Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Costumes da nossa gente

As moças usavam o leque para se comunicar com os rapazes

Quando se queria conversar com alguém de modo que outras pessoas não entendessem, usava-se uma linguagem confusa. Havia várias delas. As mais comuns eram assim:

“Vopô cepê gópos tapá depê mipim? Ou então:
Vofaim cefaim gosfaim tafaim defaim mimfaim?”

E assim conversava-se o que se queria que outros não percebessem.

Vila Velha tinha seus vários costumes bem interessantes que hoje são recordados com ternura por aqueles que os usavam. Qual a pessoa antiga de Vila Velha que não se recorda com saudade dos casamentos em que o cortejo nupcial com noivos, pais, padrinhos e convidados, desfilavam pelas ruas, a pé, até a igreja, onde o padre os esperava? Os noivos mais abastados, o que era raro, armavam um altar em casa e o casamento se realizava sem a beleza e a graça do desfile.

Era hábito nas famílias de menores recursos curar as doenças sem recorrerem ao médico. Usavam os remédios caseiros como: chá de erva cidreira, para curar dor de barriga; chá de quebra pedra, para os rins, chá de flor se sabugueiro, para “sair” sarampo, etc...

Os mortos eram levados para o cemitério em redes.

Na quinta-feira Santa os garotos costumavam fazer uma caveira de mamão verde, furando-lhe os olhos, rasgando-lhe a boca e colocando uma vela acesa dentro. Enrolavam-se num lençol e saíam à noite gritando: “Bão... bão...bão... pega ele. Bão... bão...bão... lá vai a morte com seu capote...”

Outro costume bem usado pelos jovens quando queriam se comunicar com suas “giriobas” como chamavam as namoradas, era o uso do “Dicionário das Flores”. Os pais antigos não deixavam suas filhas “fazerem tijolo”, isto é, namorarem. Então os “mancebos” recorriam às cartas, cujos modelos encontravam-se em livros próprios, a às flores, cada qual com seu significado:

Perpétua – constância eterna.
Amor-Perfeito – quero-te muito.
Flor de Sabugueiro – último recurso.
Alecrim – tristeza.
Resedá – teus encantos me encantam.
Rosa – castidade.
Girassol – obediência.
Violeta – humildade.
Sempre-viva amarela – hei de amar-te até morrer.
Sempre-viva roxa – bem querer, etc...

E para toda necessidade de comunicação encontravam uma flor que substituísse as palavras. Se hoje, o amor entre os jovens, com tanta liberdade e facilidade, ainda é a coisa mais bela do mundo, pensemos naqueles tempos com tantas dificuldades e apreensões, como isto não tornava o amor ainda mais sublime!...

As moças, além das flores, enviavam suas mensagens através do leque:

O leque encostado nos olhos – vou dormir.
Caindo no colo – namoro acabado.
Mordendo o leque – ciúmes.
Abrindo e fechando – convite para passeio.
Batendo na mão – espere carta.
Abanando de encontro ao coração – você é meu.

As cantigas de ninar usadas pelas pretas velhas embalando carinhosamente seu “sinhozinho”, e pelas mamães que as transmitiam às filhas, através das gerações, também constituem um bem inestimável para a nossa sensibilidade:

“Acordei de madrugada.
Fui varrer a Conceição,
Encontrei Nossa Senhora
Com um raminho na mão.

Pedi um raminho,
Ela me disse que não,
Tornei a pedir,
Ela me deu seu cordão.”

Costumes, usanças e divertimentos singelos, ingênuos, afetivos, que ficaram no passado superados pelo modernismo prático e materialista.

 

Livro: Vila Velha de Outrora, Vitória, 1990
Autora: Maria da Glória de Freitas Duarte
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2013

Matérias Especiais

Anos de 1570, e 1572 e 1573 - Por Basílio Daemon

Anos de 1570, e 1572 e 1573 - Por Basílio Daemon

Alguns anos depois, as expedições de Tourinho e Adorno tiveram êxito mais compensativo 

 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Festejos de Natal: Reis

O Reis foi introduzido em Vila Velha pelo Padre Antunes de Sequeira. Filho de Vitória, onde nascera a 3 de fevereiro de 1832

Ver Artigo
Recordações do Arraiá

Festa antonina (Santo Antônio) realizada no dia 13 de junho de 1937, em Aribiri (Vila Velha), na chácara onde residia o Dr. Armando Azevedo, aqui nos versos tratado como "cumpade".

Ver Artigo
Todos na Festa Junina!

Confira a transcrição de matéria publicada no jornal A Gazeta em 27 de junho de 1961, sobre a festa do dia 17 de junho de 1961: Festa Junina no Ginásio "São José"

Ver Artigo
A Polícia Militar na Historiografia Capixaba - Por Gabriel Bittencourt

A Policia Militar jamais suscitou tanta evidência, seja na imprensa ou no seio da comunidade cultural, como neste ano em que comemora 150 anos de existência

Ver Artigo
A Consolidação do Processo da Independência no ES

O Norte da Província: uma região estratégica

Ver Artigo