Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Herança Cultural Afro-Capixaba Culinária, Medicina e Linguagem

Herança Cultural Afro-Capixaba

Na parte norte do Espírito Santo foi onde a culinária doméstica mais preservou as tradições locais africanas, tanto no tipo de alimento, quanto na forma de prepará-lo, do mesmo modo que sofreu grande influência da chamada comida baiana.

O milho verde apenas cozido ou assado e seus derivados preparados nas tradições africanas, como o muxá, a papa, a canjica e a pamonha são muito apreciados. As moquecas de peixes e de mariscos já são atualmente símbolos da culinária capixaba. O arroz doce ou “arroz de Haussá”, o pé-de-moleque, a baba-de-moça, os papos-de-anjo, os quindins, as queijadinhas, os quebra-queixos, as paçocas e outros doces feitos com amendoim, coco, ovos e leite têm ainda muita popularidade. A mandioca ou aipim, oficialmente indígena, foi amplamente utilizada pelos negros e, em sua forma simples, apenas cozida ou, nas formas derivadas de farinha e de goma, como tapioca molhada ou seca, mingau ou beiju, estando sempre presente às mesas. A feijoada, nacionalmente conhecida, é muito popular. Os cozidos de carne de boi, com verduras e legumes, ou de “mocotó” e de ossos para caldos e sopas ainda são sucesso entre muitos capixabas.

No que diz respeito à medicina, principalmente nos Barracões de Candomblé e Terreiros de Umbanda, é que são encontradas verdadeiras reservas da milenar experiência indígena e africana acerca do uso de inúmeras espécies de plantas ou combinações de espécies diversas para o tratamento das mais variadas doenças.

Sobre a linguagem, muitas são as palavras de origem africana utilizadas normalmente no cotidiano da população em geral. Porém é entre os membros da Comunidade de Terreiros e Barracões que as línguas africanas preservaram, em certos casos, estruturas comunicativas inteiras, tanto nas músicas sagradas cantadas para os Orixás, quanto no uso para tratar de questões não sagradas. Dessa forma, é comum o uso genérico da língua lorubá ou Nagô, que é Sudanesa, enriquecida com palavras de muitas outras línguas. Tal fenômeno cria a possibilidade de membros dessas Comunidades comunicarem-se utilizando apenas essa herança linguística, que, assim, assume o caráter de língua sagrada ou secreta, isto é, para tratar propriamente dos assuntos sagrados ou para evitar que estranhos compreendam os assuntos tratados entre os falantes. Entretanto, parece que a maior influência africana no português falado em todo Brasil é da língua Quimbundo, que é Banto. Mas tanto a língua lorubá, quanto a língua Quimbundo tinham fortes influências da língua árabe.

 

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

Governador

Paulo Cesar Hartung Gomes

Vice-governador

César Roberto Colnago

Secretário de Estado da Cultura

João Gualberto Moreira Vasconcelos

Subsecretário de Gestão Administrativa

Ricardo Savacini Pandolfi

Subsecretário de Cultura

José Roberto Santos Neves

Diretor Geral do Arquivo Público do Estado do Espírito Santo

Cilmar Franceschetto

Diretor Técnico Administrativo

Augusto César Gobbi Fraga

Coordenação Editorial

Cilmar Franceschetto

Agostino Lazzaro

Apoio Técnico

Sergio Oliveira Dias

Editoração Eletrônica

Estúdio Zota

Impressão e Acabamento

GSA

 

Fonte: Negros no Espírito Santo / Cleber Maciel; organização por Osvaldo Martins de Oliveira. – 2ª ed. – Vitória, (ES): Arquivo Público do Estado do Espírito Santo, 2016
Compilação: Walter de Aguiar Filho, agosto/2021

Folclore e Lendas Capixabas

O sonho de Frei Pedro Palácios – Por Maria Stella de Novaes

O sonho de Frei Pedro Palácios – Por Maria Stella de Novaes

Muitas são as lendas que saturam de poesia a vida de Frei Pedro Palácios, o irmão leigo franciscano, que trouxe, da Europa, a devoção a Nossa Senhora da Penha, para o Brasil

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

O Frade e a Freira - A Lenda por Estêvão Zizzi

Essa é a versão mais próxima da realidade...

Ver Artigo
O Caparaó e a lenda – Por Adelpho Monjardim

Como judiciosamente observou Funchal Garcia, a realidade vem sempre acabar “com o que existe de melhor na nossa vida: a fantasia”

Ver Artigo
A Igreja de São Tiago e a lenda do tesouro dos Jesuítas

Um edifício como o Palácio Anchieta devia apresentar-se cheio de lendas, com os fantasmas dos jesuítas passeando à meia-noite pelos corredores

Ver Artigo
Alcunhas e Apelidos - Os 10 mais conhecidos de origem capixaba

Edifício Nicoletti. É um prédio que fica na Avenida Jerônimo Monteiro, em Vitória. Aparenta uma fachada de três andares mas na realidade tem apenas dois. O último é falso e ...

Ver Artigo
A Academia de Seu Antenor - Por Nelson Abel de Almeida

Era a firma Antenor Guimarães a que explorava, em geral, esse comércio de transporte aqui nesta santa terrinha

Ver Artigo