Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Igreja do Rosário

Igreja do Rosário - Barco 1980

A Igreja do Rosário, situada na Prainha de Vila Velha, teve sua construção iniciada em uma pequena colina e próximo do córrego Incerica pelo colonizador da Capitania do ES, Vasco Fernandes Coutinho, que desembarcou em 23 de maio de 1535, no domingo em que a Igreja comemorava o dia do Divino Espírito Santo, fazendo cumprir a Bula Papal, que determinava que, ao chegar ao local doado, deveria erguer uma igreja, para difundir a religião católica. A Pedra d'Ara foi trazida pelo donatário e mais tarde recebeu as relíquias.

A sua construção é muito frágil, consiste de: tabatinga (argila retirada das margens do córrego de Incerica), calcário (conchas maceradas no pilão) para dar liga, areia e água. Devido a esta fragilidade, por volta de 1912, a vibração provocada pelo tráfego dos bondes que passavam próximo, suas paredes começaram a abrir, sendo obrigado a colocação de tirantes para segurar as mesmas.

A Casa de Misericórdia para abrigar os doentes foi construída em 1595 a pedido do Padre José de Anchieta.

Quando os jesuítas Afonso Brás e Simão Gonçalves chegaram à Capitania do Espírito Santo, vieram até a Vila do Espírito Santo e encontraram a Igreja abandonada devido à fuga da maioria dos moradores do povoado para Vitória, em virtude dos constantes ataques dos índios.

A Capela era tão pequena, que os jesuítas relatavam, mesmo com a população reduzida ela não abrigava a comunicade local nas missas.

Segundo dados históricos, a Nave Maior é datada do século dezoito, pois em sua estrutura encontra-se tijolo queimado, bem como no Frontão superior.

A Igreja tinha como função, além dos cerimoniais religiosos, difundir as notícias das Províncias e do Reino, e servia como cartório de registros.

Em 1750 foi guinada à Paróquia e, em 1751, a ela foi destinada a pedra d'Ara, que fica encravada no Altar Mor, com as relíquias dos Mártires São Colombo e São Liberato conforme Diploma do Vaticano autenticado com o Selo Hispânico em cera vermelha.

O altares atuais da igreja foram inaugurados em uma missa celebrada em maio de 1908, sendo o Altar Mor bento com as imagens de Nossa Senhora do Rosário, São José e São João Batista.

Esta igreja sempre foi marcada pelo abandono, sua primeira grande reforma se deu através da Carta Régia de 18/11/1709, quando a Fazenda Real concedeu duzentos mil réis. Em 1855 foram reparados o assoalho e o telhado. Quando Dom Pedro II esteve aqui, em 28 de janeiro de 1860, ficou sensibilizado com o estado da Igreja e doou quatrocentos mil réis para consertos. No final da década de 50, foi substituído todo madeiramento do piso por ladrilho hidráulico. Finalmente, em 1990, houve a última grande reforma, que não respeitou a característica primitiva, removendo todo contra-piso em pé-de-moleque do período colonial, colocação de laje no coro, ao invés de madeira, tamponamento da antiga passagem para a casa de misericórdia, que servia de gruta para Nossa Senhora de Lourdes, dentre outros.

Autor: Gether Lima

História do ES

Movimento Estudantil ou AD USUM DELPHINI - Por Fernando Achiamé

Movimento Estudantil ou AD USUM DELPHINI - Por Fernando Achiamé

Para se falar sobre movimento estudantil em nossa capital pode-se começar e terminar reproduzindo trechos do discurso proferido pelo padre diretor do Colégio Salesiano na formatura do curso ginasial em 1964

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Duarte de Lemos, homem providencial

Duarte de Lemos rumou para o Espírito Santo com seus “criados e outras pessoas que por seu respeito vieram com ele”

Ver Artigo
Preparativos de viagem do donatário Vasco Fernandes Coutinho

Em Portugal preparava a viagem para o senhorio que lhe coubera “pera todo sempre”, segundo rezava a carta

Ver Artigo
Viajantes Estrangeiros no ES - Auguste de Saint-Hilaire

Augustin François César Prouvencial, segundo o nome de batismo, ou Auguste de Saint-Hilaire,

Ver Artigo
A Colonização do solo Espírito-Santense - Por: Yvone Amorim

Vasco Fernandes Coutinho faleceu a 16 de janeiro de 1561, em Vila Velha, onde residia. Acreditamos, em um futuro bem próximo, que se possa resgatar a importância da figura do donatário, como a melhor forma de cultivar a sua memória

Ver Artigo
Visita do Imperador ao ES – 1860

SS. MM. desembarcavam ao meio-dia. A esta hora todas as autoridades civis e militares, sacerdotes, estavam no Cais das Colunas esperando SS. MM.

Ver Artigo