Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Luiz Buaiz, um médico à moda antiga - Por Sandra Medeiros

Luiz Buaiz: um médico à moda antiga

Reunindo todos esses elevados valores e trabalhando incessantemente, Luiz Buaiz é um médico à moda antiga: ele vai à casa do paciente, ele não fecha a porta do consultório, ele está sempre à disposição, não importa a hora. E, indiscutivelmente, leva a sério o juramento de Hipócrates.

Atuando dessa maneira, se destaca, não apenas porque o que deveria ser comum ao longo dos anos foi escasseando, mas porque ele é superlativo em suas ações. Ele próprio faz uma avaliação do quadro atual da Medicina: “Hoje não existem mais médicos. Só profissionais da saúde.” E vai adiante ao dizer: “Os médicos antes não enriqueciam. Jolindo Martins, Raul de Oliveira Neves e muitos outros.”

Um episódio narrado pelo sobrinho Américo Buaiz Filho dá a exata dimensão de quem sempre foi o tio e da atuação de Luiz Buaiz: certa vez a Receita Federal o convocou para que esclarecesse o motivo por que, sendo um dos médicos com o consultório mais frequentado, em Vitória, não declarava seus rendimentos. Ele defendeu-se dizendo: “Porque não tenho arrecadação!” E não tinha mesmo. Luiz Buaiz poucas vezes cobra pelas suas consultas. Hoje ele diminuiu muito o ritmo, mas semanalmente está em seu consultório, onde trabalha sem cobrar, e atua ainda numa rede particular de assistência médica.

O médico e amigo Dilo Binda, que já foi prefeito de Colatina, deputado estadual e desde 2009 compõe a Diretoria da Santa Casa de sua cidade, fala assim de Luiz Buaiz: “É uma figura admirável, sempre buscou ajudar a todos, principalmente os pobres. Ele era humilde e como prova é só ver que ele foi o homem que mandou no estado, e não pegou cargo nenhum. Não quis saber de Tribunal de Contas e essas coisas. Admiro muito ele. Eu o conheci ainda na época da escola. O Dr. Luiz foi meu professor no segundo grau. Ele era bem jovem na época, e brincalhão, era amigo de todos, como sempre. Não reprovava ninguém, mas era respeitado por todos. Sou muito grato a ele. Foi o Dr. Luiz que me colocou no CRM, sempre obedeci a ele, a minha admiração só cresceu nesses anos todos. Não sei o número que represento na vida dele, mas ele para mim é o número um. Sempre”.

Trabalhar incansavelmente, sem pensar em dinheiro, apenas em exercer a sua missão, fez de Luiz Buaiz o médico de confiança que todos buscam e uma pessoa muito querida aonde quer que vá.

Todos desejam tê-lo ao lado, reconhecem a sua admirável capacidade. Pacientes e colegas de trabalho têm uma dívida de gratidão com Luiz Buaiz, que recorda: “Teve um momento na minha vida que eu tinha muito poder. Eu fazia amigos. Então, quando eu queria alguma coisa havia retribuição”.

O seu jeito alegre, que faz esquecer todos os problemas, e o seu exemplo de trabalho sério e constante contribuíram, sem dúvida, para a constatação que ele próprio faz: “Eu me fiz respeitado e respeitei todo mundo. Aonde eu chego, graças a Deus sou tratado com carinho. Quantas vezes me dão a preferência e eu pergunto o porquê, se é porque sou idoso, e respondem: ‘O senhor é um patrimônio da cidade’. E eu digo: Só não quero ser tombado”.

 

PRODUÇÃO

 

Copyright by © Luiz Buaiz – 2012

 

Coordenação do Projeto: Angela Buaiz

 

Captação de Recursos: ABZ Projetos

 

Texto e Edição: Sandra Medeiros

 

Colaboraram nas entrevistas:

Leonardo Quarto

Angela Buaiz

Ruth Vieira Gabriel

 

Revisão: Herbert Farias

 

Projeto e Edição Gráfica: Sandra Medeiros

 

Editoração Eletrônica: Rafael Teixeira e Sandra Medeiros

 

Digitalização: Shan Med

 

Tratamento de Imagens: TrioStudio; Shan Med

 

Fonte: Luiz Buaiz, biografia de um homem incomum – Vitória, ES – 2012.
Autora: Sandra Medeiros
Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2020

Especiais

Ao findar do Século XVIII – Por Mário Freire

Ao findar do Século XVIII – Por Mário Freire

O majestoso portão de acesso ao Convento da Penha conserva a data de 1774. Nessa época, ergueram, ao fim de penúltima volta da ladeira, uma capela ao Bom Jesus

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Agapito - Por Sérgio Figueira Sarkis

Agapito, nos idos tempos das décadas de 30 e 40, era uma figura folclórica de Vitória. Pau pra toda obra!

Ver Artigo
Fugas, Revoltas e Quilombos - As Lutas Contra a Escravidão

O uso de cabelos grandes, tanto do tipo black power, quanto do tipo “rastafári”, têm sido sinônimo de rebeldia, conscientização negra

Ver Artigo
República não trouxe a estabilidade desejada

No ano da Proclamação da República o Espírito Santo estava dividido em 14 Municípios, 4 cidades e 10 Vilas

Ver Artigo
Luiz Buaiz - Um homem insubstituível

Sempre presente e extremamente generoso, a sua maneira de cuidar é incomparável e única

Ver Artigo
Viagem ao Espírito Santo (1888) - Princesa Teresa da Baviera (PARTE I)

A bordo do Maria Pia, sábado, 25 de agosto. Do Rio de Janeiro para o Espírito Santo

Ver Artigo