Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A Revolta de Xandoca

Na foto, Marcondes Alves de Sousa – que sucedeu a Jerônimo Monteiro

Marcondes Alves de Sousaque sucedeu a Jerônimo Monteiro – o Congresso Estadual submeteu a Constituição a uma reforma cujo objetivo principal era atender a interesse político eventual.

Preocupado em conhecer pessoalmente os problemas locais de cada região, Alves de Sousa visitou todos os municípios do Estado, em 1913.

Ao fim de seu governo – quando da propaganda eleitoral para a sucessão presidencial – o Estado conheceu, novamente, dias de luto e tristeza, provocados por tremenda luta política.

O Espírito Santo dividiu-se entre os partidários de José Gomes Pinheiro Júnior e Bernardino Monteiro. Reconhecida, oficialmente, a vitória do último, os partidários daquele tentaram estabelecer um segundo governo, com sede em Colatina.

O episódio é conhecido pelo nome de Revolta do Xandoca, devido a Alexandre Calmon. Esse político, a princípio companheiro de chapa de Bernardino Monteiro, como candidato à vice-presidência, rompeu com os antigos correligionários, aliando-se a Pinheiro Júnior.

Realizadas as eleições, os partidários do último instalaram um Congresso Legislativo, em Vitória, sob a presidência de Joaquim Guimarães. A vinte e três de maio de 1916, Pinheiro Júnior instalou seu governo em Colatina, proclamada capital do Estado, e embarcou, em seguida, para o Rio de Janeiro, de regresso a Teresópolis, onde clinicava.

 Alexandre Calmon, na qualidade de vice-presidente, manteve-se ali até o dia vinte e nove de junho de 1916, data em que se internou no território mineiro, seguido de um grupo de companheiros solidários com a sorte do chefe vencido.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 1951
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2012

Curiosidades

O Interesse pelo caranguejo

O Interesse pelo caranguejo

O Espírito Santo nunca foi pensado como unidade, e acabou se tornando uma miríade, com o oeste voltado para Minas, o norte para a Bahia, o sul para o Rio de Janeiro

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A primeira boiada – Por Serafim Derenzi

A capacidade de Francisco Alberto Rubim excedia em muito aos recursos da Capitania e ao interesse teórico da Metrópole

Ver Artigo
O Século XIX e a Fronteira com Minas Gerais

Não se avaliava o incalculável prejuízo oriundo do leviano auto assinado pelo mineiro de Mariana, a serviço no Espírito Santo

Ver Artigo
Carta de Padrão de D. João III (1653) – Por Nobertino Bahiense

A carta de Padrão de D. João III e datada de 6/11/1653 é precioso documento que não podia deixar de integrar esta obra

Ver Artigo
Tipos Populares e Tipos Impopulares de Vitória

Há uma imensa coleção de tipos populares em Vitória, que qualquer um pode se aproximar, conversar, saber de suas mágoas e de seus problemas: Oto, Meio-Fio, Odilon, Boião (ou Canguru), Buck (ou Nero), Pau-de-Arara, Violão, Samuel, o agitador, e mais alguns outros que não me ocorrem no momento.

Ver Artigo
O Parque Real da Regência Augusta

Proposta revolucionária do Governador Silva Pontes de criação de uma reserva florestal

Ver Artigo