Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Dr. Luiz Buaiz na Provedoria da Santa Casa

Solenidade de posse de Dr. Luiz na Provedoria da Santa Casa de Misericórdia

A gestão de Luiz Buaiz na Santa Casa de Misericórdia foi apenas uma de muitas realizações bem-sucedidas. Ele conseguiu envolver todos os médicos e funcionários e colocar em prática um sistema de trabalho dinâmico, atendendo ricos e pobres com igualdade. Médicos que com ele atuaram naquela época pontuam como foi aquele período de três gestões consecutivas.

Noé Silva, clínico geral, diz que acompanhou de perto todos os trabalhos desenvolvidos por Luiz Buaiz. “Lá ele demonstrou toda sua capacidade administrativa. Pegou o lugar em uma situação difícil, de penúria, e em poucos anos recuperou totalmente a Santa Casa, inclusive reabriu algumas enfermarias que estavam fechadas e deu condições de trabalho para todos. Foi maravilhoso”.

Noé conta ainda que, depois dessa experiência, trabalharia com Luiz Buaiz no Hospital das Clínicas e na Secretaria de Estado de Saúde. “Ele sempre teve um gênio brincalhão, mas ao mesmo tempo era sério. Era um chefe ímpar, tenho saudades. Uma das decisões mais acertadas que ele tomou foi assumir a Santa Casa por amor ao lugar, e depois recuperá-la totalmente”.

Para o nefrologista Michel Assbú, quando Luiz Buaiz assumiu a Provedoria, a Santa Casa “era quase um depósito de doentes, que ele modernizou e equipou”.

Shariff Moisés, que em 1984 foi chamado por Dr. Luiz para assumir o Serviço de Cirurgia Cardíaca na Santa Casa, não pensa diferente. Ele conta que, quando deixou o cargo, a Santa Casa já estava operando dois doentes por dia, e tudo como decorrência da gestão de Buaiz.

A Santa Casa de Vitória – a segunda do Brasil – começou funcionando em frente ao Palácio Anchieta, no lugar que foi, durante décadas, o Palácio Legislativo. Quando Luiz Buaiz assumiu a Provedoria, pela primeira vez ela já estava, havia muito, no prédio na Vila Rubim. E o que os seus colegas de profissão ressaltam é que, com ele lá, todos os pacientes eram bem atendidos e todos os médicos encontravam abrigo. O lugar transformou-se em referência.

Luiz Buaiz fala assim: “O grande centro médico era a Santa Casa. A Santa Casa sempre teve vocação pra ser hospital de ensino. Porque começava tudo ali. Serviço de tuberculose foi lá. De câncer, de radioterapia também. Tudo começava em torno da Santa Casa. Lá não havia limite para atender, ninguém deixava de ser atendido”.

E continua: “Eu me lembro de Carlos Teixeira chefiando a Enfermaria de Urologia. Até as pessoas que tinham recursos iam pra lá. Então, ele coletava algum recurso pra conseguir sangue e poder operar os doentes carentes. Tudo isso o médico fazia sem interesse pessoal nenhum. Não tem um médico daquela geração que acabou rico pela Medicina. E hoje o sujeito está de carro importado em seis meses. Então o que houve? Substituíram o homem pela máquina, então mudou a Medicina”.

São muitos os exemplos de bons profissionais do passado, diz ele, acrescentando: “Eu me lembro de Arthur de Carvalho Meirelles, na Santa Casa, atendendo 40, 50 pessoas toda manhã. A troco de filantropia. Então era amor, era caridade. Tudo isso desapareceu”.

 

PRODUÇÃO

 

Copyright by © Luiz Buaiz – 2012

 

Coordenação do Projeto: Angela Buaiz

 

Captação de Recursos: ABZ Projetos

 

Texto e Edição: Sandra Medeiros

 

Colaboraram nas entrevistas:

Leonardo Quarto

Angela Buaiz

Ruth Vieira Gabriel

 

Revisão: Herbert Farias

 

Projeto e Edição Gráfica: Sandra Medeiros

 

Editoração Eletrônica: Rafael Teixeira e Sandra Medeiros

 

Digitalização: Shan Med

 

Tratamento de Imagens: TrioStudio; Shan Med

 

 

Fonte: Luiz Buaiz, biografia de um homem incomum – Vitória, ES – 2012
Autora: Sandra Medeiros
Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2020

Especiais

Ano de 1566 - Por Basílio Daemon

Ano de 1566 - Por Basílio Daemon

Tendo sido chamado à Bahia em meados deste ano o irmão José de Anchieta a fim de receber ordens sacras, recomenda-lhe o padre Manoel da Nóbrega que chegasse à capitania do Espírito Santo

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Agapito - Por Sérgio Figueira Sarkis

Agapito, nos idos tempos das décadas de 30 e 40, era uma figura folclórica de Vitória. Pau pra toda obra!

Ver Artigo
Fugas, Revoltas e Quilombos - As Lutas Contra a Escravidão

O uso de cabelos grandes, tanto do tipo black power, quanto do tipo “rastafári”, têm sido sinônimo de rebeldia, conscientização negra

Ver Artigo
República não trouxe a estabilidade desejada

No ano da Proclamação da República o Espírito Santo estava dividido em 14 Municípios, 4 cidades e 10 Vilas

Ver Artigo
Luiz Buaiz - Um homem insubstituível

Sempre presente e extremamente generoso, a sua maneira de cuidar é incomparável e única

Ver Artigo
Viagem ao Espírito Santo (1888) - Princesa Teresa da Baviera (PARTE I)

A bordo do Maria Pia, sábado, 25 de agosto. Do Rio de Janeiro para o Espírito Santo

Ver Artigo