – Por Seu Dedê

O Matadouro de Vila Velha – Por Seu Dedê

No prolongamento da Rua Dom Jorge de Menezes, sobre uma pedra na encosta do Morro da Penha e à margem do Rio da Costa, ficava o abatedouro municipal

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

O Natal e seus festejos

NATAL, festa máxima da cristandade! Como hoje, também a Vila Velha antiga se preparava para este grande dia na residência do Desembargador Ferreira Coelho 

Ver Artigo
O Morro e a Rua do Celamim – Por Seu Dedê

O Morro Celamim era assim chamado por que sua medida era em tantos celamins de terra, uma medida de origem árabe, trazida pelos portugueses

Ver Artigo
Vila Velha, a Cidade, sua História – Por Seu Dedê

O geólogo canadense Charles Frederick Hart, visitou Vila Velha no ano de 1865

Ver Artigo
Praia da Costa – Por Seu Dedê

Na primeira curva da Praia, após a rebentação, havia a casa do doutor Dório Silva conhecida de todos como a Casa Branca

Ver Artigo
Antônio Francisco Athayde – Por Seu Dedê

Doutor Antônio Francisco de Athayde foi prefeito de Vila Velha no período de 1918 a 1921

Ver Artigo