Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Quem era Luiz Barbosa Leão - Por Elmo Elton

Residência de Luiz Barbosa Leão

Luiz Barbosa Leão, português, nasceu em Penafiel, província do Porto, a 1º de abril de 1824. Veio para o Brasil com dezoito anos, a conselho de dois tios: Dom Antônio Barbosa Leão, bispo do Porto, conhecido pela sua inteligência e extrema bondade, como o Santo Antão de Portugal, e José Barbosa Leão, médico cirurgião, político, jornalista e filósofo de nomeada. Esses tios não queriam que o sobrinho fosse servir como soldado, tal outros rapazes de sua idade, em colônias portuguesas na África. José Barbosa Leão já estivera no Brasil. Resolveu assim, encaminhar o jovem parente a pessoa radicada em Vitória, no Espírito Santo. Essa pessoa, cujo nome não conseguimos registrar, pai do saudoso capixaba Eugênio Neto, arranjou emprego para Luiz no comércio de Vitória. O moço logo se adaptou à nova terra, ganhou algum dinheiro, casando-se com moça de família moradora em Queimado, município da Serra. Enviuvou, dois anos após casado, daí contraindo segundas núpcias com Vitória Maria, residente na localidade de Laranjeiras, também na Serra.

Luiz Barbosa Leão, de boa instrução, conhecia o Latim e o Francês, idiomas aprendidos com o tio bispo, foi político atuante. Na Monarquia, manteve-se fiel ao Imperador. Na República, elegeu-se deputado estadual, cumprindo mandato no período de 1895 a 1900. Exerceu, na Serra, entre outras funções, o cargo de Intendente, hospedando em alojamento no fundo de sua casa comercial, os primeiros libaneses chegados àquela cidade. Deve-lhe a Serra o primeiro serviço de canalização de água, trazida da Cachoeira do Ouro, no Mestre Álvaro. As tubulações vieram, sob encomenda, da Bahia. Fez construir de alvenaria, oito artísticos chafarizes hoje destruídos, em pontos diversos da mesma cidade. Esses chafarizes foram construídos pelo engenheiro Jorge Hill, que, deixando residência em Vitória, ali se instalou até a conclusão das obras.

Luiz Barbosa Leão, homem religioso, íntegro e cordial, ao fim da vida, empobreceu, já que empenhado em campanhas políticas, dissipou tudo ou quase tudo que, através de trabalho contínuo e penoso, antes conseguira economizar. Faleceu aos oitenta anos de idade, a 4 de junho de 1904.

 

Fonte: Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo. Nº 31/33. Ano 1980/ 1982
Autor: Elmo Elton
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2011

 

 

LINK RELACIONADO

 

A Casa azulejada da Serra – Os Barbosa Leão

Personalidades Capixabas

Morris Brown

Morris Brown

O engenheiro civil aposentado Joseph William Morris Brown, 73 anos, um dos precursores do vôo livre no ES, morreu dia 20/02/2007, depois de fazer seu último vôo de asa-delta

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Lembranças de Marien Calixte, o doce imortal - Por José Roberto Santos Neves

No entanto, em 2014, quando a AEL publicou edital para preenchimento da cadeira de número 26, que pertencia a Marien Calixte, confesso que senti um frio na barriga

Ver Artigo
João Punaro Bley

Foi o governante do Espírito Santo que por mais tempo exerceu o poder no Espírito Santo

Ver Artigo
De volta para o futuro – Por Cariê

Mas muito mais importante mesmo do que todo esse folclore ou história é a grandeza do passado e hoje das pessoas que se constituem nos recursos humanos que dividem conosco a responsabilidade e a alegria de ser parte das peças fundamentais que formam o corpo de A Gazeta

Ver Artigo
Um professor esquecido nos anais da história do Espírito Santo José Ortiz

“O ensino é filho da vocação e não o sacrifício de uma vontade escravizada à necessidade de substituir ou ao desejo de lucro.” – José Ortiz

Ver Artigo
Augusto Ruschi

Na natureza tudo e todos são interdependentes; assim, a sobrevivência de todas as espécies, inclusive o homem, só pode ser conseguida através do entendimento desta interdependência

Ver Artigo