Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Preparativos de viagem do donatário Vasco Fernandes Coutinho

Vasco Fernandes Coutinho, estátua em exposição na Casa da Memória, Vila Velha

Munido dos dois estatutos fundamentais, Vasco Fernandes Coutinho pôde concluir a tarefa de aliciamento dos companheiros de aventura, desvencilhar-se das propriedades que possuía em Portugal e preparar a viagem para o senhorio que lhe coubera “pera todo sempre”, segundo rezava a carta.

Quem era Vasco Fernandes Coutinho – Sua família – Quase tudo se ignora sobre a infância e mocidade do fundador do atual Estado do Espírito Santo.(7) Sabe-se apenas que foram seus pais Jorge de Melo, o Lágio,(8) e D. Branca Coutinho.(9) A história guardou, também, os nomes dos seus irmãos: Martim Afonso de Melo Coutinho, Diogo de Melo Coutinho(10) e Manuel de Melo.(11)

Taunay o dá como “homem aparentado à melhor fidalguia portuguesa”,(12) e Varnhagen,(13) segundado por Pedro de Azevedo(14) – ambos apoiados pela carta de doação e outros instrumentos régios –, di-lo “fidalgo da casa real”.

 

NOTAS

(7) - “No ano de 1510 Vasco Fernandes Continho é referido como “homem bem mancebo”. Novo e forte e sem recear nada deste mundo: levantava um mouro do cavalo com a ponta da lança, atirava-o ao chão e matava o infiel. / Sob as ordens do grande Afonso de Albuquerque, Vasco Fernandes ajudou à conquista de Goa aos turcos. Em 1511 partiu como conquistador para o Extremo Oriente e fez frente a uma carga de elefantes na tomada de Malaca. / Comandou um navio da esquadra que Albuquerque deixou de vigia no estreito de Malaca, mas em 1514 encontramo-lo de novo na Índia. No ano imediato partiu com Albuquerque para Ormuz, no Golfo Pérsico, tomou parte na morte do guazil Ras Ahmede e trabalhou com outros fidalgos na construção da fortaleza. [...] Após cinco anos de serviço com Afonso de Albuquerque, não é provável que Vasco Fernandes pudesse continuar a servir sob o comando pouco estimulante do sucessor do grande Governador. Parece que o jovem Vasco voltou a Portugal em 1516, mas regressou à Índia em 1521, durante o governo de D. Duarte de Menezes. Dali acompanhou o irmão Martim Afonso de Melo Coutinho à China, onde encontraram Duarte Coelho navegando por aqueles mares, e juntos combateram contra os juncos chineses. / Quando Vasco Fernandes regressou a Portugal não se sabe ao certo, nem o que fez antes de 1529. Provavelmente esteve algum tempo numa das fortalezas de Marrocos. Os documentos dão-no como tendo servido não só no Oriente, mas também na África, e este parece ser o único intervalo de tempo em que tal serviço podia ter sido desempenhado” (SANCEAU, Capitães, 141-3). Essa obra de Elaine Sanceau, cuja l.ª edição foi publicada em 1956, dedica um dos seus capítulos à biografia de Vasco Fernandes Coutinho. Não revela nada de novo sobre o tema.

(8) - O VISCONDE DE LAGOA escreve Lages (Grandes e Humildes, II, 162 e 174).

(9) - LAMEGO, Terra Goitacá, V, 369.

(10) - SOUSA, Anais, I, 133.

(11) - P. DE AZEVEDO, Primeiros Donatários, 200.

(12) - TAUNAY, Hist. Bandeiras, V, 247.

– “Vasco Fernandes Coutinho, fidalgo de igual valor e nobreza, dos mais ilustres e antigos solares de Portugal” (VASCONCELOS, Crônica, I, 58).

(13) - VARNHAGEN, HG, I, 170.

(14) - P. DE AZEVEDO, Primeiros Donatários, 200.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, julho/2018

História do ES

As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

O Ururau era em brigue de transporte, armado com seis bocas de fogo, que próximo a barra da baía de Vitória combateu por hora e meia um barco argentino o “Vencedor de Ituzaingu”

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Fundadores de Cachoeiro de Itapemirim - João Eurípedes Franklin Leal

Grande é a discussão em torno do povoamento e fundação da atual cidade de Cachoeiro de Itapemirim

Ver Artigo
Carta a um amigo

Aristeu Borges de Aguiar comenta rapidamente a situação em Portugal, e, como que vaticinando, diz “o Mundo anda meio atrapalhado, parecendo que caminha para grandes transformações". 

Ver Artigo
Com a República, pontes, estradas, indústria e comércio

No Espírito Santo, como nas demais províncias do Império, o movimento republicano foi pequeno. Em 23 de maio de 1887, foi fundado o primeiro clube republicano do Espírito Santo

Ver Artigo
Viagens à Capitania do ES - Por Bruno César Nascimento

Expedições às terras capixabas feitas pelo príncipe Maximiliano de Wied-Neuwied, em “Viagem ao Brasil” (1820), e pelo botânico e naturalista Auguste de Saint-Hilaire, em viagem por aqui em 1818

Ver Artigo
Textos de História Militar do Espírito Santo

Este é o propósito deste livro. Trata-se, o nome já o diz, de uma coletânea de textos, textos estes da mais diversa natureza: poema épico, ensaios históricos, crônicas, correspondência oficial e particular

Ver Artigo