Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Colatina Capital de ES - Revolta do Xandoca

A família Monteiro, em 1892; Jerônimo Monteiro, aos 22 anos, está no centro da foto. Do seu lado esquerdo, o irmão Bernardino e, sentado ao lado da mãe, padre Fernando que a partir de 1902 se tornou bispo

No período de 1908 a 1930, houve apenas duas pequenas crises sucessórias. Nada, porém, que pudesse pôr em risco a manutenção da soberania do monteirismo. A primeira ocorreu no início do governo de Bernardino Monteiro (1916) e a outra foi no final de seu mandato (1920).

Na primeira crise, um grupo de deputados capixabas rompeu com a oligarquia dominante, tentando impor o nome de um líder político do norte do Estado como presidente. Derrotados na pretensão, proclamaram um novo governo estadual em Colatina, que foi elevada à condição de “capital provisória” pelos revoltosos. Foi um movimento isolado que, sem sustentação política, dissolveu-se por si mesmo. O episódio ficou conhecido como Revolta do Xandoca, pois seu líder foi o deputado Alexandre Calmon.

O processo sucessório sofreu um novo abalo em 1920, quando dois irmãos do clã Monteiro, Jerônimo e Bernardino, disputavam a liderança familiar e oligárquica. Jeronimistas e bernardinistas apoiavam candidatos diferentes à presidência estadual. A “capangada” em armas, da facção jeronimista, tentou tomar o palácio do governo de assalto, para impedir a posse do candidato eleito, Nestor Gomes. Houve tiroteios, perseguições e mortes. Por todo o Estado registraram-se confrontos entre os dois grupos. Para apaziguar a situação foi necessária a intervenção do governo federal. O presidente da República, Epitácio Pessoa, após consultar a Comissão Verificadora de Votos do Congresso Nacional, confirmou a vitória de Nestor Gomes, que foi empossado.

Jerônimo Monteiro perdeu a batalha pela hegemonia familiar. Este racha interno o afastou do centro do poder estadual. A partir de 1920, o único cargo político que ocupou foi o de senador da República. No entanto, embalado pelos acontecimentos em nível federal, voltou à cena pública estadual em 1930, organizando a oposição ao governo de Aristeu Borges de Aguiar.

O importante é que, com qualquer membro da oligarquia Monteiro no poder, o Estado estaria a serviço dos cafeicultores, dos coronéis.

 

Fonte: Livro História do Espírito Santo - uma abordagem didática e atualizada 1535 - 2002
Autor: José P. Schayder
Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2014

Curiosidades

Década de 50: a nova fase de Vitória depois dos aterros

Década de 50: a nova fase de Vitória depois dos aterros

Depois, com o novo aterro é que formou a Esplanada Capixaba, novas ruas surgiram, entre elas a General Mascarenhas de Morais (Beira-Mar) e a  Av. Princesa Isabel

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Viajantes Estrangeiros ao ES – Jean de Lèry

Dos mais antigos estrangeiros que aportaram à Capitania do Espírito Santo, podermos registrar o clérigo francês reformado Jean de Lèry

Ver Artigo
Viagem ao Espírito Santo e Rio Doce - Levy Rocha

Quando Carlos Madeira foi premiado num concurso literário, em Vitória, com a sua tradução de Saint-Hilaire

Ver Artigo
Viajantes Estrangeiros ao ES – Barão de Humboldt

Basilio Daemon refere-se à possível passagem do Barão de Humboldt, no ano de 1800, pelo Espírito Santo

Ver Artigo
Tropeiros percorrem em 20 dias 650 quilômetros de história

Ao longo de 20 dias, um grupo de 13 capixabas está revivendo parte da história do Brasil Colônia ao refazer os passos de Dom Pedro pelo interior do Estado

Ver Artigo
Pedra da Onça - Por Seu Dedê

Localizada à margem esquerda do canal da Costa, braço sul. De frente ao Shopping Praia da Costa 

Ver Artigo